EUA combaterão práticas comerciais ‘desleais’ da China

Nova equipe democrata compartilha o diagnóstico com o governo anterior, comandado por Donald Trump
-Publicidade-
Katherine Tai é a nova representante comercial dos Estados Unidos
Katherine Tai é a nova representante comercial dos Estados Unidos | Foto: Reprodução/Flickr

O governo dos Estados Unidos usará “todas as ferramentas” à sua disposição para pôr um fim às práticas comerciais “desleais” da China, destacou o Escritório do Representante Comercial (USTR) em suas diretrizes para 2021, publicadas nesta segunda-feira, 1º de março, juntamente com seu relatório anual. Washington “reconhece que as práticas comerciais coercitivas e desleais da China prejudicam os trabalhadores norte-americanos, ameaçam nosso avanço tecnológico […] e socavam nossos interesses nacionais”, destaca a nova equipe democrata. Ela compartilha o diagnóstico com o governo de Donald Trump, que desatou a guerra comercial alfandegária com a China. “Superar o desafio da China exigirá uma estratégia global e uma abordagem mais sistemática do que os mecanismos desordenados do passado recente”, acrescentou.

Na semana passada, a nova representante comercial, Katherine Tai, afirmou durante sua audiência de nomeação no Senado que faria um “exame completo” da política comercial norte-americana com relação à China. Entre as práticas consideradas “prejudiciais” pelos norte-americanos, o USTR cita as barreiras alfandegárias e não alfandegárias que restringem o acesso ao mercado chinês, as políticas industriais que recorrem a subsídios considerados injustos e os subsídios à exportação. “Também incluem as transferências forçadas de tecnologia, as aquisições ilícitas e a violação da propriedade intelectual norte-americana, a censura e outras restrições na internet e na economia digital.”

Será “prioridade absoluta” lutar contra as violações dos direitos humanos, acrescentou, citando o programa de trabalho forçado imposto a minorias étnicas e religiosas. “Os norte-americanos e os consumidores de todo o mundo não querem produtos fabricados com trabalho forçado”, destacou o USTR, citando “um regime de repressão sistemática orquestrado pelo Estado”, que põe em desvantagem alguns trabalhadores. O novo governo dos Estados Unidos promete fazer os investimentos necessários para ajudar os trabalhadores, sustentar a inovação e melhorar a competitividade da produção local.

-Publicidade-

Leia também: “Governador de Nova York é acusado de abuso sexual por ex-assessora”

Com informações da AFP

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site