-Publicidade-

Covas rompe com comitê do coronavírus de Doria

Novas regras do Plano São Paulo de retomada econômica afastaram a capital paulista da fase verde da reabertura e o prefeito do governador.
Com novos critérios do Plano São Paulo divulgados por Doria, Covas viu fase verde ficar distante da capital | Foto: Governo do Estado de São Paulo
Com novos critérios do Plano São Paulo divulgados por Doria, Covas viu fase verde ficar distante da capital | Foto: Governo do Estado de São Paulo | bruno covas, joão doria, prefeitura de são paulo, governo do estado de são paulo, plano são paulo, centro de contingência do coronavírus de são paulo, edson aparecido, fase verde, critérios

Novas regras do Plano São Paulo de retomada econômica afastaram a capital paulista da fase verde de reabertura

bruno covas, joão doria, prefeitura de são paulo, governo do estado de são paulo, plano são paulo, centro de contingência do coronavírus de são paulo, edson aparecido, fase verde, critérios
Com novos critérios do Plano São Paulo divulgados por Doria, Covas viu fase verde ficar distante da capital | Foto: Governo do Estado de São Paulo

A Prefeitura de São Paulo deixou de participar das reuniões do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, pertencente ao governo do Estado.

Único representante da cidade que fazia parte do comitê, o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, não participa das reuniões desde a última sexta-feira, 24.

Nesse dia, Aparecido propôs que bares e restaurantes da capital recebessem autorização especial para permanecerem abertos até 19 horas nos finais de semana, após as partidas do Campeonato Paulista de Futebol. Na votação, perdeu por 11 votos a um.

Leia também: Covas adia carnaval de São Paulo: ‘maio ou julho’

Na segunda-feira 27 a gestão de Bruno Covas foi surpreendida com o anúncio do pedido de recalibragem do Plano São Paulo de retomada das atividades econômicas. As novas regras tornam mais difícil a passagem da cidade para a fase verde.

Nas novas regras, o governo estadual passou a exigir que as regiões tenham taxa inferior a 40 internações por 100 mil habitantes e a 5 mortes por 100 mil habitantes para passar para a fase verde. Atualmente, a capital paulista tem 75 internações e 9 mortes a cada 100 mil habitantes, o que deixa a próxima fase ainda distante.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

13 comentários

    1. Ditadória faz seu governo paralelo há meses achando que está no Planalto. Na sua paranóia egocêntrica de poder ele não enxerga os milhões que querem seu impeachment ou o quase traço nas pesquisas. Segue insistindo com sua vacina chinesa. Aliás quem bancaa o escritório comercial do governo de São Paulo instalado por ele na China ? Nós ?

    2. Ambos são farinha do mesmo saco! O que falam são frutos de seus interesses imediatos,
      tontos aqueles que acreditam haver coerência ou “ciência” nessas decisões… Pobre Brasil!

      1. DitaDoria + Covas = meu voto nunca mais.
        Canalhas…pessoas morreram sem uma chance de usar cloroquina como preventivo; empresas faliram; pânico e exploração política…etc

  1. Caro prefeito,

    O que você poderia esperar de um governador que já enganou seus eleitores duas vezes? (Não permaneceu como prefeito, mesmo tendo prometido isso, e rompeu com o presidente com claras intenções de ser seu oponente em 2022.) Ou você é um idiota e, por isso, merece perder a cadeira de prefeito da maior cidade do país, ou você é um político meia-boca e, por isso, merece perder a cadeira de prefeito da maior cidade do país.
    Além de tudo, ainda não conseguiu fazer nada pela cidade e levou os seus contribuintes para o poço e, por isso, merece perder a cadeira de prefeito da maior cidade do país.

    Preciso continuar?

  2. DitaDoria + Covas = meu voto nunca mais.
    Canalhas…pessoas morreram sem uma chance de usar cloroquina como preventivo; empresas faliram; pânico e exploração política…etc

  3. As eleições municipais estão batendo à porta dos atuais prefeitos que planejam se recandidatarem. Como a Dórinha está longe das eleições majoritárias que almeja, o seu aliado de ocasião só quer mesmo é se desfazer dessa aliança absurda, com isso ele acha que melhorará sua imagem junto aos eleitores paulistanos. Se engana boy. Quer um conselho? Desista de sua carreira política, você já era! Coveiro dos infernos.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.