Museu de Londres vai devolver à Nigéria objetos do século 19

Ao todo, 72 artefatos devem retornar ao país africano
-Publicidade-
A placa do chefe Uwangue e comerciantes portugueses é uma das peças que serão devolvidas à Nigéria
A placa do chefe Uwangue e comerciantes portugueses é uma das peças que serão devolvidas à Nigéria | Foto: Reprodução

Setenta e dois artefatos saqueados em 1897, durante uma incursão militar britânica ao então reino de Benim, serão devolvidos à Nigéria, de acordo com anúncio feito pelo Museu Horniman, de Londres, no domingo 7. Entre as obras, há 12 que integram a coleção de bronzes de Benim, de mais de mil peças. Também há peças de marfim e latão, usadas em rituais, e objetos da vida cotidiana, como leques e cestos, além de uma chave “do palácio do rei” .

O Museu de Horniman aceitou o pedido de restituição das obras feito em janeiro pela Comissão Nacional de Museus e Monumentos da Nigéria, que comemorou a decisão do estabelecimento londrino. A presidente do museu, Eve Salomon, disse que “a evidência foi muito clara de que esses itens foram obtidos à força, e a consulta externa confirmou nossa opinião de que era moral e apropriado devolver sua propriedade à Nigéria”.

Com a decisão, as duas instituições vão definir o processo formal de transferência de propriedade e a possibilidade de alguns objetos permanecerem emprestados, para exibição ou para fins de pesquisa ou ensino. A Nigéria negociou a devolução dos Bronzes de Benim com vários países europeus e planeja construir um museu com essas peças.

-Publicidade-

Em novembro, a França devolveu a Benim, país vizinho da Nigéria, 26 obras dos tesouros reais de Abomey, saqueadas em 1892 pelas tropas coloniais francesas. Um galo de bronze e uma cabeça de monarca foram devolvidos pelo Reino Unido à Nigéria no início deste ano. Além disso, a Grécia também pede há décadas ao Reino Unido os frisos do famoso e antigo templo do Partenon, em Atenas, exibido no Museu Britânico de Londres. Recentemente, ele disse que estava aberto a um acordo com a Grécia para compartilhá-los.

Leia também: Artigo publicado na edição 92 de Oeste Onde guardar os tesouros históricos? — que discute a propriedade desses objetos recolhidos pelas nações europeias. Eis um trecho: “Se não tivesse sido removida, a maior parte desses objetos desapareceria. As peças estavam enterradas, sob muita lama ou barro. Seriam consumidas como matéria orgânica. Tornaram-se arte apenas porque europeus administradores de museus disseram: ‘Isso é arte’”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. A Nigéria não é o Afeganistão. Os tesouros históricos e arqueológicos em questão são referências à história da Nigéria e têm significado cultural relevante, devem retornar à Nigéria. Se os nigerianos vão conservar seu patrimônio cultural, só o tempo dirá.

  2. Quem puder ir a Londres e visitar e estudar estas obras que o façam rapidamente, pois chegando ao país de origem, provavelmente será muito improvável que permaneça ao olhos do publico, e ainda assim países de difícil visitação por conta de conflitos e guerras além de extremismos religiosos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.