-Publicidade-

Líderes atuam para barrar projetos que elevam impostos

O intuito, é que as discussões do tema se concentrem durante a tramitação da reforma tributária, estacionada por causa da pandemia do novo coronavírus
Acordo é construído entre líderes | 
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Acordo é construído entre líderes | Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado | Senadores - líderes - impostos - reforma

O intuito é que as discussões sobre o tema se concentrem durante a tramitação da reforma tributária, estacionada por causa da pandemia do novo coronavírus

Senadores - líderes - impostos - reforma
Acordo é construído entre líderes | Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Líderes do Congresso ligados ao governo articulam-se para tentar barrar a votação de qualquer projeto que trate de elevação de impostos neste ano. O intuito é que as discussões sobre o tema se concentrem durante a tramitação da reforma tributária, estacionada por causa da pandemia do novo coronavírus.

Entre os projetos que devem ficar na gaveta, estão os que dispõem sobre a oneração do setor financeiro. Uma das propostas que tramitam no Senado prevê aumentar a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para o setor financeiro. Outro texto pretende limitar os juros de cartões de crédito e do cheque especial.

General Heleno fala à Revista Oeste: “Os militares e a economia”

Autores dos textos, Weverton Rocha (PDT-MA) e Álvaro Dias (Podemos-PR), respectivamente, tentaram emplacar as propostas na pauta de votações desta semana, mas ambos foram vetados pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). “Estamos negociando para que matérias que elevem impostos sejam tratadas quando da apreciação da reforma tributária”, afirmou o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE).

Além da falta de consenso entre os senadores, as instituições bancárias pressionam para que as medidas não sejam pautadas pelo plenário.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês