Motoristas de aplicativos se empenham para entrar em PEC de benefícios

Associação da categoria em São Paulo tem participado de articulações para conseguir o auxílio previsto para os taxistas
-Publicidade-
Motoristas de aplicativos esperam entrar em auxílio-gasolina de R$ 200 por mês
Motoristas de aplicativos esperam entrar em auxílio-gasolina de R$ 200 por mês | Foto: Paul Hanaoka/Unsplash

As entidades que representam os motoristas de aplicativos se mobilizam para entrar na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 1, projeto do governo federal atualmente em tramitação no Congresso. A expectativa da categoria é ingressar no mesmo item que projeta auxílio de combustível aos taxistas.

O auxílio-gasolina de R$ 200 por mês aos taxistas consta no texto aprovado pelo Senado na quinta-feira 30. Agora, o projeto segue na Câmara, onde Danilo Forte (União Brasil-CE) foi escolhido como relator. Nesta segunda-feira, 4, o parlamentar disse em entrevista ao Estado de S. Paulo que deve incluir os motoristas de aplicativo no pacote de benefícios, por entender que a finalidade do serviço é a mesma.

Segundo Eduardo Lima, presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativos de São Paulo (Amasp), a categoria tem sido representada na questão pelo vereador paulistano Marlon Luz (MDB), conhecido como Marlon do Uber. As reivindicações em Brasília estão sendo recebidas pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP).

-Publicidade-

“A categoria tem sido altamente afetada, pelo aumento dos combustíveis, pelas corridas congeladas desde 2016, com reajustes pequenos, que nada suprem a necessidade real dos motoristas. O sentimento é de desamparo”, comentou Eduardo Lima.

“Os taxistas sempre saem na frente pelo fato de terem parlamentares eleitos, essa é a grande diferença. A gente é uma classe nova, com apenas sete anos de existência. Ainda não temos parlamentares eleitos, alguém para olhar pela nossa classe. Hoje não temos.”

Na última semana, a aprovação no Senado sem a inclusão dos motoristas de aplicativo motivou protesto do vereador Marlon Luz, que prometeu defender a categoria.

O representante da associação de motoristas de aplicativos diz que contempla um universo de quase 180 mil motoristas no Estado. Entidades de outras localidades também vêm participando das reivindicações. Segundo o presidente da Amasp, a categoria precisaria do patamar de benefício previsto para os caminhoneiros (R$ 1 mil), mas se dá por satisfeita com a inclusão no tópico junto com taxistas.

“O ideal seria o que está sendo ofertado para os caminhoneiros. Mas a gente entende que o momento da economia é bastante complicado, não tem como reivindicar tal valor. Vamos ficar na linha da realidade e tentar obter o que está sendo ofertado aos taxistas. Já ajuda de alguma maneira.”

Para passar a valer, a PEC ainda precisa ser aprovada em dois turnos no plenário da Câmara, e depois ser promulgada pelo Congresso Nacional. Segundo o relator Danilo Forte, com os acréscimos em debate, o limite de gastos pode subir para R$ 50 bilhões.

Um dos pontos mais controversos da proposta é o status de estado de emergência, que serve especificamente para que os pagamentos não violem a legislação eleitoral. Segundo o relator, existe a possibilidade de o texto da Câmara prosseguir sem esta classificação.

Sobre os benefícios

  • Auxílio Brasil: ampliação de R$ 400 para R$ 600 mensais e cadastro de 1,6 milhão de novas famílias no programa (custo estimado: R$ 26 bilhões);
  • Bolsa-caminhoneiro: criação de um benefício de R$ 1 mil (custo estimado: R$ 5,4 bilhões);
  • Auxílio-gás: ampliação de R$ 53 para o valor de um botijão a cada dois meses (o preço médio atual do botijão de 13 kg é de R$ 112,60; custo estimado: R$ 1,05 bilhão);
  • Transporte gratuito de idosos: compensação aos Estados para atender à gratuidade, já prevista em lei, do transporte público de idosos (custo estimado: R$ 2,5 bilhões);
  • Etanol: repasse de até R$ 3,8 bilhões a Estados para manutenção do ICMS em 12%, para manter a competitividade do biocombustível em relação à gasolina;
  • Taxistas: auxílio-gasolina de R$ 200 para os taxistas, ao custo de R$ 2 bilhões;
  • Alimenta Brasil: R$ 500 milhões seriam direcionados ao programa para a compra de alimentos de agricultores familiares.
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Sou contra todo tipo de política esquerdista, mas infelizmente o aparelhamento estatal de nosso país está nas entranhas da política brasileira, o Estado está grandemente inchado, isso não faz bem para o desenvolvimento do país, pacotes e mais pacotes de auxílios e benefícios, criando uma dependência e gasto aos cofres públicos, sem dizer que falta uma reforma administrativa para deixar mais enxuto as contas públicas, todos essas medidas de “benefícios” serão pagos por nós pagadores de impostos, a conta chegará depois da eleição, apertando ainda mais nossos orçamentos particulares.

  2. É o fim da picada. Uma categoria valente, corajosa, que sequer ganha gorjeta dos pão duros passageiros ficar fora dos benefícios de ajuda.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.