Nicarágua inicia julgamentos de opositores de Ortega

O país também suspendeu universidades, entidades ligadas aos direitos humanos e ONGs
-Publicidade-
O ditador da Nicarágua, Daniel Ortega, está no comando desde 2007
O ditador da Nicarágua, Daniel Ortega, está no comando desde 2007 | Foto: Reprodução/Redes sociais

A Justiça da Nicarágua, alinhada ao ditador Daniel Ortega, deu início na quarta-feira 2 aos julgamentos de uma série de presos políticos.

Alguns deles seriam candidatos na eleição de fachada realizada em novembro, da qual previsivelmente saiu vencedor o ditador.

Os “julgamentos orais e públicos”, como foram definidos, pesam sobre 13 dos atuais 168 presos políticos do regime.

-Publicidade-

Na quarta-feira, foram condenados dois jovens que participaram dos protestos de 2018, nos quais a forte repressão do regime acabou matando mais de 300 pessoas.

Yader Parajón e Yaser Vado foram classificados pelo Ministério Público como “criminosos e delinquentes que atentaram contra os direitos do povo, comprometendo a paz e a segurança”.

O Centro Nicaraguense dos Direitos Humanos denunciou que o julgamento esteve cheio de irregularidades, como a falta de acesso dos advogados aos detidos e a prisão preventiva tendo se estendido por muito mais do que a lei determina (90 dias).

Nos próximos dias, vão se sentar no banco dos réus outros rivais políticos importantes de Ortega e do sandinismo, como a ex-ministra Dora María Téllez e a dissidente Ana Margarita Vijil, entre outros. Seus advogados afirmam que elas estão sendo mantidas isoladas, incomunicáveis, com má alimentação e sem direito a troca de roupa.

Os julgamentos ocorrem no próprio centro de detenção de El Chipote, o que configura outra irregularidade, uma vez que não se usam os estabelecimentos regulares do Judiciário.

Universidades, entidades e ONGs suspensas

A Assembleia Nacional do país cancelou as permissões de operação de cinco universidades.

Também foram suspensos, a pedido do Ministério do Governo, os registros jurídicos de 11 entidades civis nicaraguenses ligadas à defesa dos direitos humanos.

Também foram desligadas entidades com alguma relação com os Estados Unidos e a União Europeia, que desde a eleição de fachada aumentaram o número de sanções contra o país da América Central.

Ortega — um dos líderes da Revolução Sandinista, que nos anos 1970 derrubou a dinastia Somoza — tomou posse oficialmente em janeiro, para seu quinto mandato. Ele está no poder desde 2007.

Leia também: “A Nicarágua entra no clube das ditaduras”, reportagem de Dagomir Marquezi publicada na edição 86 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. O caminho está sendo pavimentado por aqui tbm. Não se enganem, se o molusco (e o seu bando) voltar ano que vem, ele nunca mais sai de lá, NUNCA MAIS!!! O que podemos fazer é alertar, fale sobre isso na sua igreja, num clube que vá, no taxi, no uber, na padaria, no trabalho, por onde for, espalhe o que está acontecendo, avise, pois qto mais pessoas souberem, menor será a chance desses fdp’s votarem …

  2. Acorda Brasil é a nossa última chance! Se a esquerda se instalar no Brasil novamente, nunca mais teremos voz. qual será o futuro que deixaremos para nossas crianças?

  3. Ídolo do larápio nove dedos, defendido pelos esquerdoides acéfalos e coniventes com a tirania latinoamericana. Parabéns àqueles que aplaudem e ovacionam tirânicos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.