-Publicidade-

Tarcísio articula-se para destravar obras da Ferrogrão

O ministro do STF Alexandre de Moraes interrompeu a continuidade da ferrovia
Segundo o governo, a Ferrogrão está dentro da chamada "faixa de domínio"
Segundo o governo, a Ferrogrão está dentro da chamada "faixa de domínio" | Foto: Marcelo Casal Jr./Agência Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, atua para liberar o licenciamento ambiental da Ferrogrão, ferrovia considerada a principal rota de escoamento do agronegócio do país. Desde 15 de março, as obras estão paradas a mando de Alexandre de Moraes, juiz do Supremo Tribunal Federal (STF), que atendeu a um pedido do Psol. O magistrado argumentou que a ferrovia cortaria área de uma floresta protegida, o Parque Nacional do Jamanxim, no Pará. Além disso, “invadiria” terras indígenas. Recentemente, Tarcísio tem articulado-se de modo a reverter o entendimento de Moraes. Após conversas a dois, a expectativa é a de que o ministro do STF recue nos próximos dias.

“Marco das ferrovias é a próxima aposta do governo”

Segundo o governo, a Ferrogrão está dentro da chamada “faixa de domínio”, ou seja, distante das áreas de preservação ambiental e terras indígenas. Portanto, podem seguir adiante. O valor estimado de investimento na ferrovia é de R$ 12 bilhões. O projeto é visto como um divisor de águas no escoamento da produção no país, ao levar parte da carga do agro para os portos da região Norte, em vez de destinar toda a carga para os portos das regiões Sudeste e Sul. O governo aposta na ferrovia para facilitar o escoamento da produção de milho, soja e farelo de soja do Estado de Mato Grosso, além do transporte de óleo de soja, fertilizantes, açúcar, etanol e derivados do petróleo.

Com informações do Estadão Conteúdo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.