Parlamentares dos EUA desembarcam em Taiwan em meio à tensão na região

Nova visita política norte-americana tende a complicar relações com a China, que reivindica a ilha como parte de seu território
-Publicidade-
Parlamentares norte-americanos são recepcionados em visita oficial a Taiwan
Parlamentares norte-americanos são recepcionados em visita oficial a Taiwan | Foto: Reprodução/Ed Markey

Uma delegação de parlamentares dos EUA desembarcou em Taiwan neste domingo, 14, iniciando uma viagem de dois dias. A previsão é que os visitantes se encontrem com a presidente Tsai Ing-wen, configurando o segundo grupo de alto nível da política norte-americana a visitar o local nas últimas semanas, em meio às tensões militares entre a ilha autogovernada e a China.

No início do mês, a presidente da Câmara dos EUA Nancy Pelosi já havia visitado Taiwan em missão oficial, acirrando a crise diplomática entre norte-americanos e os comunistas chineses.

A China continental reivindica Taiwan como parte de seu território e têm realizado exercícios militares ao redor da ilha para expressar indignação com o que entendem como interferência dos EUA. Adicionalmente, o país impôs novas sanções econômicas aos vizinhos.

-Publicidade-

A embaixada dos EUA em Taipé informou que a delegação está sendo liderada pelo senador Ed Markey, do Partido Democrata, o mesmo do presidente Joe Biden e de Nancy Pelosi. O parlamentar está acompanhado por quatro membros da Câmara, no que descreveu como parte de uma visita maior à região do Indo-Pacífico. A expectativa é que o grupo se encontre com a presidente Tsai na manhã de segunda-feira.

“Especialmente em um momento em que a China está aumentando as tensões no Estreito de Taiwan e na região com exercícios militares, Markey liderando uma delegação para visitar Taiwan mais uma vez demonstra o firme apoio do Congresso dos Estados Unidos a Taiwan”, afirmou o comunicado do gabinete presidencial da ilha.

Origem da tensão entre China e Taiwan

Taiwan é uma democracia, com liberdade de imprensa, segundo artigo de Cristyan Costa para o site da Oeste. Também tem uma economia própria e pujante: é a 21ª do mundo (razoável para um país de apenas 23 milhões de habitantes). Além disso, sua indústria de tecnologia tem um papel importante: é líder global no fornecimento de chips semicondutores.

A ilha deixou de fazer parte da China em 1949, quando o Partido Nacionalista Chinês (conhecido como Kuomintang) foi derrotado pelo Partido Comunista, de Mao Tsé Tung. O nome oficial de Taiwan é República da China, enquanto sua rival tem uma palavra a mais na certidão: República Popular da China.

Em 1949, a cadeira chinesa na ONU passou a ser ocupada por Taiwan. Naquela época, a China comunista era tida como pária internacional, mas o cenário mudou em 1971, quando o país obteve um reconhecimento internacional abrangente com a visita do então presidente dos EUA, Richard Nixon. Dali em diante, a China continental assumiu o posto da China insular e Taiwan segue fora da ONU. Hoje, apenas 15 países reconhecem a ilha como nação soberana (o mais relevante entre eles é o Paraguai).

Enquanto isso, o Partido Comunista acredita na tese segundo a qual há uma só China, e que Taiwan faz parte dela. Mesmo assim, a soberania da ilha existe na prática (ela tem suas próprias Forças Armadas, Parlamento, presidente e economia).

Assine a Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.