A mordaça no Parlamento brasileiro

.@jrguzzofatos: Aberrações como essa acontecem todos os dias, sem parar nunca. É essa a vida normal do Congresso Nacional: enquanto você trabalha, eles roubam o dinheiro dos seus impostos e o transferem, sem escalas, para os seus próprios bolsos.
-Publicidade-
Foto: Vinicius Loures/Agência Câmara

Dias atrás um jovem deputado federal da Paraíba, Pedro Cunha Lima, do PSDB, foi à tribuna da Câmara e passou para o público uma dessas informações curtas e definitivas que valem mais do que tratados inteiros de ciência política. A informação do deputado demonstra, por A + B, o grau de degeneração a que chegou a democracia que existe oficialmente no Brasil desde a Constituição de 1988 – aliás, o ano em que o deputado nasceu. Cunha Lima tem apenas 32 anos de idade, incompletos. Também faz parte da dramática minoria de pessoas decentes que hoje têm um assento no Congresso Nacional. Naturalmente, por esse motivo, é amordaçado pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, pelos pajés que mandam no pedaço e pela mídia que só consegue se interessar, durante 24 horas por dia, em Rodrigo Maia e mais do mesmo.

-Publicidade-

Cunha Lima está cumprindo o seu segundo mandato como deputado pela Paraíba. Isso quer dizer, lembrou ele da tribuna, que chegou a Brasília no ano de 2015. Muito bem: dias atrás, ele verificou que a Câmara depositou na sua conta bancária — sem que ele, obviamente, tivesse pedido nada — uma importância em dinheiro como “indenização” pelas despesas que teve para se mudar da Paraíba. Isso mesmo: o Erário está dando dinheiro ao deputado cinco anos depois da sua mudança. Na verdade, está forçando o rapaz a participar da pilhagem sem descanso aos recursos do país — roubo que as regras escritas pelos próprios deputados não apenas permitem, mas obrigam que seja cometido, independentemente da vontade do beneficiário.

Cunha Lima citou o seu caso. É apenas um. Aberrações como essa acontecem todos os dias, sem parar nunca. É essa a vida normal do Congresso Nacional: enquanto você trabalha, eles roubam o dinheiro dos seus impostos e o transferem, sem escalas, para os seus próprios bolsos. A diferença é que Cunha Lima falou — e só falou agora porque só agora ficou sabendo do assalto cometido em seu nome, originalmente, cinco anos atrás. A maioria fica quieta. “Isso não está sujeito a discussão”, observou ele. É errado, pura e simplesmente. Como o deputado deixou perfeitamente claro em seu discurso, não há país que aguente, quando se trata desse jeito o dinheiro público — mesmo porque é dinheiro que, embora saia do bolso de todos, vai fazer falta, justamente, para os brasileiros mais pobres, os que mais precisam do recurso que está sendo desviado para “indenizar” uma mudança feita cinco anos atrás.

Num momento desesperado como o que o Brasil vive hoje, quando o coronavírus mundial deixou escancarada a necessidade de investir na saúde pública, o episódio do deputado Cunha Lima é exemplar do abismo em que o Brasil está enterrado. A classe política fica cada vez mais selvagem na sua voracidade em transferir renda dos mais pobres para os mais ricos. Nossas “instituições”, como se diz, continuam a viver com o mesmo padrão de extravagância e de desprezo sem limites pela maioria que sempre adotaram — é como se estivessem em Marte. No momento, negam-se a tirar um centavo dos bilhões que estão nos “Fundos” Partidário e Eleitoral para ceder às vítimas da epidemia. Além de se esconderem como um bando de coelhos assustados, cuja proteção, transporte e até plano médico são pagos diretamente por você (o presidente da Câmara, em especial, viaja unicamente em jatinhos da FAB), só sabem lançar acusações, caçar culpados e dedicar-se a tirar vantagem eleitoral do desastre.

O discurso de Cunha Lima foi censurado pelos atuais proprietários da Câmara e do Senado. A gravação das suas palavras foi apagada. O que ele disse não existe mais, como na Rússia de Stalin ou na Alemanha de Hitler. É essa a nossa democracia.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

18 comentários

      1. Temos que continuar lutando…essa mamata tem que acabar….os que prestam continue botando a boca no trombone…o interessado vai saber!!! QUEM???O POVO CLARO!!!!! A verdade sempre aparece e nas eleições saberemos escolher.

    1. É demais o dinheiro pago por nossos impostos. Tinha que mudar aí, na raíz. Fazer o tal se vira nós 30. Cortar 70 por cento dos impostos. Aí resolve.

    1. Enquanto o povo não for educado o bastante para entender a importância da escolha dos nossos congressistas, esta situação não mudará. O Congresso é o reflexo do povo.

      1. Pedro Cunha Lima deveria ser presidente da Câmara pra defenestrar todo mal perpetrado por Rodrigo Maia.
        E bota o louco do Kajuru pra presidir o Senado.
        Isso, evidentemente, nunca vai acontecer, mas seria lindo

  1. Já está mais do que claro e óbvio que o congresso, numa linguagem corporativa e simplista, é uma despesa altíssima a qual nunca trouxe retorno, ao contrário, décadas de prejuízo, sejam de caráter mensuráveis ou não. Pior, trata-se de uma instituição onde os líderes fazem de tudo e mais um pouco para manter o país nesse limbo insustentável.

  2. Cadê as instituições civis organizadas? Existe algum cérebro honesto na OAB? Será que vagamos sem eira nem beira por um mundo dominado por esses marginais? O povo precisa reagir e limpar essa praga que contaminou os quatro poderes (sim o MP tb).

  3. Cresce em todos os rincões da sociedade um sentimento de dor e sofrimento causado por estes que se dizem representantes do povo, ainda estamos sofrendo pouco pois não há reações contundentes da sociedade contra está pilhagem, quando vamos nos organizar para acabar com este cancer ?

  4. Isso foi criado justamente nesta Constituição de 1988, privilégios, privilégios e privilégios, para funcionários públicos, parlamentares, o poder judiciário, esse último então, como o “parlamento” (o #MaiaGolpista enche a boca para falar esta palavra) são um escândalo.
    Fico muito triste quando leio notícias sobre isso, porque percebo que esse país, se não fosse essa roubalheira toda, seria um país maravilhoso e mais justo.

  5. Começo a ter certeza de que ladrão e político só tem a diferença é o esforço pra cometer o delito , aliás político não comete delito mas sim um bem ao seu povo ! Como posso agradecer aos políticos que tanto fizeram por mim ?! Coloco eles num vaso e dou descarga ou toco fogo junto com bossa seca ?!

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site