TCU no centro da polêmica farra das passagens

Os ministros da Corte de contas são o que podemos chamar de especialistas em uso de diárias com o dinheiro público
-Publicidade-
Na semana passada, o ex-procurador da Lava Jato foi condenado por uso de passagens
Na semana passada, o ex-procurador da Lava Jato foi condenado por uso de passagens | Foto: Reprodução/Agência Brasil

Marina Helena*

Se a vida tem o que chamamos de efeito bumerangue, podemos dizer que o Tribunal de Contas da União (TCU) sentiu quase instantaneamente o marketing e contra-marketing de suas ações. Na semana passada, a Segunda Câmara do TCU condenou o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, o ex-procurador Deltan Dallagnol e o procurador João Vicente Romão a ressarcir os cofres públicos por dinheiro gasto pela força-tarefa da Lava Jato com diárias e passagens. Segundo os ministros da Corte, houve prejuízo de quase R$ 3 milhões em gastos da operação, valor que deve ser restituído ao Tesouro. Técnicos do tribunal haviam recomendado arquivar o processo, mas os ministros desconsideraram o parecer e resolveram seguir um entendimento de que o modelo adotado na operação permitiu o pagamento desproporcional e irrestrito de diárias, passagens e gratificações aos procuradores envolvidos nos processos.

A notícia foi divulgada com estardalhaço, mas também trouxe à tona um dado que já vinha circulando nas redes sociais e veículos de imprensa há tempos e que os membros daquela Corte sempre tiveram má vontade em responder. Os ministros do TCU são o que podemos chamar de especialistas em uso de diárias com o dinheiro público. De junho do ano passado a julho deste ano, eles gastaram mais de R$ 1 milhão com passagens aéreas e diárias para viajar ao redor do mundo.

-Publicidade-

Mas tem ainda as viagens nacionais de representação institucional, reservadas apenas para ministros. Durante o ano passado, foram 65 e quem mais usou essa cota foi o ministro Bruno Dantas, ele mesmo, o relator do processo que condenou os procuradores da Lava Jato. Bruno é um expert em representar o TCU. Esse ano ele não perdeu o ritmo e já gastou R$ 385 mil com diárias e passagens internacionais e não terminamos nem o mês de agosto.

Há alguns anos, durante uma conferência, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa disse que via o TCU como um playground de políticos fracassados. “É um órgão com as virtudes extirpadas”, observou. “Afinal, é um playground de políticos fracassados que, sem perspectiva em se eleger, querem uma boquinha.” Na época, pareceu que o tom estava um pouco elevado, exagerado até. Mas o fato é que está cada vez mais difícil defender os membros daquela Corte.

​O que o TCU fez com os membros da Lava Jato representa o escárnio do tribunal contra um dos processos mais emblemáticos no enfrentamento da corrupção. A discussão sobre o futuro dos tribunais de contas (TCEs) do Brasil é fundamental para a construção de uma administração pública mais eficiente, para o desenvolvimento das nossas instituições, combate efetivo à corrupção e fortalecimento do controle externo do poder legislativo sobre a execução dos orçamentos.

O fato é que os TCEs não vêm executando a contento o seu papel, tanto assim que temos Estados falidos com contas aprovadas, uma administração pública extremamente ineficiente e pouco profissional que presta como regra geral serviços públicos de péssima qualidade. Onde estavam os TCEs enquanto rombos fiscais bilionários eram construídos? O que faziam enquanto elefantes brancos eram erguidos para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016, eventos que deixaram como legado apenas dívidas, despesas inúteis e escândalos de corrupção? Cito dois exemplos que definitivamente eram impossíveis de serem empurrados para debaixo do tapete, mas a lista é interminável.

Juntos, os TCEs custam mais de R$ 10 bilhões por ano. Então, por que não funcionam bem? Algumas respostas são bem conhecidas, como a indicação política da maior parte de seus membros e a total falta de fiscalização sobre o que fazem e como fazem. Sustentar essa máquina de “fiscalização” não é nada barato para nós.

​Não é possível aceitar a nomeação de conselheiros sem curso superior ou com formação que não tem nada a ver com a fiscalização de contas públicas, como dentistas e veterinários. Não é admissível que cargos de conselheiros sejam objeto de barganhas políticas para acomodar aliados em momentos de definição de chapas eleitorais. Causa muita indignação ler as seguintes notícias de que foram compradas antecipações de aposentadorias de conselheiros para que vagas fossem abertas para políticos interessados em transformar em oportunidades de negócio cargos vitalícios, com foro privilegiado, sem nenhuma fiscalização e com muito poder.

Os cargos de conselheiros dos TCEs são equivalentes aos dos desembargadores da Justiça Estadual, e os ministros do TCU são equiparados pela Constituição Federal aos ministros do Superior Tribunal de Justiça. Levantamento feito em 2019 pelo cientista político Audálio José Pontes Machado, da Universidade Federal de Pernambuco, traça o perfil político da maioria dos 186 conselheiros de 26 TCEs e do Tribunal de Contas do Distrito Federal: 85 são ex-deputados estaduais e distritais, 5 são ex-deputados federais, 29 são ex-secretários estaduais, 13 ocuparam outros cargos estaduais e 40 têm ou tiveram pendências judiciais. Desse total, 56 são parentes de políticos. Antes de serem membros dos colegiados dos TCEs, muitos eram políticos de carreira e possuem processos no próprio tribunal de contas onde detêm as funções mais importantes.

TCEs eficientes podem produzir uma verdadeira revolução na administração pública brasileira. Vejam o que ocorre quando as instituições funcionam. A Operação Lava Jato conseguiu o que por muito tempo parecia impossível no Brasil e em muitos países: colocar poderosos acusados de corrupção no banco dos réus.

A resposta em termos de reforma precisa ser dada pelo principal interessado no tema e também nos cargos: o Congresso Nacional. Existem propostas de emenda constitucional que tratam da revisão da composição do colegiado dos TCEs, bem como do perfil de seus dirigentes. Falta apenas colocá-las em debate público. Sem pressão social, contudo, é praticamente impossível esperar que o Congresso possa alterar algo que representa um ativo político e de poder para seus membros. Precisamos nos mobilizar. Essa farra das diárias — a dos tribunais que fique claro — foi um ótimo alerta para tal.

Leia também: “O custo da ineficiência”, reportagem de Cristyan Costa publicada na Edição 126 da Revista Oeste


*Marina Helena Santos é formada em Economia pela Universidade de Brasília, com mestrado na mesma universidade. Possui mais de 14 anos de experiência como economista no mercado financeiro em instituições como Itaú Asset, Banco Bradesco, Quest Investimentos, Mauá Capital e Bozano Investimentos. Foi diretora de Desestatização do Ministério da Economia em 2019 e também CEO do Instituto Millenium. É fundadora do Movimento Brasil Sem Privilégios.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

13 comentários Ver comentários

  1. E alguns soldados para fechar esses tribunais. Afagar à vassouradas os traseiros desses vagabundos e confiscar seus bens roubados do erário.

  2. Este aí é mais um tribunal, se é que se pode chamar a isto de tribunal, loteado por políticos cuja única função é enriquecer às custas do povo brasileiro.

  3. “TCU: playground de políticos fracassados.” Joaquim Barbosa.
    E pelo que vimos na matéria ampara também corruptos,parentes de políticos e toda sorte de picaretas,vigaristas e vagabundos.
    Essa é mais uma excrescência da nossa república.Urge extirpá-la.

  4. Certamente netos desses palhaços políticos descartados pela sociedade, não serão raposas tomando conta dos galinheiros, como um Durval Angelo nomeado por Pilantrel, ou um Anastasia, que vai pro TCU “pelos serviços prestados aos seus”, e ainda abre vaga no senado para um tal Alexandre Silveira, do mesmo nível baixíssimo de Rodrigo Pacheco, gente que nunca será eleita ou reeleita, para qualquer cargo público, por Minas Gerais .

  5. Parabéns a vc Maria Helena. Esse movimento Brasil sem privilégio precisa ter mais visibilidade, ou seja precisa ser mais falado sobre ele pra sociedade, angariando assim mais gente pra que possa ser conhecido e divulgado no país todo. Nós precisamos de uma grande faxina nesse país, o presidente sozinho não consegue, por que o sistema não quer.

  6. Perfeito Maria Helena. São carrapatos que grudam na sociedade sob o disfarce de ” auditores fiscais ” O congresso precisa acabar com essa farra.

  7. Como esse TCU está muito ativo nesse último mês para cá… qual será o motivo de tanta agitação assim? Parabéns, espero que estejam fazendo algo que preste, se isso for possível.

  8. Putz! Como lembrou no texto a autora: “o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa disse que via o TCU como um playground de políticos fracassados. “É um órgão com as virtudes extirpadas”, observou. “Afinal, é um playground de políticos fracassados que, sem perspectiva em se eleger, querem uma boquinha.” ”

    Não poderia ter sido mais objetivo e verdadeiro e viva a farra dos malandros!!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.