Dissidente acusa a China de ter uma ‘prisão secreta’ em Dubai

Wu Huan ficou presa por oito dias num condomínio
-Publicidade-
Bandeira da China | Foto: Pixabay
Bandeira da China | Foto: Pixabay

A dissidente Wu Huan, de 26 anos, acusou o governo chinês de manter uma cadeia clandestina em sua embaixada em Dubai. Segundo seu testemunho à agência Associated Press, ficou semanas presa com outras duas mulheres, provavelmente da minoria Uighur.

Wu Huan disse que estava nos Emirados Árabes Unidos para denunciar a prisão de seu noivo quando foi levada por policiais locais, presa por três dias e em seguida transferida por um funcionário chinês para um condomínio “cujos quartos foram convertidos em celas com pesadas portas metálicas”. Após oito dias, Wu foi pressionada a assinar um documento incriminando o noivo.

“China fala em ‘relações amistosas e de cooperação’ com Talibã”

-Publicidade-

Segundo o jornal britânico The Times, o casal agora está na Holanda, onde pretende se asilar. Os governos da China e dos EAU negam as acusações.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro