Quando virá o grande asteroide?

Cientistas dizem que não é uma questão de "se" o impacto vai acontecer, mas "quando"
-Publicidade-
Asteroide Psiche. (Foto: reprodução Wikipedia)
Asteroide Psiche. (Foto: reprodução Wikipedia)

“Asteroides e cometas impactaram a Terra no passado, e eles certamente vão impactar no futuro. A questão é quando”. A declaração foi dada pela astrônoma Amy Mainzer, da Universidade do Arizona.

Mainzer foi a assessora do filme “Não Olhe Para Cima” (Netflix), um dos maiores sucessos nos serviços de streaming dos últimos tempos. O filme mostra a aproximação de um cometa “matador de planetas”. Outros filmes já tinham tratado do tema, como Impacto Profundo, de 1998.

-Publicidade-

Segundo matéria do jornal britânico The Times, para extinguir a vida na Terra o asteroide teria que ter pelo menos 8 quilômetros de comprimento, semelhante à rocha que extinguiu os dinossauros há milhões de anos.

“Tal objeto transformaria uma área de centenas de quilômetros em rocha derretida no impacto, enviando uma onda de choque devastadora em todas as direções”, informa a matéria do Times. “A poeira e o gás resultantes do impacto bloqueariam o sol, enquanto as cinzas cairiam como uma chuva de fogo. A maior parte, senão toda a Terra se tornaria inabitável.

Segundo a NASA, a Agência Espacial Europeia e outras organizações, não existe nenhuma ameaça desse tamanho prevista para os próximos 100 anos. Mas asteroides menores e cometas são mais difíceis de serem localizados. Um deles explodiu na Rússia em 2013 com o poder de 440 mil toneladas de TNT, ferindo 1.600 pessoas.

Em setembro a nave Dart, da NASA, vai se chocar com um asteroide chamado Dimorphos para testar se é possível desviar a sua trajetória. Uma organização chamada Asgardia está propondo, segundo o The Times, uma “política de seguro para toda a vida na Terra”, através de iniciativas como a Dart.

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Com o advento dos meios de comunicação de massa a imprensa e outros meios escritos cairam muito de circulação. Agora, ocorre a imensa interferência da Internet. Então, a briga por verbas oficiais como ocorre com as grande empresas, como a Globo e outras. Revista Oeste inova. Veio para revolucionar e ficar.

  2. Depois que eu VI nessa “pandemia”… um monte de gente imbecis (e estudadas) RASGANDO tudo o que aprenderam no colegial sobre mitose, meiose, osmose, sistema imune, cadeia ribonucleica/DNA/RNA, etc..etc.. E USANDO MASCARAS ATÉ HOJE…
    mascaras….cujo menor orificio/buraco que se pode encontra nessas mascaras são 107 vezes MAIOR que o CORONGA!
    SINCERAMENTE!!??

    VEM LOGO ASTEROIDE!
    não merecemos o ar que respiramos….

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.