-Publicidade-

As observações de Barroso sobre as eleições dos EUA

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral fez um tour para acompanhar a disputa americana
Ministro 'iluminista' durante agenda em Maryland (EUA) I Foto: Divulgação/Twitter
Ministro 'iluminista' durante agenda em Maryland (EUA) I Foto: Divulgação/Twitter | Ministro 'iluminista' durante agenda em Maryland (EUA)

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez um tour para acompanhar o pleito americano

Ministro ‘iluminista’ durante agenda em Maryland (EUA) I Foto: Divulgação/Twitter/Luís Roberto Barroso

Desde o início da semana, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso acompanha a turbulenta eleição para a presidência dos Estados Unidos in loco na condição de observador internacional. Ele é o atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que comandará as urnas brasileiras no próximo dia 15 para a escolha de prefeitos e vereadores.

Barroso visitou locais de votação no estado de Maryland e em Washington D.C. Conversou com mesários e eleitores e se encontrou com o governador de Maryland, Larry Hogan. Também participou de um seminário on-line organizado pelo Wilson Center sobre as eleições no Brasil, entre outras atividades. Nem o TSE nem a OEA divulgaram os custos da viagem até agora.

Em suma, a chamada A Missão de Observação Eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA), da qual Barroso faz parte, não flagrou nenhuma irregularidade em seu tour. O resultado chega a ser até um alento, afinal, o que o ministro “iluminista” brasileiro teria feito para sanar um problema capaz de comprometer o pleito que atrai a atenção do planeta? Talvez promover um debate com o youtuber Felipe Neto? Não se sabe.

Barroso registrou suas notas como “observador” no Twitter (vale conferir abaixo). Segundo ele, por onde passou, “estava tudo tranquilo e organizado”. Ufa!.

Leia também: A Justiça Eleitoral é coisa nossa

J.R.Guzzo: ‘Barroso, o grande líder da oposição’

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

7 comentários

  1. Para quem está a fazer um “tour” pelas seções eleitorais em qualquer país, nem precisa ser necessariamente nos EUA, irá encontrar tudo na mais perfeita ordem. Ou será que somos todos uns tolos? Aqueles democratas americanos são uns verdadeiros caras-de-pau, fazem as putarias deles defronte às câmeras dos celulares e não estão nem aí! A Ju Ginger da Shock Wave Radio publicou um sem número de vídeos mostrando isso daí.

  2. Barroso deveria justificar ao eleitorado brasileiro, porque o STF declarou INCONSTITUCIONAL o voto impresso aprovado pelo Congresso Nacional, por “violação do sigilo e liberdade do voto”. É seguramente o único meio de AUDITAR POR AMOSTRAGEM a urna eletrônica, simplesmente porquê permitirá comparar a contagem eletrônica com a dos votos impressos, em urnas sorteadas por auditoria independente e fiscalização do TSE. Servira também para o eleitor auditar seu próprio voto, pois terá certeza que a urna impressa conterá seu voto eletrônico. Para quem não sabe (tem muito jornalista que não sabe) o voto impresso é acoplado a urna eletrônica, blindado, portanto não é manuseado e serve somente para visualização pelo eleitor, e segue automaticamente para urna lacrada, portanto como falar em “violação do sigilo e liberdade do voto”?
    Servira também, para em acirradas disputas permitir por qualquer dos concorrentes, solicitar a contagem total dos votos impressos. Simples assim. Penso que poderia até sugerir aos seus colegas americanos, nossa tecnologia, ou seja, a votação americana em urnas eletrônicas com o voto impresso acoplado, blindado e inviolável.
    Chega a ser risível declarar uma Lei INCONSTITUCIONAL, com motivação tão INCONSTITUCIONAL. Pior, o Congresso Nacional que aprovou a Lei, e deveria exigir seu cumprimento não o faz, o que caracteriza um verdadeiro consentimento da interferência do Supremo Poder, nos demais. Afinal, quem será o poder moderador nessa hipótese, que controle esse ILUMINISMO do STF?
    Difícil também é entender o silêncio de nossos meios de comunicação. Nossarevista oeste poderia nos contemplar com uma correta interpretação do VOTO IMPRESSO ACOPLADO A URNA ELETRONICA, que poderá inclusive evitar em 2.022, conflito semelhante ao que ocorre nos Estados Unidos atualmente.
    Nessa sábia interpretação da Constituição, houve ministros que também declararam que é muito cara sua implantação e que as urnas eletrônicas são muito seguras e já foram auditadas. Dá para entender para que serve “notável saber jurídico”?.

    1. A nossa única opção é acreditar nesses capangas.
      E como não encontramos meios de confiar nesses capangas, insistimos no VOTO IMPRESSO e URNA AO LADO. Ponto
      Uma vezinha só, prá gente começar a acreditar nesses crápulas.

  3. E este cidadão ainda quer implantar o voto por aplicativo, imaginem a fila q irá se fazer nas populações das favelas com o celular na mão p os traficantes efetuarem o voto, no Nordeste onde o coronéis obriga o povo a votar em seus apadrinhados, nos grandes centros onde o poder econômico impera. Imaginem a cena. Olhem o voto pelo correio dos Estados Unidos e será a mesma coisa. Temos q impedir o Barroso d fazer isso.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês