-Publicidade-

Justiça contraria Moro e absolve ex-tesoureiro do PT

Paulo Ferreira foi sentenciado por associação criminosa e lavagem de dinheiro
O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro | Foto: Divulgação/Agência Brasil
O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro | Foto: Divulgação/Agência Brasil | O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Paulo Ferreira foi sentenciado por associação criminosa e lavagem de dinheiro

justiça
O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

O Tribunal Regional Federal da 4ª região absolveu o ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira na noite da quarta-feira 26. Ele foi condenado pelo ex-juiz Sergio Moro por associação criminosa e lavagem de dinheiro. Os três juízes federais da 8ª Turma consideraram que não havia provas suficientes para condenar Ferreira. O petista ficou preso por pouco mais de seis meses, entre junho de 2016 e fevereiro de 2017, alvo da Operação Lava Jato. Na época, Moro estipulou fiança de R$ 1 milhão para que o ex-tesoureiro deixasse a cadeia. Contudo, depois de a defesa alegar “incapacidade financeira”, o valor caiu para R$ 200 mil, graças a juíza substituta no Paraná, Gabriela Hardt. Para pagar a quantia, Ferreira vendeu um consórcio e dois carros.

Leia também: “Moro pode ser declarado suspeito nos processos envolvendo Lula?”

O ex-tesoureiro do PT garante que “sofreu”: “Esse episódio é página virada. Após sofrer prejuízos irreparáveis, quero retomar uma trajetória que não deveria ter sido interrompida”. Dessa forma, é a segunda sentença de Moro derrubada na última semana pela Justiça. Na terça-feira 25, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu anular a condenação de um doleiro considerado culpado de envolvimento em suposto esquema de fraude no antigo Banco do Estado do Paraná, o Banestado. O STF acatou um recurso da defesa do doleiro Paulo Roberto Krug, que havia questionado o fato de Moro ter permitido a tomada de depoimentos referentes à delação de Alberto Youssef depois das alegações finais da defesa.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Quem não trabalha na Justiça sabe que a Justiça é cega, prejudica e livra qualquer um, basta quem decide assim decidir. No Brasil a coisa tomou um rumo nocivo ao País, esse pessoal que não tem qualquer preparo em outras áreas se arvora no direito de tudo julgar e ser a última palavra.
    Não é assim não, erram bastante, nós engenheiros, médicos, motoristas de ônibus, costureiras, padeiros, produtores rurais, …, não podemos errar, outras profissões e/ou atividades necessitam de responsabilidade no resultado de seus trabalhos, enquanto que o pessoal de Direito, não sabe nem o que significa esse termo em relação ao seus!

  2. ESTA NA HORA DE MORO FALAR COM FEZ CONTRA BOLSONARO AO SAIR DO GOVERNO ELE DEVE SABER DE MUITAS COISITAS DO STF. SE NÃO QUISER REPASSE PARA O ANTAGONISTA COMO NOS VELHOS TEMPOS.

  3. Agora o judiário vai libertar os membros da facção do PT, q destruiram o pais, os seus membros deveriam estar na cadeia. Porém estamos em um momento ímpar, onde o Ex ministro Moro não tem mais credibilidade, pq simplestmente a lava jato atingiu somente o PT, somente agora após a saida dele como ministro é q a lava jato chegou ao PSDB, e o caso BANESTADO volta das catacumbas, mostrando q na naquela época maior crime de desvio de dinheiro tinha Moro como juiz, e não deu em nada.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês