-Publicidade-

Sindicatos podem melar socorro a principal empresa aérea da África do Sul

Os credores da principal companhia aérea da África do Sul, a South African Airways (SAA), decidiram adiar mais uma vez a publicação do plano de resgate
Um avião da South African Airways | Foto: Adam Moreira/Wikimedia
Um avião da South African Airways | Foto: Adam Moreira/Wikimedia | Credores - SAA - plano - resgate

Divulgação de plano de resgate dos credores foi adiado por pressão dos sindicatos; empresa está em recuperação judicial

Credores - SAA - plano - resgate
Um avião da South African Airways | Foto: Adam Moreira/Wikimedia

Os credores da principal companhia aérea da África do Sul, a South African Airways (SAA), decidiram adiar mais uma vez a publicação do plano de resgate da empresa fundada em 1934.

Veja também: “Lufthansa aceita pacote de ajuda do governo alemão”

Essa decisão aconteceu após um entrave com os sindicatos, que colocaram-se contra muitos trechos do acordo, que está sendo negociado faz muitos meses, informa a agência de notícias Reuters.

A empresa sofre com problemas financeiros há alguns anos, não dando lucro desde 2011. O adiamento do acordo pode colocar em risco o futuro da SAA, que cortou rotas e devolveu aviões com o objetivo de cortar custos. A companhia entrou em recuperação judicial em dezembro do último ano.

O governo, principal controlador da SAA, já afirmou que não pretende fazer grandes gastos para garantir o funcionamento da empresa.

Mais: “Aéreas aceitam pacote de socorro proposto pelo BNDES”

Um rascunho do plano apresentado no último mês propõe, além de um resgate feito pelo governo,  um corte grande da mão de obra, do número de rotas e de aeronaves.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês