Rede e Psol vão ao STF contra decisão do MEC que proíbe exigir vacinação

Governo proibiu universidades e institutos federais de cobrarem o passaporte de vacinação no retorno às atividades presenciais
-Publicidade-
Fachada do Supremo Tribunal Federal | Foto: Reprodução/STF
Fachada do Supremo Tribunal Federal | Foto: Reprodução/STF

Rede e Psol anunciaram nesta quinta-feira, 30, que vão acionar o Supremo Tribunal Federal contra a decisão do governo de proibir universidades e institutos federais de cobrarem o passaporte de vacinação no retorno às atividades presenciais.

O despacho é assinado pelo ministro da Educação, Milton Ribeiro. O Ministério da Educação afirma que a questão da exigência da vacina não deve ocorrer por decisão de cada instituição.

-Publicidade-

“A exigência de comprovante de vacinação como meio indireto à indução da vacinação somente pode ser estabelecida por meio de lei”, diz o texto publicado no Diário Oficial da União.

O documento ainda afirma que, no caso das universidades e dos institutos federais, por se tratar de entidades integrantes da administração pública federal, a exigência somente pode ser estabelecida mediante lei federal.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmou que vai incluir o pedido em outra ação, já protocolada na Corte pela legenda.

Na ocasião anterior, o partido foi atendido pelo ministro do Supremo Luís Roberto Barroso, que suspendeu trechos de uma portaria do Ministério do Trabalho que proibia empresas de demitirem funcionários não vacinados.

“Já há decisão do STF sobre a constitucionalidade de exigência do passaporte da vacinação e devemos garantir a autonomia administrativa das universidades federais, prevista na Constituição Federal!”, escreveu, no Twitter.

O presidente do Psol, Juliano Medeiros, também anunciou que vai acionar o Supremo. Nas redes sociais, disse que a decisão do Ministério da Educação “afronta a autonomia universitária e a saúde pública”.

Em nota, o Ministério da Educação afirmou que é inconstitucional a exigência de cartão de vacinação como pré-requisito ao retorno às atividades presenciais.

“As Instituições Federais de Ensino Superior — IFES, assim como as demais autarquias e fundações públicas federais, não possuem competência para, exclusivamente mediante ato administrativo, promover a exigência de vacinação contra o SARS-CoV-2 como requisito para o acesso às suas dependências”, pontua o MEC.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. Eu vejo gente morta.
    Por vontade ou contra ela.
    Mas por que essa gente morta não nos deixa um país melhor?
    Eu respeito toda a gente morta.
    Será que essa gente morta poderia por vezes nos deixar um legado melhor?

  2. É fundamental retornar às universidades e faculdades em 2022 sem exigência alguma de passaporte de vacinas(experimentos), uma vez que os não vacinados e que contraíram COVID-19, possuem a imunidade natural necessária! Lembremos que a ciência não fala, quem fala são os cientistas. Estes, possuem devido à natureza adâmica, a vaidade e o orgulho recheados de seus pressupostos ideológicos que insistem em pulverizar sobre todos! Portanto, grande decisão do Ministro e chega desse “circo” hipócrita de partidos e senadores reféns de um STF em função de seus crimes políticos!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.