Para investigar Toffoli, políticos cobram CPI da Lava Toga

Reportagem revela relação do ministro do STF com empreiteiras como Odebrecht e OAS
-Publicidade-
Ministro era chamado de "amigo do amigo de meu pai" | Foto: Wallace Martins/Estadão Conteúdo
Ministro era chamado de "amigo do amigo de meu pai" | Foto: Wallace Martins/Estadão Conteúdo | ministro do STF

Reportagem revela relação do ministro do STF com empreiteiras como Odebrecht e OAS

ministro do STF
Ministro era chamado de “amigo do amigo de meu pai”
Foto: Wallace Martins/Estadão Conteúdo
-Publicidade-

Vários parlamentares se manifestaram sobre a reportagem da revista digital Crusoé que traz detalhes das investigações da Procuradoria-Geral da República sobre as relações do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli com empreiteiras, como Odebrecht e OAS.

Em um vídeo publicado pela revista, Marcelo Odebrecht explica como sua empreiteira contou com os serviços do ministro. De acordo com a publicação, Toffoli era chamado de “amigo do amigo de meu pai”.

Integrantes do Senado e da Câmara classificaram como “graves” as revelações. Além disso, cobraram que as acusações sejam fortemente investigadas.

“Esse caso tem potencial de ser o maior escândalo da história Judiciário brasileiro. Não pode ser ignorado nem prejulgado, precisa ser apurado. É a credibilidade de um poder em jogo. A toga não é negra para esconder sujeira”, afirmou o deputado Paulo Martins (PSC-PR).

Opinião: “Não paira mais desconfiança sobre Dias Toffoli. Paira vergonha”

No Senado, parlamentares defenderam a tese de que os integrantes do Judiciário não são imunes. Para apurar as acusações, os senadores reacenderam o debate da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a atuação de ministros do Supremo —  apelidada de CPI da Lava Toga.

“Precisamos de uma investigação. A CPI da Lava Toga precisa ser instaurada”, defendeu Oriovisto Guimarães (Podemos-PR).

De acordo com a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), a Casa já tentou três vezes criar a CPI, contudo faltou apoio dos demais parlamentares. “A instauração da CPI da Lava Toga é uma bandeira que defendo desde que assumi o mandato”, afirmou.

Na gaveta de Alcolumbre

Conforme Oeste mostrou, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) já tentou implementar diversas vezes a abertura da CPI. No entanto, nunca houve interesse por parte do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Em princípio, a proposta depende da assinatura de 27 parlamentares, além do aval de Alcolumbre. O objetivo da CPI seria investigar eventuais irregularidades nos tribunais superiores e o que é chamado de “ativismo judicial”, expressão que se refere a uma interferência do Judiciário nos demais Poderes.

Leia mais: “A saga de Alcolumbre para ser o novo Renan do Senado”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

7 comments

  1. Políticos de merda, inconsequentes como os próprios membros do STF. Jogo de compadres. O fim do CONLUIO entre os poderes tem data marcada: de novo às RUAS de todo o PAÍS como fizemos em 2012013, como consequência em 5 anos tiramos o EXECUTIVO dessa trama sórdida. Nossa PRESTAÇÃO DE CONTAS é com o CONGRESSO, unicamente com quem votamos. FIM do Foro privilegiado e a PRISÃO em SEGUNDA instância, este é o ÚNICO PLANO de resgate da NAÇÃO p as futuras gerações de brasileirinhos.

  2. A causa de todas as nossas desgracas é foro privilegiado. NUm pais onde os seus maiores ladroes pertencem à classe politica, com a certeza absoluta de que nuca serão julgados, porque o STF nunca fará isso, não nos restam muitas esperanças. Haveriam esperančas se o nosso povo fosse mais interessado. MAs nós não temos tradição nisso.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site