Eduardo Leite afirma que partido não pode ser entregue a quem ‘não é PSDB’

Ideia é retomar as prévias até quinta-feira se houver uma 'conciliação' da parte técnica e das campanhas
-Publicidade-
Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite | Foto: Antonio Molina/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite | Foto: Antonio Molina/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Em claro recado ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB-RS), disse nesta terça-feira, 23, que o partido não pode ser entregue “a quem não é PSDB”.

O dois disputam a indicação do partido à Presidência da República em 2022. Eles são apontados como favoritos, enquanto o ex-prefeito Arthur Virgílio (PSDB-AM), que também está no páreo, corre por fora.

-Publicidade-

“Nós sempre quisemos essas prévias porque nós não podemos entregar o PSDB a quem não é PSDB. Para quem só sabe conjugar no ‘eu’ e não sabe que o partido se conjuga no ‘nós'”, afirmou.

Eduardo Leite continuou: “E assim como nós, milhares de filiados também não aceitam entregar o partido. E é por isso que nós estamos vencendo e vamos continuar vencendo até o final”.

Hoje, o presidente do PSDB, Bruno Araújo, afirmou que, até a próxima quinta-feira, o partido retomará as prévias para definir quem será o candidato da legenda ao Planalto.

Mas, segundo ele, isso só acontecerá se houver um “ok” e uma “conciliação” da parte técnica do PSDB e das campanhas dos postulantes sobre o aplicativo de votação de uma empresa privada que ainda passará por testes de segurança.

No último domingo, as prévias tiveram de ser suspensas devido a falha no aplicativo de votação. A intenção da cúpula do partidos é encerrar o processo das prévias até domingo. A ideia é trocar a empresa responsável pelo sistema.

Eduardo Leite tem cobrado agilidade no fim do processo para que ele não perca a sua “integralidade”, mas afirmou ser “prematuro” pensar em “qualquer tipo de judicialização” em caso de derrota.

Já João Doria elogiou o processo e defendeu a legitimidade da votação. “Nosso partido é mais importante do que qualquer outro sentimento que possa ter sido expresso de forma emocional”, disse.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. Dória distribui cargos e emendas em sua sede de poder e, tão incoerente, vem falar da importância do PSDB não ser levado emocionalmente. Mas tudo leva a ver que ele aja tremendamente emocional, gananciosamente visando ser “o” eleito para candidatura oficial à presidência da República pelo partido. Haha. Vai perder.

  2. “Faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”………O voto eletrônico (sem ser possível uma auditagem) é seguro apenas para eleger quem eles querem……não serve para garantir nem uma eleição de prévia de partido ( eles não confiam….)……” Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”………Acorda Brasil……….

  3. O ponto é que o diriana precisa desesperadamente ser candidato a presidente, assim fica menos feio, pensa ele, ter 2% para presidente ao invés de 2% para reeleição de governador. Morro de dó!!! kkkkk

  4. Até agora não entendi pq toda essa briga, a candidatura de qualquer um desses dois é nula, gastando tempo, dinheiro e energia para no final encalhar em 2%! Kkkkkk

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.