-Publicidade-

Combate à sonegação vira nova aposta de Guedes para emplacar imposto digital

Além da desoneração da folha, combate à sonegação é outra retórica usada no governo e entre aliados para emplacar o imposto digital
O ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: MARCOS CORRÊA/PR
O ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: MARCOS CORRÊA/PR | O ministro da Economia, Paulo Guedes | Foto: MARCOS CORRÊA/PR

Além da desoneração da folha, combate à sonegação é outra retórica usada no governo e entre aliados para emplacar o imposto digital

guedes - imposto digital - reforma tributária
O ministro da Economia, Paulo Guedes, quer fechar o cerco para os sonegadores com o novo imposto | Foto: MARCOS CORRÊA/PR

A desoneração da folha de pagamento não é o único argumento usado na tentativa de emplacar o imposto sobre transações digitais. Governistas e aliados começam a acrescentar à retórica os impactos que o tributo pode provocar ao combate à sonegação fiscal.

O principal argumento da equipe econômica para defender o imposto continua sendo o de gerar empregos. O ministro da Economia, Paulo Guedes, fala em destinar a arrecadação para diminuir os custos das empresas com a contribuição previdenciária patronal. Mas a luta contra a sonegação começa, pouco a pouco, a ganhar aderência.

A lógica citada por atores políticos é que, com um imposto incidindo sobre transações, a Receita Federal tenha noção das transações e alerte sobre movimentações suspeitas a demais autoridades. A exemplo do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

Em reunião da comissão mista da reforma tributária, Guedes deu o tom do que diz a alguns sobre o tributo ser uma importante ferramenta no combate à sonegação. “Parece que tem muita gente que não quer deixar suas digitações em transações reconhecidas e escondê-las no cofre”, ironizou.

Parlamento

O deputado federal Coronel Tadeu (PSL-SP) concorda com a retórica levantada por Guedes. “Tecnicamente, a ideia está correta. Porque se o imposto  passar a valer, ele desguarnece, realmente, toda e qualquer barreira e expõe aqueles que usam CPF ou CPF de alguns próximos para mexer com altos volumes de dinheiro”, sustenta.

O impacto do imposto chegaria, inclusive, dentro do Congresso, avalia Tadeu. “Quisera eu não acreditar que isso não tivesse impacto nenhum dentro do Parlamento, mas teria. A gente sabe que tem parlamentares escusos de ordem financeira, então, Guedes pontua algo que pode ser uma pedra no sapato de muita gente”, analisa.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Sou totalmente contrário à ideia do imposto regressivo, a tal CPMF digital.
    Mas estranho o argumento de que ganha corpo entre os parlamentares o apoio ao famigerado imposto.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês