Sondado para voltar à Apex, Márcio Coimbra declina indicação

Márcio Coimbra é o diretor-executivo do Interlegis, poderoso mecanismo político para os parlamentares no Senado. No início da gestão Bolsonaro, ele foi diretor de Gestão Corporativa da Apex-Brasil
-Publicidade-
Márcio Coimbra, diretor-executivo do Interlegis
Foto: Interlegis/Divulgação
Márcio Coimbra, diretor-executivo do Interlegis Foto: Interlegis/Divulgação

Coimbra é o diretor-executivo do Interlegis, poderoso mecanismo político para os parlamentares no Senado. No início da gestão Bolsonaro, ele foi diretor de Gestão Corporativa da Apex-Brasil

márcio coimbra - interlegis
Márcio Coimbra, diretor-executivo do Interlegis, comanda estrutura que é peça-chave na articulação política de muitos senadores | Foto: Interlegis/Divulgação

Considerado um dos melhores quadros do Senado, o diretor-executivo do Interlegis, Márcio Coimbra, foi sondado para voltar à Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), braço da política comercial do Itamaraty. Mas declinou. Ele, que se demitiu da Apex no início da gestão Bolsonaro, optou por permanecer no Senado.

-Publicidade-

A passagem de Coimbra pela Apex foi suficiente para realizar uma profunda reforma na gestão. O diretor do Interlegis não concorda com os rumos tomados pela agência durante o comando de Sérgio Segóvia, o atual diretor-executivo, que chegou logo depois de seu pedido de demissão. Em conversa com senadores, Coimbra acredita que a agência precisa voltar-se mais para o exterior. Na observação dele, a atual gestão da Apex-Brasil faz o inverso.

Nomeado para o comando do Interlegis pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), Coimbra, que trabalhou em Washington, abriu caminho para o governo do presidente Jair Bolsonaro na gestão do presidente norte-americano Donald Trump. O diretor-executivo do Interlegis têm excelentes relações com líderes dos partidos Republicano e Democrata e acredita que o governo federal precisa abrir canais com o presidenciável democrata Joe Biden.

Procurado por Oeste, Coimbra confirmou a sondagem para retornar à Apex, mas considera sua missão de reforma do Interlegis uma prioridade. A diretoria comandada é um poderoso mecanismo político para os parlamentares, tendo em vista que alcança todos os municípios do Brasil. É, portanto, peça- chave na articulação política de muitos senadores. “O processo de integração e modernização do Legislativo brasileiro é essencial para o fortalecimento da democracia”, justifica.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.