França chama para consultas embaixadores nos EUA e na Austrália

Franceses criticam acordo firmado entre Washington, Londres e Camberra sobre submarinos movidos a energia nuclear
-Publicidade-
Governo francês subiu o tom contra a postura de Estados Unidos e Austrália em relação a acordo sobre submarinos nucleares
Governo francês subiu o tom contra a postura de Estados Unidos e Austrália em relação a acordo sobre submarinos nucleares | Foto: Reprodução/Flickr

O governo do presidente Emmanuel Macron, da França, decidiu chamar para consultas seus embaixadores nos Estados Unidos e na Austrália, em meio a uma crise diplomática ocasionada por um acordo firmado entre Washington, Londres e Camberra para fornecer à Marinha australiana pelo menos oito submarinos movidos a energia nuclear.

Como noticiamos, após a negociação multilateral, os franceses perderam o contrato de US$ 66 bilhões que tinham com a Austrália para o fornecimento dos veículos. De acordo com a diplomacia francesa, o episódio é de “gravidade excepcional”.

Leia mais: “Acordo dos EUA sem a França esgarça relação entre Biden e Macron: ‘Apunhalada nas costas’”

-Publicidade-

“A pedido do presidente da República, decidi chamar imediatamente para consultas nossos dois embaixadores nos Estados Unidos e na Austrália. Essa decisão excepcional se justifica pela gravidade excepcional dos anúncios realizados em 15 de setembro por Austrália e Estados Unidos”, afirmou o ministro das Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian.

A convocação de embaixadores para consultas é considerada uma medida grave na diplomacia e pode indicar, em alguns casos, possível rompimento mais adiante. Estados Unidos e França, países historicamente aliados, vivem momento de estremecimento de suas relações.

Leia também: “EUA, Reino Unido e Austrália anunciam aliança contra China”

Ainda segundo Le Drian, o acordo representa “comportamento inaceitável entre aliados e parceiros, cujas consequências afetarão a própria concepção que temos de nossas alianças, nossas parcerias e a importância do Indo-Pacífico para a Europa”.

O governo da Austrália, por sua vez, afirmou compreender a postura dos franceses diante do rompimento do acordo que havia sido estabelecido entre os dois países para a compra de submarinos.

Leia mais: “Na França, 3 mil profissionais da saúde são suspensos e ficarão sem pagamento por rejeitarem a vacina”

“Entendo totalmente a decepção. Não há dúvida de que essas são questões muito difíceis de lidar”, reconheceu a ministra de Relações Exteriores australiana, Marise Payne. “Mas seguiremos trabalhando de forma construtiva e próxima de nossos colegas franceses.”

Leia também: “O fiasco de Joe Biden”, artigo de Ana Paula Henkel publicado na Edição 74 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. Pau que bate em Chico, bate em Francisco. Este “presidente” da Franca vice prejudicando o nosso agronegócio, agora está recebendo do mesmo veneno. O Brasil deve se impor a este tipo de procedimento, o nosso agro será o futuro de comida para o mundo no futuro.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.