Japão não pode cancelar Olimpíada, caso o COI diga que ela deve ocorrer

Contrato sugere um acordo desvantajoso para a cidade-sede, Tóquio
-Publicidade-
Tocha olímpica percorre o país, enquanto cresce a pressão para cancelamento ou adiamento dos Jogos de Tóquio 2020
Tocha olímpica percorre o país, enquanto cresce a pressão para cancelamento ou adiamento dos Jogos de Tóquio 2020 | Foto: Divulgação

A leitura do contrato assinado pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), o Governo Metropolitano de Tóquio e o Comitê Olímpico Japonês (JOC) sugere um arranjo que coloca a cidade-sede da Olimpíada em clara desvantagem, reportou o jornal Valor Econômico. O texto somente foi divulgado em 2017, depois que o COI e o Japão fizeram uma atualização do acordo de sigilo.

Conforme o documento, o COI é o único com autoridade para cancelar os Jogos Olímpicos — inclusive naqueles casos em que “a segurança dos participantes dos jogos seria seriamente ameaçada ou comprometida”. Soma-se a isso o fato que Tóquio, o JOC e o comitê organizador de Tóquio não podem exigir qualquer “indenização, danos ou outra compensação”, pelo cancelamento. Conforme noticiou Oeste, mais de 80% da população japonesa é a favor de cancelar ou novamente adiar a Olimpíada. O país voltou a prorrogar o estado de emergência, após uma quarta onda de covid-19 atingi-lo.

Leia também: “Covid-19: Tóquio prorroga estado de emergência até 20 de junho”

-Publicidade-

Já na eventualidade do COI cancelar a Olimpíada a pedido do Japão, haverá obrigações financeiras do lado japonês para com o COI e outras partes, como as emissoras. De acordo com Taisuke Matsumoto, advogado especializado em contratos de eventos esportivos internacionais e professor de ciências do esporte da Universidade Waseda: “Existe a possibilidade de o COI solicitar uma indenização do lado japonês”.

O único golpe financeiro seria o dos direitos de transmissão, coloca a reportagem do Valor Econômico. Na Olimpíada de 2013-16, dos US$ 5,7 bilhões em receita que o COI obteve, eles responderam por 73%. Em 2014, o comitê assinou um acordo concedendo direitos de transmissão dos jogos aos EUA (para a NBCUniversal), de 2021 a 2032, por US$ 7,65 bilhões.

Cerca de 90% da receita do Comitê Olímpico Internacional é distribuída para entes como federações esportivas internacionais e comitês olímpicos nacionais. Muitas federações de esportes menos convencionais são dependentes do valor.

“O COI e a NBC têm seguro, mas é improvável que ele cubra todos os prejuízos financeiros de um cancelamento”, afirma Matsumoto, que acredita que o Japão pode acabar sendo responsável por centenas de milhões de dólares.

Leia também: “Associação de médicos pede cancelamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro