Assessor de Bolsonaro fala de posse de Biden e critica Maia e Doria

Filipe Martins afirmou que Brasil tem agido como nação madura que quer que a voz de seu povo seja ouvida e respeitada
-Publicidade-
Filipe Martins
Assessor internacional da Presidência da República, Filipe Martins | Foto: Reprodução/Rede TV

O assessor para assuntos internacionais do presidente Jair Bolsonaro, Filipe Martins, disse nesta quarta-feira, 20, que a posse de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos não deve atrapalhar a relação entre os dois países.

-Publicidade-

Em entrevista ao programa Opinião no Ar, da Rede TV!, ele ressaltou que o Brasil tem agido como uma nação madura e quer que a voz do povo brasileiro, majoritariamente cristã e conservadora, seja ouvida e respeitada.

Leia mais: “Diretor do Butantan critica Bolsonaro e defende a China”

“Com o Biden nós vamos poder mostrar que os resultados que a gente obtém não dependem de uma amizade, de um alinhamento político-ideológico, mas sim do trabalho enorme que a gente tem feito para conquistar esse respeito que eu disse que o Brasil dá a outros países e também deseja”, afirmou Filipe Martins.

O assessor citou a área econômica e defendeu a ideia de que a parceria entre os dois países nessa área tem potencial para se aprofundar.

Filipe Martins destacou, no entanto, que o governo brasileiro prevê que possam ocorrer atritos na questão ambiental, os quais, segundo ele, o país vai tentar superar mostrando o que realmente está sendo feito aqui.

Insumos para vacinas

O assessor internacional da Presidência da República também disse que se está fazendo um grande alarde sobre a questão dos insumos para as vacinas contra a covid-19 que vêm da China.

Ele negou que exista algum problema diplomático com o governo chinês e garantiu que a disponibilização de matérias-primas está pendente por questões internas do país asiático.

Filipe Martins criticou a postura do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que nesta quarta-feira teve uma reunião com o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, para tratar da questão.

“O que diz o governador Doria, o que diz o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, evidentemente, é apenas oportunismo para atingir o presidente, atingir o ministro Ernesto Araújo e tentar criar uma sensação de pânico de que o Brasil vai ficar isolado”, afirmou.

Ele não descartou a possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro ligar para o presidente chinês, Xi Jinping, para discutir a questão.

Filipe Martins também antecipou que o Brasil negocia com outros países a aquisição de insumos para vacinas para não ficar dependente de nenhum mercado específico.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.