Barroso autoriza Marcelo Ramos a deixar PL sem perder o mandato

Vice-presidente da Câmara alega que se tornou alvo de perseguição desde a filiação de Jair Bolsonaro
-Publicidade-
Marcelo Ramos, vice-presidente da Câmara, é desafeto de Jair Bolsonaro
Marcelo Ramos, vice-presidente da Câmara, é desafeto de Jair Bolsonaro | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, concedeu liminar para o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (AM), que pode deixar o Partido Liberal (PL) sem perder o mandato.

Pela atual legislação eleitoral, um parlamentar que deixe o partido ao qual é filiado sem apresentar justificativa deve perder o mandato.

Ramos solicitou a desfiliação da legenda depois de o presidente Jair Bolsonaro, a quem faz oposição, ingressar no PL. Segundo o documento enviado ao TSE, o deputado alega que entrou em “rota de confronto” com o governo federal.

-Publicidade-

Ainda de acordo com o vice-presidente da Câmara, a chegada de Bolsonaro ao PL representa uma “mudança de rumos do partido”. O deputado afirma ainda que passou a ser “alvo de perseguição pessoal e política” desde que o presidente entrou na agremiação.

Em sua decisão, Barroso citou a carta do presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, enviada ao deputado neste mês. Segundo o documento, o chefe do partido diz que a permanência de Ramos é “insustentável” e poderia causar “constrangimento de natureza política para ambas as partes”.

“O teor da carta é, ainda, coerente com a narrativa do autor, no sentido de que sua relação com o partido se desgastou após a filiação do Presidente da República ao PL, tal como ilustrado pelas declarações públicas de dirigentes locais a respeito da inadequação do requerente à nova configuração política do partido”, anotou Barroso.

De acordo com o presidente do TSE, “agentes públicos eletivos dependem de uma identidade política que atraia seus eleitores” e “uma mudança substancial de rumo no partido pode afetar essa identidade”. “Se isso se der às vésperas de um ano eleitoral, o fato se torna mais grave, sendo que a demora na desfiliação pode causar ao futuro candidato dano irreparável”, completou Barroso.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Está correta a decisão do Barrosinho, está nos conformes com a legislação eleitoral e por outro lado, não perderão nada com a saída desse crápula vagabundo, chupa-ovo do Aziz.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.