-Publicidade-

PSL tenta construir bloco de apoio ao governo, mas presença de PTB é incerta

PSL articula a criação de um bloco com PSC, PTB e PROS. Mas Roberto Jefferson, presidente petebista, diz que não foi consultado e freia movimento
Presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson
Foto: Weleson Nascimento/PTB Nacional
Presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson Foto: Weleson Nascimento/PTB Nacional

PSL articula a criação de um bloco com PSC, PTB e PROS. Mas Roberto Jefferson, presidente petebista, diz que não foi consultado e freia movimento

roberto jefferson - ptb
Presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson Foto: Weleson Nascimento/PTB Nacional

O PSL, por meio de seu líder na Câmara, Felipe Francischini (PR), se movimenta para construir um bloco na Câmara com a participação do partido além do PSC, PTB e PROS. A articulação, na prática, fragiliza ainda mais a base do líder do Centrão, Arthur Lira (PP-AL), mas não a do governo. A ideia é que o novo bloco seja alinhado ao presidente Jair Bolsonaro. Resta, no entanto, dialogar com os petebistas.

Lideranças tratam como certa a criação do novo bloco, mas o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, afirma a Oeste não ter sido consultado. “Os deputados não são soldados sem quartel. O quartel do deputado é o partido político por onde ele se elege. Ninguém fala sozinho em nome do PTB”, avisa.

O petebista é aliado do governo e, portanto, não faz objeções ao fortalecimento de bases do governo. Apenas deixa claro que, sem a consulta ao partido, não avaliza a saída do partido do Centrão. O Blocão é composto por PL, PP, PSD, Solidariedade, PTB, PROS e Avante. “Não fui consultado. A Executiva [Nacional do PTB] não foi consultada. Quem é que tomou a decisão? Combinou com quem? Com os chineses?”, ironiza.

O recado do presidente petebista vale, inclusive, para a bancada do partido na Câmara. “A mesma coisa falo em relação aos parlamentares. O que eles dizem e assumem de compromisso político tem que passar, tem que ser homologado pela Comissão Executiva Nacional. Se não, não vale”, alerta.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês