-Publicidade-

Parlamento derruba presidente do Peru, acusado de corrupção

Martín Vizcarra teria recebido propina de empreiteiras investigadas pela Lava Jato
Presidente do Peru até ontem, Martín Vizcarrac deixa o cargo atolado em denúncias de corrupção | Foto: Andres Valle/Presidência do Peru/Flickr
Presidente do Peru até ontem, Martín Vizcarrac deixa o cargo atolado em denúncias de corrupção | Foto: Andres Valle/Presidência do Peru/Flickr | Presidente do Peru até ontem, Martín Vizcarrac deixa o cargo atolado em denúncias de corrupção | Foto: Andres Valle/Presidência do Peru/Flickr

Martín Vizcarra teria recebido propina de empreiteiras investigadas pela Lava Jato

parlamento
Presidente do Peru até ontem, Martín Vizcarra deixa o cargo atolado em denúncias de corrupção | Foto: Andres Valle/Presidência do Peru/Flickr

Por 105 votos a favor e 4 abstenções, o Parlamento do Peru cassou o presidente Martín Vizcarra. Ele deixou o cargo na noite da segunda-feira 9. O ex-chefe do Executivo é acusado de ter recebido propinas de construtoras. O escândalo foi revelado pelo jornal El Comercio, que publicou detalhes de uma investigação com depoimentos de quatro delatores. Segundo eles, Vizcarra beneficiou-se de dinheiro ilícito na época em que foi governador do distrito de Moquegua, de 2011 a 2014. As denúncias que implicam o político são decorrentes de investigações da Lava Jato, que, além do Brasil, teve desdobramentos em vários países da América Latina onde empreiteiras mantinham negócios. Vizcarra nega as acusações.

Ele assumiu a Presidência em 2018, com a renúncia de Pedro Pablo Kuczynski, o PPK, que também caiu por causa de denúncias de corrupção. Durante o mandato, Vizcarra teve relação complicada com o Congresso. Em setembro de 2019, ele dissolveu o Parlamento, que era de maioria oposicionista. Em janeiro deste ano, promoveu eleições, mas a fragmentação não lhe deu força suficiente para sobreviver a dois pedidos seguidos de afastamento. Com o impeachment, o poder será entregue ao presidente do Congresso, Manuel Merino de Lama, até o fim da atual legislatura, em junho de 2021. A partir de então, novas eleições serão convocadas para definir o futuro do Peru.

Leia também: “A operação que mostrou que todos são iguais perante a lei”, reportagem publicada na edição n° 21 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês