-Publicidade-

Sementes vindas da China são pragas inexistentes no Brasil

Informação foi divulgada pelo Ministério da Agricultura
Foto: Divulgação/Internet
Foto: Divulgação/Internet | Foto: Divulgação/Internet

Informação foi divulgada pelo Ministério da Agricultura

sementes chinesas
Sementes chinesas têm chegado a destinatários de pessoas que nunca solicitaram as encomendas
Foto: Divulgação/Ministério da Agricultura

Um estudo feito pelo Ministério da Agricultura (MAPA) revelou que as sementes chinesas enviadas ao Brasil são de espécies que não existem em nosso país, entre elas, ervas daninhas. Desse tipo de planta, os técnicos do governo identificaram a Myosoton aquaticum, praga que afeta campos de trigos na China; e a Descurainia sophia, responsável por causar danos às plantações dos EUA, do Canadá, do México, do Japão e de vários países. De acordo com a pasta, 47% das amostras analisadas — algumas com fungos — até o momento representam “risco fitossanitário” à agricultura brasileira.

O material tem chegado com remetente da China a destinatários de pessoas que nunca solicitaram as encomendas, conforme noticiou Oeste. Por outro lado, o Partido Comunista afirma desconhecer o evento e alega ser vítima de preconceito. Em nota, o MAPA reforçou a orientação segundo a qual os brasileiros não devem abrir as encomendas de sementes não solicitadas. Além disso, as autoridades pedem que o material seja entregue para análise de unidades estaduais do MAPA. As sementes não devem ser jogadas no lixo, já que o contato delas com o solo pode causar risco ao meio ambiente.

Leia também: “A China e a fábula dos pardais”, artigo de Dagomir Marquezi publicado na edição n° 36 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês