Tirania do cancelamento ataca a cultura popular

'Basta um patrulheiro ideológico que denuncie e um produtor cultural que obedeça', escreve Dagomir Marquezi
-Publicidade-
Como o Talibã, destruindo templos cristãos e budistas, as patrulhas 'woke' não deixam pedra sobre pedra
Como o Talibã, destruindo templos cristãos e budistas, as patrulhas 'woke' não deixam pedra sobre pedra | Foto: Reprodução

Na reportagem de capa da Edição 81 da Revista Oeste, Dagomir Marquezi mostra como as patrulhas “woke”, assim como o Talibã, destruindo templos cristãos e budistas, não deixam pedra sobre pedra em sua tirania do cancelamento.

“A tirania do cancelamento é orgânica. Não depende de uma força estatal para ser implementada. Não necessita de censores, de polícias ou prisões. Basta um patrulheiro ideológico que denuncie, e um produtor cultural que obedeça. E também de uma população que se omita”, escreve Marquezi.

Leia outro trecho

-Publicidade-

“A Bela Adormecida ficou desfalecida por muito tempo, cuidada pelos bichinhos da floresta. Mas um formoso príncipe encantado enfrentou uma barreira de espinhos e conseguiu chegar até a princesa. O herói apeou de seu cavalo branco, curvou-se respeitosamente e beijou com delicadeza os pálidos lábios da linda princesa. Ela abriu os olhos para alegria do dedicado príncipe. Os passarinhos chilreavam de felicidade, os esquilinhos corriam entre os galhos, flores multicoloridas caíam das árvores para abençoar a vitória do amor mais puro e verdadeiro. Mas, para surpresa de todos, a princesa reagiu com indignação:

— Quem te deu autorização para me beijar?! Meu corpo, minhas regras! Hashtag não é não! Isso é um verdadeiro estupro contra uma mulher em situação indefesa! Eu estava desacordada e você abusou de mim. Além do mais, quem disse que eu me casaria com um homem branco, hétero, representante de um passado colonial e racista?!

Revista Oeste

Além do artigo de Dagomir Marquezi, a Edição 81 da Revista Oeste traz reportagens especiais e textos de J. R. Guzzo, Guilherme Fiuza, Rodrigo Constantino, Ana Paula Henkel, Silvio Navarro, Evaristo de Miranda, Frank Furedi, entre outros.

Startup de jornalismo on-line, a Revista Oeste está no ar desde março de 2020. Sem aceitar anúncios de órgãos públicos, o projeto é financiado diretamente por seus assinantes. Para fazer parte da comunidade que apoia a publicação digital que defende a liberdade e o liberalismo econômico, basta clicar aqui, escolher o plano e seguir os passos indicados.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.