Ômicron perde força com 3ª dose da vacina, informa Oxford

Estudo considerou os imunizantes da Pfizer e da AstraZeneca
-Publicidade-
O estudo ainda não foi revisado por pares
O estudo ainda não foi revisado por pares | Foto: iStock

A variante Ômicron do novo coronavírus perde musculatura com uma dose extra da vacina anticovid-19. O dado consta em estudo publicado nesta segunda-feira, 13, por pesquisadores da Universidade de Oxford.

O levantamento abrangeu as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer. Conforme a pesquisa, duas doses desses imunizantes produziram baixos níveis de anticorpos contra a Ômicron. O estudo ainda não foi revisado por pares.

Portanto, é necessária uma aplicação extra dos produtos, salientou o trabalho. Na semana passada, a Pfizer comunicou que a terceira dose aumenta os anticorpos do ser humano contra a nova cepa em 25 vezes.

-Publicidade-

“Esses dados só examinam os anticorpos neutralizantes depois da segunda dose, mas não nos falam sobre a imunidade celular, e isso também será testado”, advertiu Matthew Snape, coautor do estudo.

O que se sabe sobre a Ômicron

Descoberta em Botsuana, no sul da África, a nova variante do coronavírus tem causado apenas “sintomas leves” na grande maioria dos pacientes infectados na África do Sul. A constatação foi feita por uma médica sul-africana que já tratou dezenas de pessoas que contraíram a nova cepa nas últimas semanas.

Angelique Coetzee, presidente da Associação Médica da África do Sul, disse à agência de notícias France-Presse que grande parte dos pacientes atendidos está se recuperando bem e não precisou de internação. “O que eles mais relatam é um grande cansaço”, afirmou.

Leia também: “A supervacina”, reportagem publicada na Edição 39 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. A indústria de vacina vive de promessas não cumpridas. Várias pessoas com 3 doses já pegaram a ômicron. E não houve nenhuma morte na África do Sul, apesar de poucos vacinados. Eles querem é vender mais vacinas.

  2. A CURA o TRATAMENTO das doenças ficaram TOTALMENTE fora de moda! Agora a “moda”, caso esteja chovendo ou não, é obrigar todos a usarem um guarda-chuva 24 horas por dia, até mesmo quem esteja embaixo do telhado…

  3. E teremos 3 novas cepas a cada inverno, 6 novas vacinas…!!@
    E eu não morro disto, a menos que a IVERMECTINA seja paraguaia ou chinesa.
    Sai Satanás, tô indo para um Porto Seguro e vejam, dentro da Bahia comunista.

  4. Esses cientistas têm mesmo a máquina do tempo. Tem um mês que apareceu a variante e já tem testes comparando o uso de duas doses com a terceira. Tudo pra vender vacina e a farra não acaba mais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.