Presidente do Peru é intimado a depor, e impeachment ganha força

Pedro Castillo é acusado de pressionar as Forças Armadas a promover militares ligados a seu governo
-Publicidade-
Pedro Castillo começa a perder força no Peru
Pedro Castillo começa a perder força no Peru | Foto: Reprodução/Instagram

O presidente do Peru, Pedro Castillo, terá de depor à Promotoria em 14 de dezembro para explicar sua tentativa de promover os militares ligados ao governo esquerdista. O caso tornou-se público em novembro deste ano e acarretou a renúncia do ministro da Defesa, Walter Ayala.

A intimação foi feita na última quinta-feira, 2. Castillo não é investigado, e as investigações ainda estão em fase preliminar.

-Publicidade-

Debandada

O escândalo veio à tona depois de o presidente peruano demitir os comandantes do Exército, general José Vizcarra, e da Força Aérea, Jorge Chaparro. Posteriormente, os dois disseram que foram pressionados a promover de maneira irregular alguns integrantes das Forças Armadas. De acordo com os oficiais, as tentativas partiram do então ministro Walter Ayala e de Bruno Pacheco, secretário de Castillo.

Ambos os funcionários pediram demissão e estão sendo investigados sob a acusação de que incorreram na alegada prática dos crimes de abuso de autoridade e patrocínio ilegal, previstos e sancionados no Código Penal.

Impeachment à vista

O caso aumentou a temperatura da crise política envolvendo Castillo, que assumiu o comando do país em julho deste ano. No último dia 25, congressistas de três partidos de direita apresentaram um pedido de destituição do presidente, sob a alegação de que o político de extrema esquerda não possui capacidade moral para exercer suas funções.

O pedido conta com 28 assinaturas — duas a mais do que o exigido para iniciar o trâmite de votação no Parlamento unicameral no país. No entanto, o avanço da matéria não está garantido, pois são necessários os votos de pelo menos 40% dos 130 deputados. A votação está marcada para a próxima terça-feira, 7.

Ainda que o pedido avance nessa primeira fase, a destituição de Castillo depende do apoio de 87 parlamentares, o equivalente a 70% da Casa. Hoje, a oposição é maioria no Legislativo, enquanto o partido governista, Peru Livre, conta com apenas 37 cadeiras.

Com informações da Folha de S.Paulo

Leia mais: “O Peru no caminho tenebroso”, reportagem de Dagomir Marquezi publicada na Edição 72 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Usando a mesma receita chavista na Venezuela. Só um burro que não percebe isso. Tomar controle das forças armadas, o resto fica fácil.

  2. Não adianta, onde a esquerda entra não sai mais porque a base vira isso, cabides de emprego para quem for pró governo e que só vão se mantendo no poder a base de corrupção e roubalheira 🤮

  3. O presidente comunista, com seu traje ridículo (esses tiranetes gostam de lançar modas – vide Khadafi com seus vestidos, Castro com suas habaneras, Maduro com suas camisas vermelhas, etc. e esse aí com seu chapelão tipo Zelaya que tanbém acaba de vencer em Honduras ), começa a aplicar a velha receita para se eternizar no poder. Se não for cortado agora, teremos uma nova Venezuela.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.