‘Não farei nada sozinho’, diz vice de Bruno Covas, ao assumir prefeitura

Segundo o prefeito interino Ricardo Nunes (MDB), o maior desafio neste momento é o enfrentamento de uma possível terceira onda da covid-19 em São Paulo
-Publicidade-
Ricardo Nunes, do MDB, assumiu interinamente a prefeitura de São Paulo
Ricardo Nunes, do MDB, assumiu interinamente a prefeitura de São Paulo | Reprodução/Instagram

Vice-prefeito eleito de São Paulo em 2020, agora alçado ao comando da maior cidade do país de forma interina, o ex-vereador Ricardo Nunes (MDB) afirma estar preparado para o desafio. Segundo ele, todas as decisões tomadas daqui para a frente contarão com a participação da equipe de Bruno Covas (PSDB) ou do próprio prefeito afastado.

Como noticiamos, o tucano se licenciou do cargo, em princípio por um período de 30 dias, em função do agravamento de seu quadro de saúde. Covas foi novamente internado nesta segunda-feira, 3, e está intubado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista. Ele trata um câncer e teve um sangramento no estômago.

-Publicidade-

Leia mais: “Saiba quem é o vice-prefeito de Bruno Covas que vai assumir São Paulo”

“Vou seguir o trabalho que está sendo feito. Bruno é o prefeito. Estou aqui interinamente. Vice é eleito para isso: auxiliar o prefeito e substituí-lo quando necessário. Estou muito tranquilo”, afirmou Nunes em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. “Me sinto preparado. Gerir uma cidade é saber o que ela precisa. Tenho essa sensibilidade e preparo. E não farei nada sozinho nesses 30 dias. Toda decisão mais complexa que tiver de tomar será feita em comum acordo com a equipe e com o próprio Bruno. Ontem, quando ele me avisou sobre a licença, disse que confia em mim. Essa frase me marcou, lealdade é o que se espera da minha parte. Só não vou incomodá-lo com questões do dia a dia, como uma greve numa garagem de ônibus da zona sul que marcou minha manhã, logo no primeiro dia.”

Segundo o prefeito interino, o maior desafio neste momento é o enfrentamento de uma possível terceira onda da covid-19 na cidade. “É manter e, de preferência, reduzir a ocupação de leitos de UTI e de enfermaria para tratamento de doentes de covid. Hoje, esses índices estão em 79% e 60%, respectivamente. Bruno tem orientado sobre isso, nosso controle é diário, quase hora a hora”, afirma.

Leia também: “Bruno Covas vai para a UTI com sangramento no estômago”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site