Orçamento de 2022 prevê fundão eleitoral de R$ 2,1 bilhões

Por falta de espaço no teto de gastos, a proposta não prevê aumento no valor do Bolsa Família
-Publicidade-
Esplanada dos Ministérios | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Esplanada dos Ministérios | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O governo Bolsonaro propôs que o fundo para as eleições de 2022 fique em R$ 2,1 bilhões, próximo ao que foi usado em 2018 e 2020. Em julho, quando aprovou a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o Congresso previu um montante bem maior, de R$ 5,7 bilhões, que foi vetado pelo presidente.

O novo valor do fundão eleitoral faz parte da Proposta de Orçamento para 2022 (PLOA), enviada pelo Ministério da Economia ao Congresso nesta terça-feira, 31. Nos bastidores, até a aprovação do Orçamento, parlamentares vão tentar turbinar o fundão para pelo menos R$ 4 bilhões.

Leia mais: “Aneel anuncia bandeira tarifária mais cara que a vermelha 2”

-Publicidade-

Bolsa Família

Por falta de espaço no teto de gastos, a proposta não prevê aumento no valor do Bolsa Família. A ideia é gastar R$ 34,7 bilhões com o programa, o mesmo valor deste ano, o que é suficiente para atender a 14,7 milhões de famílias. Bolsonaro já anunciou que pretende reformular o benefício, que passará a se chamar Auxílio Brasil, e o valor médio terá um reajuste de pelo menos 50%.

Precatórios

O Orçamento prevê gastos de R$ 89,1 bilhões para precatórios — que são valores devidos pela União a pessoas e empresas após sentença definitiva na Justiça. O governo ainda busca negociar uma forma de reduzir esse montante para 2022, e a proposta poderá ser atualizada quando uma solução para os precatórios for encontrada.

“O crescimento de pagamento dessas sentenças judiciais gera inevitavelmente a compressão dos gastos discricionários — em especial, investimentos — da União, para que sejam respeitadas as regras fiscais vigentes”, informou o Ministério da Economia.

Censo Demográfico

O governo federal reservou R$ 2 bilhões para a realização do Censo Demográfico. O valor equivale ao previsto originalmente pelo Ministério da Economia no Orçamento de 2021. Ao final, o texto foi sancionado com um valor bem menor, de apenas R$ 71 milhões, impedindo a realização da pesquisa. Por lei, o censo deve ser realizado a cada dez anos, mas o último ocorreu em 2010.

Principais gastos

A peça orçamentária prevê um total de R$ 1,646 trilhão em gastos da União, os principais são: R$ 765,5 bilhões para Previdência Social (aposentadorias do INSS) e R$ 342,7 bilhões para gastos com servidores públicos.

Déficit, PIB, câmbio e inflação

O PLOA aponta um déficit primário do governo de R$ 49,6 bilhões, correspondendo a 0,5% do PIB. O valor é bem menor do que da meta estabelecida pela LDO, de déficit de R$ 170,5 bilhões. O salário mínimo deve passar dos atuais R$ 1.100 para R$ 1.169, uma alta de 6,27%, sem aumento real.

O documento foi elaborado considerando as estimativas de que o Produto Interno Bruto (PIB) vai avançar 5,3% neste ano, e em 2022 terá alta de 2,51%. O câmbio deverá ficar em R$ 5,20 em 2021 e R$ 5,15 em 2022. Já as projeções da inflação para 2022 são de 3,50% para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) e 3,42% para o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro