Revista Oeste - Eleições 2022

Congresso convida Torres para falar sobre caso Genivaldo e MEC

Ministro deve comparecer ao Senado e à Câmara nas próximas semanas
-Publicidade-
Congresso aprova dois convites para ministro dar explicações | Foto: Isaac Amorim/MJSP
Congresso aprova dois convites para ministro dar explicações | Foto: Isaac Amorim/MJSP

Senadores aprovaram nesta terça-feira, 28, na Comissão de Transparência, um convite ao ministro de Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, para que ele explique o que levou a Polícia Rodoviária Federal (PRF) a negar acesso aos processos administrativos dos agentes envolvidos na morte de Genivaldo Santos, que morreu por asfixia durante uma abordagem.

O requerimento aprovado é do senador Fabiano Contarato (PT-ES), que questiona o sigilo de cem anos que foi imposto à investigação. De acordo com o parlamentar, o sigilo poderia ser colocado para assuntos pessoais.

“Informações pessoais são aquelas relativas à intimidade, à vida privada, à honra e à imagem das pessoas. O procedimento disciplinar dos agentes da PRF envolvidos no homicídio de Genivaldo é informação de caráter público”, afirmou o senador.

-Publicidade-

Um vídeo que circulou na internet no fim de maio mostra a dupla de agentes tentando fechar a porta traseira da viatura sobre Genivaldo, que estava com as pernas para fora.

Nas imagens, é possível ver uma espessa fumaça branca exalando do porta-malas, que parece ter escapado de uma bomba de gás lacrimogêneo. É possível ouvir gritos de dor.

Torres também deve ir à Câmara para falar sobre MEC

Ainda nesta terça-feira, a Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados aprovou convite para que Anderson Torres seja questionado sobre uma suposta interferência do governo de Jair Bolsonaro (PL) na Polícia Federal (PF) no caso da investigação contra o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro.

O convite foi feito depois de uma interceptação telefônica legal entre o ex-ministro e a filha citar o presidente Bolsonaro. Na gravação, Ribeiro diz que Bolsonaro ligou para falar sobre pressentimento acerca de uma possível operação da PF, o que aconteceu na sequência e Ribeiro foi preso.

O ex-ministro é investigado por corrupção passiva e tráfico de influência junto aos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura. Na segunda-feira 27, o empresário que denunciou o esquema de corrupção no MEC disse que Ribeiro e os funcionários da pasta não sabiam das ações dos pastores. 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.