Kate: muito sangue e muito estilo

Novo filme da Netflix mostra um Japão com estética de videogame
-Publicidade-
Foto: divulgação Netflix
Foto: divulgação Netflix

Kate, lançado na sexta-feira passada pela Netflix, é um festival de sangue, mas com muito estilo. Conta a história de uma matadora profissional (Mary Elizabeth Winstead) que é envenenada e tem 14 horas para se vingar do seu assassino antes de morrer.

Leia mais: “Os números de James Bond

O filme, escrito por Umair Aleen, segue a linha “mulher sexy aparentemente frágil, mas extremamente perigosa”, como a Charlize Theron de Atomic Blonde (2017), da mesma produtora. Kate bate muito, apanha igualmente e ainda mostra as desagradáveis marcas de seu envenenamento no corpo.

-Publicidade-
Mary Elizabeth Winstead (Foto: divulgação Netflix)

O longa tem a talentosa Miku Patricia Martineau no papel de uma adolescente mimada e Woody Harrison como o mentor de Kate. O enredo não tem nada de original, mas o filme vale pelo tratamento superestiloso do diretor francês Cedric Nicolas-Troyan. Ele oferece um filme com estética de videogame, recriando um Japão pop, artificial, noturno e com gosto de Boom Boom Lemon.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro