Xi Jinping e a receita para o fracasso

Hostilidade ao setor privado, amizade com a Rússia e política zero covid são os ingredientes da estagnação econômica da China
-Publicidade-
Xi Jinping apostou na política zero covid
Xi Jinping apostou na política zero covid | Foto: Yue Yuwei/Xinhua

O presidente da China, Xi Jinping, esperava que 2022 fosse um ano tranquilo. A pandemia de coronavírus estaria controlada, e a economia do país voltaria a crescer em ritmo acelerado. Isso permitiria que o secretário-geral do Partido Comunista assumisse pela terceira vez, sem protestos, o cargo de chefe do Estado e das Forças Armadas. Mas deu tudo errado.

Hoje, as perspectivas econômicas da China parecem mais pessimistas que aquelas do início do ano. O Fundo Monetário Internacional cortou a previsão de crescimento do país para 4,4%, enquanto os economistas consultados pelo The Wall Street Journal preveem um número abaixo de 4%. O capital está fugindo do país, com investidores estrangeiros despejando US$ 18 bilhões em títulos chineses e US$ 7 bilhões em ações somente em março.

Mas o que aconteceu?

-Publicidade-

Em primeiro lugar, a crise no setor imobiliário da China, que representa quase 30% do Produto Interno Bruto (PIB), provou ser pior que o esperado. Desde que a Evergrande anunciou que não conseguiria cumprir com suas obrigações fiscais, em setembro de 2021, pelo menos dez empresas deixaram de pagar suas dívidas em dólares. Isso assustou os investidores.

Segundo, a repressão de Xi ao setor de tecnologia da China ajudou a reduzir a capitalização de mercado das dez maiores empresas da área em mais de US$ 2 trilhões (apenas no ano passado). De lá para cá, essas empresas passaram a demitir milhares de funcionários.

Em terceiro lugar, a invasão da Ucrânia pela Rússia elevou os preços da energia e das commodities, o que provocou a interrupção das cadeias de suprimentos, já debilitadas em razão da pandemia. Essa é uma péssima notícia para o maior fabricante, exportador e consumidor de energia do mundo.

Quarto, há a insistência de Xi na política zero covid, que levou a bloqueios em massa na cidade de Xangai. O líder chinês declarou que essa estratégia venceu o vírus no ano passado, considerando-a superior à aplicada nos países ocidentais. Atualmente, cerca de 373 milhões de pessoas em 45 cidades estão sob algum tipo de bloqueio desde o fim de abril. Essas cidades representam cerca de 40% da produção econômica da China — mais de US$ 7 trilhões em PIB anual.

Esses quatro fatores são suficientes para fazer com que a meta de crescimento estipulada por Xi pareça irreal. Segundo o líder chinês, não atingir a meta seria politicamente desastroso. Em abril, durante encontro com funcionários do partido, Xi ressaltou que o crescimento econômico do país deveria ser superior ao dos Estados Unidos. Mas isso será difícil, visto que o motor do crescimento econômico nacional foi marginalizado pelo próprio presidente do país.

Leia mais: “O dono do mundo”, artigo de Dagomir Marquezi publicado na Edição 88 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

11 comentários Ver comentários

  1. O risco foi mal calculado acho q pensaram que sairiam mais rápido fazendo com que todos parassem de produzir enquanto eles voltaram a produzir só esqueceram de ver que não detinham toda a matéria prima necessária logo a inflação tbm tomou conta da china com isso estão trancando o seu povo em casa para q consigam conter a inflação. A bolha imobiliária chinesa explodiu e ainda está pegando fogo. E estão afastando investidores e muitos consumidores pelo mundo está deixando de comprar da china. Vai quebrar por tentar dominar o mundo… E que quebrem logo.

  2. O boleto a ser pago chegou para a China. Faturam bilhões com a disseminação do virus e venda de produtos / vacinas. Lockdow vai aumentar esse o rombo, pois ja foi provado que não funcionou em nenhum lugar do mundo.

  3. Já passou da hora da China desacelerar o crescimento econômico, o resto do mundo ficou assustado com a dependência de insumos fabricados na China.

  4. O dragão geme, o fogo se esvai e logo deve tombar. Muitas industrias estão se deslocando para a índia.
    Fecha tudo mesmo Xi, aprendeu com mandetta, moro e desgovernadores brasileiros como se afunda o navio

  5. espero sinceramente que com o aumento de conservadores do congresso e senado, e mudanças no stf.
    o mundo descubra que que podemos ajudar com a mão de obra e tranquilidade e segurança jurídica e facilidades que o governo Bolsonaro direcionou o Brasil , mesmo sem dinheiro e com o pé no breque das esquerdas.

  6. A questão é que devido a escolhas passadas dos globalistas, dos metacapitalistas, o mundo está afundado em China e em seu regime comunista. Biden e sua turma tem um grande peso de responsabilidade nisso tudo. O problema China não existiria caso não houvesse sido feita a opção das big techs e congêneres de contratar trabalho escravo chinês.

    1. Verdade, a china maliciosamente imbricou toda a economia global com a dela, oferecendo vantagens para investidores para depois retaliar com base na dependência criada. O problema é que esse Xi tem todas as características de um ditador brutal que não vai largar o poder facilmente, ele já deu todos os sinais de que não vai largar o osso no final do ano, quando termina o seu mandato. Ele ainda vai arrumar muita confusão até lá, possivelmente até uma guerra para se manter no poder.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.