UE estuda classificar como ‘verdes’ investimentos em usinas nucleares

Projetos precisam de plano, fundos e local para descartar resíduos radioativos com segurança
-Publicidade-
Usinas contempladas precisam de licenças emitidas antes de 2045
Usinas contempladas precisam de licenças emitidas antes de 2045 | Foto: Reprodução/Mídias Sociais

A União Europeia (UE) estuda classificar alguns projetos de gás natural e energia nuclear como investimentos “verdes”. A ideia surgiu depois de um ano de discussões para definir as aplicações rotuladas como realmente amigáveis ao clima.

Neste mês de janeiro, a Comissão Europeia (CE) deve propor regras que esclareçam se os projetos de gás e energia nuclear entram para a classificação “de financiamento sustentável” da UE. A lista apresenta as atividades econômicas e os critérios ambientais que elas devem cumprir a fim de serem consideradas como investimentos verdes.

A proposta de restringir o rótulo “verde” a projetos tidos como amigáveis ​​ao clima pretende tornar essas iniciativas mais atraentes para o capital privado e interromper a chamada “lavagem verde”, que ocorre quando empresas ou investidores exageram suas credenciais relacionadas à preservação ecológica.

-Publicidade-

A CE também fez movimentos para aplicar o sistema a alguns fundos da UE. Assim, essas mesmas regras serviriam para definir quais projetos são elegíveis para financiamentos públicos específicos.

De acordo com a Reuters, um rascunho da proposta da comissão “rotularia os investimentos em usinas nucleares como verdes se o projeto tiver um plano, fundos e um local para descartar resíduos radioativos com segurança”. A ideia seria que, “para serem consideradas verdes, as novas usinas nucleares devem receber licenças de construção antes de 2045”.

No caso das unidades de gás natural, para serem consideradas verdes, seria preciso manter a produção com emissões abaixo de 270 gramas de CO2 equivalente por quilowatt-hora (kWh), além de substituírem uma usina de combustível fóssil mais poluente e receberem uma licença de construção até 31 de dezembro de 2030.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Elementar, meu caro Watson.
    Como vai ser produzida energia elétrica em larga escala na Europa para implantar a fraude dos carros elétricos? E tem gente que acredita que energia elétrica é uma matriz limpa. 🤦

  2. Os europeus, estão fazendo tudo para que Putin possa reconstruir a velha URSS, falam em energia renovável, abrem mão de sua energia a carvão e nuclear, para no final cair no colo de Putin, comprando o gás russo e financiando assim o armamentismo da Rússia e agora Putin, já consegue fazer com os europeus tudo que quiser, basta ameaçar fechar a torneira do gás.

  3. Então tá tudo podendo. E orientamos nossos comunas infiltrados no governo brasileiro, os químicos que querem transformar a América Latina em ursal (MERDA), que linha de trem é ecologicamente incorreto!!!
    E tudo com a intervenção moderadora do supremo da vergonha.

  4. Rá!Rá!Rá!Rá!Rá!Rá!…. Como esses caras são uns hipócritas. Agora viram a cagada que fizeram na tal COP26 então estão pensando o seguinte: Até que a fissão nuclear é uma energia limpa, qualquer coisa mandamos o lixo nuclear resultante lá para o meio do deserto do Sahara, com isso podemos classificar com o rótulo de “verde”. E o gás natural russo, como fica? E como fica o “carbono zero” da COP26? Não tem problema, vamos também rotular de “verde” e vai estar tudo bem. Problema resolvido. E a carne do Brasil? Como vai ficar? Não! Vamos continuar com a campanha de “carne zero”. Bando de f.d.p.!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.