Revista Oeste - Eleições 2022

Sachsida deve ir à Câmara debater sobre reajuste dos combustíveis e energia

No último dia 18, a gasolina subiu 5,2%, enquanto o diesel, 14,2%
-Publicidade-
Ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, durante entrevista | Foto: Divulgação/MME
Ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, durante entrevista | Foto: Divulgação/MME

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, deve participar na próxima terça-feira 28, de um debate na Câmara dos Deputados sobre reajuste dos combustíveis, que sofreu novo aumento há duas semanas. Parlamentares também querem discutir o valor da energia elétrica no país.

A audiência pública foi proposta no final de abril e aprovada no começo deste mês. O autor do requerimento é o deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), que considera os aumentos abusivos.

“Os reajustes abusivos dos derivados de petróleo impactam a economia como um todo, repercutindo desde nos preços da cesta básica, em virtude do frete rodoviário, até os custos de transportes e deslocamento”, justifica o deputado. “Parece claro que a raiz do problema se encontra na política de Preços de Paridade de Importação (PPI) que vincula o preço dos combustíveis ao mercado internacional.”

-Publicidade-

Para o mesmo dia, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes convocou uma reunião conciliatória entre Estados e União para discutir sobre as alíquotas de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para os combustíveis.

No último dia 18, a gasolina subiu 5,2%, enquanto o diesel, 14,2%. O aumento culminou com a queda do então presidente da Petrobras José Mauro Coelho.

O governo de Jair Bolsonaro (PL) e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), criticaram o reajuste que foi anunciado na semana em que o Congresso Nacional aprovou uma proposta para classificar alíquotas de ICMS sobre combustíveis como “bens essenciais”, o que obriga Estados a diminuírem os valores.

De acordo com a proposta, as alíquotas devem permanecer entre 17% e 18%. O Rio de Janeiro tem a maior alíquota sobre gasolina, de 34%. Em segundo lugar está Minas Gerais, com 32%. A menor taxa registrada no país é de Mato Grosso: 23%.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. E o presidente anterior da petroleira??? Conselheiros? Já teve contador da petrolífera que foi trabalhar na Bolívia e quando voltou apresentava sinais de riqueza….

  2. Ministro Sachsida, dá um jeito neste pessoal:
    Do site da FUP:
    O currículo do novo indicado de Bolsonaro para a presidência da Petrobrás, cujo nome será avaliado nesta sexta-feira (24) pelo Comitê de Elegibilidade da estatal, esbarra em pelo menos dois possíveis impeditivos para sua nomeação: a experiência profissional e a formação acadêmica.

    Fala o sindicato que indicava funcionário que servia cafézinho (nada contra a pessoa) para conselho fiscal da Petros.

  3. Afinal, a Petrobrás já enviou as planilhas com o detalhamento das composições de custo dos combustíveis que expliquem esse reajuste absurdo? Se falou nisso daqui e depois nunca mais cobraram esse demonstrativo desses cálculos. Mas nossa imprensa é sempre assim, publica a denúncia e depois esquece e fica o dito pelo não dito.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.