Eduardo Cunha ‘imita’ Lula e pede anulação de sentença na Lava Jato

Ex-presidente da Câmara dos Deputados apelou ao STF para que declare Sergio Moro suspeito
-Publicidade-
Cunha quer derrubar ação em que é denunciado por irregularidades na Petrobras
Cunha quer derrubar ação em que é denunciado por irregularidades na Petrobras | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Eduardo Cunha (MDB-RJ), ex-presidente da Câmara dos Deputados, decidiu seguir os passos de Lula. Ao Supremo Tribunal Federal (STF), o emedebista pediu a suspeição do ex-juiz Sergio Moro. O pedido foi protocolado na terça 9, na esteira da anulação dos processos do petista e nos debates acerca da parcialidade do então magistrado ao julgar Lula.

Conforme a defesa de Cunha, ele é vítima de “conluio” entre Moro e a força-tarefa da Lava Jato. As provas seriam as mensagens apreendidas no âmbito da Operação Spoofing. Na ação, os advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso alegam que o caso é o “maior escândalo do Judiciário brasileiro” e um “escárnio sem precedentes”.

-Publicidade-

O objetivo é derrubar a ação penal contra Cunha por irregularidades na aquisição de direitos de exploração de petróleo em Benin, na África, pela Petrobras. O ex-presidente da Câmara também foi denunciado por lavagem de dinheiro por manter valores em uma conta bancária na Suíça. A Justiça condenou Cunha a 14 anos e cinco meses de reclusão.

A defesa garante que, em um dos diálogos de Moro, fica demonstrado que o então juiz sabia que a força-tarefa denunciaria Cunha. O que suscitaria uma “proximidade indevida” entre o magistrado e os procuradores, no entendimento dos advogados. Dessa forma, um recurso ao STF foi apresentado e deve ser objeto de análise dos ministros nos próximos dias.

Leia também: “Cinco vezes que o STF desorganizou o Brasil”, artigo publicado na Edição 50 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

9 comentários

    1. Quanto devemos devolver ao pobre deputado, perseguido político, sem mácula
      Coitado!
      Ainda virão outros. São apenas R$ 4 bilhões daqueles quer confessaram crimes e devolveram, diga-se de passagem, devolveram só uma parte do quer roubaram.
      Ainda bem! Já pensaram se tivessem devolvido tudo?

    1. O recado foi dado ontem pelo presidente. O povo deve se posicionar, decidir… Se esses malucos do STF não revogarem essa decisão absurda de Fachim, o caldo pode entornar.

  1. Se o STF não derrubar esse desatino do Fachin, todos os atuais presos políticos, muito menos criminosos que Lula, também devem ser absolvidos. Acho que Fachin nem sabe mais a loucura que fez, quando Lula o elogiou no inicio de sua campanha eleitoral.
    Mestre iluminado Barroso é permitido começar a campanha eleitoral para 2022?

  2. AÍ ESTÁ A CONSEQUÊNCIA DE UM ATO IMPENSADO, PRATICADO POR QUEM O POVO PAGA PARA AGIR COM ISENÇÃO! ENTENDI O RECADO DO PRESIDENTE, ELE TEM MEU PLENO CONSENTIMENTO PARA AGIR!

      1. Concordo, nada impensado. Vem aí o efeito cascata, liberação geral para os políticos dos outros partidos que são do interesse de outros ilustrados. Um ponto positivo (será?) disso tudo, é que estamos assistindo ao vivo as máscaras caírem… nas é dolorido demais ver tudo isso!

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.