‘Fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia’, diz Onyx Lorenzoni

Ministro da Cidadania defendeu o presidente Jair Bolsonaro, que, assim como mais de 50% dos leitores de Oeste, quer isolamento parcial.
-Publicidade-
Onyx Lorenzoni defendeu isolamento parcial da população | Foto: Marcelo Casal Jr. / Ag. Brasil
Onyx Lorenzoni defendeu isolamento parcial da população | Foto: Marcelo Casal Jr. / Ag. Brasil

Ministro da Cidadania defendeu o presidente Jair Bolsonaro, que, assim como mais de 50% dos leitores de Oeste, quer isolamento parcial

Onyx Lorenzoni defendeu isolamento parcial da população | Foto: Marcelo Casal Jr./Ag. Brasil
-Publicidade-

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, defendeu a posição do presidente Jair Bolsonaro de se preocupar com o impacto econômico das medidas de confinamento social como forma de combate ao coronavírus. Segundo o ministro, “fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia”.

Bolsonaro tem escalado empresários e ministros para pedir a reabertura da economia, que, de acordo com ele, está “no limite”.

“O presidente vem sendo agredido porque ousou preocupar-se com todos. Parece que só se poderia  olhar em uma direção”, disse Lorenzoni na abertura de uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto sobre o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 a informais.

Segundo o ministro da Cidadania, o presidente deu à área da saúde condições para que o SUS se fortalecesse, além de ter dado apoio a governadores e prefeitos. “Por outro lado, o presidente foi a primeira voz a dizer que é preciso se preocupar com o Brasil como um todo”, disse Lorenzoni. “Fome e miséria matam historicamente mais que qualquer epidemia”, acrescentou.

O ministro da Cidadania afirmou ainda que é uma questão de “justiça” requerer honestidade intelectual no debate sobre o impacto econômico da pandemia. Ao defender a abertura, Lorenzoni argumentou que o Brasil é, segundo ele, um dos países com menor número de óbitos por milhão de habitantes.

“Entendemos a necessidade de todos”, disse o ministro. “Não faltou dedicação para o auxílio chegar a 59 milhões de brasileiros.”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. São Paulo é a locomotiva do Brasil. Os governantes, sejam eles quais forem, com a autorização do Supremo, não podem paralisar o Estado e, consequentemente, o País. As Indústrias estão colapsando, gerando fome, desemprego e pânico. Muito fácil dizer : Façam o que digo, mas não façam o que faço. Deveriam passar uma semana em uma favela, para sentirem o impacto das medidas adotadas.

    1. Insanidade o lokdow. Eu.posso ficar em casa mas quem.precisa trabalhar para comer não tem como. Usar a.mesma estratégia.pRa situações tão diferentes.. equilíbrio e bom senso w o que está falando. Aqui em.owrnambuco o governo soube do vírus antes do Carnaval.mas mesmo assim.foi feita a festa, com o estado.lotado de turistas. Agora acham.estranho a contaminação e o governador inferniza mais ainda a sociedade. Incompetência dizendpbqye e par salvar vidas. Será?

  2. Não concordo 100% nas colocações do Presidente Bolsonaro. Qto a epidemia do vírus chinês ele acertou sempre. Pena o STF não ter deixado o Bolsonaro admistrar o combate ao vírus chinês, certamente teríamos menos mortes e menos dinheiro roubado.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site