Um senador custa caro. Um Davi Alcolumbre custa muito mais

O presidente do Senado gasta cerca de R$ 8,2 milhões por ano. São R$ 22,4 mil por dia
-Publicidade-
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre | Foto: Pedro França/Agência Senado

A eleição para o comando do Senado Federal ainda está longe. Mas a disputa já começou. Seu atual presidente, Davi Alcolumbre (DEM-AP), articula-se nos bastidores para garantir a permanência no cargo. Além das vantagens políticas, como ser o terceiro na linha sucessória do Palácio do Planalto e comandar a agenda da Casa, a posição confere mais benefícios que os de um senador comum — que, por sinal, já são muitos.

Gabinete especial

Localizado numa área privilegiada do Congresso Nacional, o gabinete do presidente do Senado tem 622,8 metros quadrados e é composto por sala do presidente, sala cerimonial, sala de audiência, salas de secretárias e assessorias (um gabinete padrão de um senador tem cerca de 100 metros quadrados).

-Publicidade-

Quer saber quanto custa um presidente da Câmara? Leia sobre os gastos de Rodrigo Maia

Diferente do que acontece com deputados federais, um senador não tem uma quantidade limite de assessores. Contudo, um levantamento de 2019 do Ranking dos Políticos mostrou que um parlamentar escolhe, em média, 34 funcionários — todos comissionados. No ano passado, conforme o estudo, Davi Alcolumbre tinha 38 a um custo de R$ 391.348,50 por mês (média salarial de R$ 10.298,64). Ou R$ 4.696.182,00 por ano.

Outras mordomias

Localizada no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, a mansão do presidente do Senado tem 450 metros quadrados, quatro quartos, três salas, biblioteca, jardim, escritório, sala de jantar e piscina. Atualmente, trabalham na casa 13 funcionários:

  • 3 cozinheiras, que recebem R$ 2.616,49, cada. Juntas, custam R$ 94.193,64 por ano;
  • 3 auxiliares de serviços gerais. Cada um recebe, por mês, R$ 2.069,52. Reunidos, custam R$ 74.502,72 por ano;
  • 3 arrumadeiras ganham R$ 2.180,41, cada. O trio tem um custo anual de R$ 78.494,76;
  • 3 lavadeiras/passadeiras, cujo salário também é R$ 2.180,41, cada. Portanto, um custo anual de R$ 78.494,76;
  • 1 ajudante de cozinha, a um custo de R$ 2.180,41 mensais. Logo, R$ 26.164,92.

Por ano, são R$ 351.850,80 só para manter esses funcionários, todos bancados pelos cofres públicos.

e o presidente
Residência oficial do presidente do Senado | Foto: DIVULGAÇÃO/AGÊNCIA SENADO

Terra e ar

Por algum motivo ainda não explicado, Alcolumbre, embora seja um só, tem direito a três automóveis (um Sentra 2017, assim como os demais senadores, e dois Hyundai Azera 3.0, por ser presidente da Casa).

Cada um dos três automóveis andou 63 quilômetros por dia em 2019 e consumiram R$ 12,6 mil de combustível. Um Azera do modelo de Alcolumbre custa R$ 109.920,00, enquanto um Sentra sai por R$ 93 mil.

Somados combustível, manutenção, peças etc, os carros oficiais custam em média R$ 6,5 milhões por ano. Isso equivale a R$ 80.246,91 para cada um dos 81 senadores.

Assim como o presidente da Câmara, o do Senado também pode se deslocar em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). As aeronaves só podem ser utilizados se as viagens atenderem os seguintes requisitos: motivo de segurança, emergência médica e viagens a serviço.

Em fevereiro deste ano, entretanto, Alcolumbre fez uso do serviço em um bate-e-volta a Macapá, seu reduto eleitoral.

Se tivesse optado por um voo comercial, como fazem os demais brasileiros, as passagens de ida e volta custariam entre R$ 840,00 e R$ 2.450,00. A FAB não divulga os custos dessas viagem por classificá-las como “sigilosas”.

Em 2019, segundo um levantamento da Gazeta do Povo, Alcolumbre gastou R$ 840 mil em diárias e passagens aéreas para ele e assessores.

Transparência e fiscalização

A falta de transparência sobre vários gastos, principalmente no Senado, é um problema destacado por Manoel Galdino, diretor da organização não governamental Transparência Brasil. Segundo ele, os parlamentares precisam ter uma estrutura, ao mesmo tempo que são necessários limites que freiem abusos.

“Falta um regramento proporcional ao trabalho desempenhado pelo legislador”, pontua Galdino, ao mencionar que há parlamentares que passam boa parte do mandato na Casa sem apresentar projetos e estão sendo pagos pelo contribuinte. “A ausência de controle e fiscalização nos gastos também são grandes problemas”, observa. “Há senadores que abastecem os carros em postos que pertencem a laranjas, por exemplo”.

O gasto anual com um senador gira em torno de R$ 7 milhões por ano. Os gastos com o presidente da Casa, contudo, podem chegar a R$ 8,2 milhões. São R$ 22,4 mil por dia. Ou mais de R$ 936,00 por hora.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

25 comentários Ver comentários

  1. Quantos votos são necessários para se eleger senador por São Paulo, Rio, Minas, Paraná ou Bahia? E quantos votos são necessários para se eleger senador pelo Amapá? A diferênça proporcional certamente é enorme.
    Acontece que esse verme que se elegeu pelo Amapá com uma mixaria de votos tem o mesmo peso político de quem se elegeu por qualquer um dos estados acima citados. E o que é pior, pode se eleger presidente do senado.
    Uma reforma política no Brasil é hoje mais importante que qualquer outra. Mas só há uma maneira dela acontecer. Fechando o ninho de ratos. Ou alguém em sã consciência acha que as ratazanas irão aprovar mudanças que as prejudiquem?

  2. Agora entendo o desespero de continuar na presidência do senado,custa mais cado do que a Rainha da Inglaterra.
    E um desrespeito incrível com o dinheiro dos outros!

  3. Isto é um estelionato, usar dinheiro do povo, a maioria vá miséria, para uma ostentação desta, é similar a um crime contra a humanidade, isto tem que acabar, tem que ACABAR, o brasileiro não pode aceitar mais isto, tem que fazer o que for necessário, doa a quem doer, e estes que aí estão, deverão responder seus processos sem foro privilegiado.

  4. Dizem que o BATORÉ fica possesso com esse apelido. Mas não se preocupa com os adjetivos que o acompanham.
    Alô, Batoré. Você é corrupto. Alô, Batoré, você é canalha. Alô, Batoré. Você é safado. Alô, Batoré. Você é calhorda. Alô, Batoré. Você é velhaco. Alô, Batoré. Você é um pulha.

  5. Boa tarde senhores,acho muito difícil ler a revista oeste,vcs deveriam fazer como Crusoe um artigo atrás do outro ,não seri nacessario acabar de ler um e ter que procurar outro,grata

  6. Prezados: esse quadro nunca irá mudar.Não é aconselhável nem razoável nutrir qualquer esperança de mudança.Minha netinha de apenas dez anos escreveu à pedido da professora uma redação sobre O Congresso Nacional após fazer uma visita ao Congresso e ter uma explanação da professora sobre políticos. Ela escreveu: “Os políticos são nada.O Congresso é nada.Nós não somos nada para eles”.
    É isso! Meu desejo é que ela estude bastante para poder em breve -sem ajuda do governo- ir embora para o Canadá , ou para França, como ela própria deseja.

  7. Um absurdo até quando veremos esse tipo de exploração do dinheiro público. Um valor desse poderia ser investido em educação, saúde que a população tanto necessita.
    Creio que as visões do povo está mudando uma vez que as redes sociais estão nos levando às reflexões sobre algo tão ultrajante.

  8. O que mais me irrita é que esses usufruidores das sinecuras do Estado não sentem um pingo de vergonha na cara. A classe política é, sem dúvida alguma, a causa número um do atraso do Brasil.

  9. JÁ COMENTEI ANTES,ISSO TUDO É POR CULPA DO TRE, NUNCA VÍ JORNALISTA, AUTORIDADES CRITICAR OS METODOS . POR EXEMPLO: TIRIRICA ERA (SEMPRE FOI) ANALFABETO , MAS A SUA CANDIDATURA APROVADA PELO TRE EM TEMPO RECORDE( UMA SEMANA FALAVA E ESCREVIA EM 05 IDIOMAS) E JUNTO COM OS VOTOS LEVOU DE ROLDAO: COSTA NETO, GENUINO E MAIS TREIS),É OU NÃO É RESPONSAVEL PELOS POLITICOS QUE NOS COMANDAM?, NAO TEM QUE TER FICHA LIMPA”, SEM DIVIDAS COM SOCIEDADE?. TAÍ A PROVA DO ABUSO DOS POLITICOS SEM FREIOS.

    1. A República veio para acabar com a monarquia, mas se analisarmos veremos que não acabou,só mudaram o nome do regime. Temos diversos tipos de palácios e de mandatários que desfrutam das mesmas benesses que os barões, marqueses. Duques, príncipes e por aí vai.E como no sistema monárquico o povo, como sempre é quem paga a conta.

  10. É um ESCÂNDALO!!!!! Enquanto a maioria é pobre e s/saúde,educação e segurança,esses políticos e o judiciário só pensam neles. Vergonha

  11. Esses privilégios são estarrecedores. O que passa na cabeça desses políticos? Será que eles não tem o senso de proporção dessa verdadeira orgia com o dinheiro do contribuinte? Pobre povo brasileiro. Pobre Brasil.

  12. Até quando a sociedade terá que arcar com esses gastos abusivos decorrentes de privilégios e não prerrogativas, que mancham o Parlamento ? Já passou o tempo de se reformar o Congresso em busca de uma adequação real à sociedade e em consonância com a realidade dos trabalhadores do país. Os parlamentares são servidores da Nação e como tal devem ser tratados de maneira semelhante aos demais servidores.

    1. Não há outra alternativa senão votar em candidatos comprometidos com as mudanças que a sociedade almeja, e, quando eleitos, que sejam contados pelas promessas, sob pena de não serem reeleitos. Outra hipótese, seria através da ruptura institucional, o que entendo não conveniente.

      1. É um escárnio. O cidadão pagar tantos impostos e receber serviços públicos da pior espécie, enquanto esses vermes desfrutam de tamanha mordomia.

      2. É utopia querer que eleitos sejam honestos, um com a índole do atual presidente só aparece a cada cem anos. O ideal seria cortar essas regalias adquiridas e sem necessidade que só incentiva ao desvio de verbas públicas.

    2. Gostaria de perguntar:
      Como um pais como o nosso pode dar certo, se o único que se dá mal é o povão.
      Os privilégios não vão acabar nunca. Não existe macho para dar um jeito nisso, até porque que poderia fazê-lo come no mesmo prato

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.