Polícia do Senado encaminha apuração preliminar sobre Alcolumbre à PGR

Ex-presidente da Casa é suspeito de prática de suposta 'rachadinha' em seu gabinete
-Publicidade-
Davi Alcolumbre, ex-presidente do Senado, hoje comanda a CCJ
Davi Alcolumbre, ex-presidente do Senado, hoje comanda a CCJ | Foto: Reprodução

A polícia do Senado Federal enviou à Procuradoria-Geral da República (PGR) as informações obtidas durante a apuração preliminar sobre uma suposta “rachadinha” envolvendo o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, Davi Alcolumbre.

Segundo reportagem publicada pela revista Veja, seis mulheres denunciaram o ex-presidente do Senado. Marina Santos, Érica Castro, Lilian Braga, Jessyca Pires, Larissa Braga e Adriana Almeida, moradoras do entorno do Distrito Federal, teriam sido contratadas como assessoras, mas jamais trabalharam efetivamente para Alcolumbre. O esquema, iniciado em 2016, teria desviado ao menos R$ 2 milhões.

Elas tinham vencimentos mensais entre R$ 4 mil e R$ 14 mil, mas devolviam parte do montante ao gabinete de Alcolumbre. De acordo com a Veja, os extratos das contas das funcionárias mostram que o salário era depositado e imediatamente sacado.

-Publicidade-

A Advocacia-Geral do Senado informou, em nota encaminhada ao ministro Luís Roberto Barroso, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), que a polícia legislativa “intimou tanto as ex-servidoras entrevistadas pela reportagem quanto o servidor mencionado”. “Em consequência, a apuração preliminar foi imediatamente interrompida, canceladas todas as diligências e oitivas dos servidores e ex-servidores mencionados na reportagem (nenhuma testemunha foi ouvida), e o procedimento foi integralmente encaminhado à Procuradoria-Geral da República”, diz o ofício.

Ainda de acordo com a nota, a polícia do Senado seguiu o procedimento estabelecido pela direção-geral, com a remessa imediata dos autos à PGR “caso se confirmasse a existência de algum elemento probatório com a menção de parlamentar na acusação da prática de atos ilícitos penais no desempenho do mandato e a ele relacionados, com possíveis repercussões na esfera penal”.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. O batoré já terceirizou a culpa, jogou nas costas do seu secretário, não vejo um final justo para isso, se avançar, o batoré irá exonerar o secretário “culpado”, as mulheres que fizeram a denuncia serão de alguma forma culpadas por aceitarem o roubo, talvez paguem uma pena alternativa e fim. Agora, se isso fosse com alguém do lado do presidente, vichi, já tava engaiolado a dias, que diga Daniel Silveira que só falou algumas verdades. Desanima.

  2. Até quando vai prevalecer o corporativismo??? Esse elemento tá atolado até o talo em esquemas de corrupção… E ainda preside a comissão de constituição e justiça???

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.