Luiz Inácio Lula da Silva | Foto: Hélvio Romero/Estadão Conteúdo
Luiz Inácio Lula da Silva | Foto: Hélvio Romero/Estadão Conteúdo

Os limites da ingenuidade

O que vamos decidir em outubro é se valorizamos de fato nossa liberdade ou se aceitamos ser escravizados por uma ideologia que só produz igualdade na miséria

Em 13 anos, eles devastaram a economia, a política e a ética. Agora, querem voltar, e seu patético pré-candidato à Presidência — sempre rodeado por um séquito de pajens — vem revelando o que pretende fazer caso retorne ao poder. Se você ainda não prestou atenção em seu lero-lero, é bom ficar esperto, porque são declarações de intenções — recorrentes e explícitas — de que, em nome de sua democracia popular de mão única, completará o serviço sujo que foi interrompido em 2016 e lançará o Brasil em uma aventura socialista. Tratam o país apenas como mais um membro da “Pátria Grande” que povoa seus anseios utópicos, uma fantasia que até hoje só produziu fome, miséria, escassez e escravidão no mundo, mas que mesmo assim insistem em replicar, a exemplo do que alguns países vizinhos vêm fazendo.

Para quem sabe ler e ouvir, as intenções que vêm anunciando são claríssimas — fora as que ainda vão divulgar, ou que simplesmente podem vir — e configuram rejeição de qualquer respeito às liberdades individuais. Se o leitor desconfiar de exagero nessa afirmativa, basta consultar rapidamente a página do partido na internet para certificar-se de que não há dúvida.

Assemelham-se a um bando de aracangas (nome, em tupi-guarani, dado às araras-vermelhas-grandes), aquelas aves barulhentas que emitem grasnados que lembram vagamente gritos humanos; em especial, seu chefe — resgatado da gaiola por estranhas manobras políticas travestidas de jurídicas — possui um aparelho fonador que reproduz jorros sucessivos de mentiras e ameaças.

Até recentemente, as aves encarnadas vinham despejando suas ideias bizarras uma a uma, assim como quem não quer nada. Entretanto, sob o efeito estimulante das eleições, as criaturas deixaram de lado a vergonha e passaram a exibir sua meta: implantar aqui o socialismo do século 21. Recentemente, divulgaram um documento interno, ainda não oficial, um monstrengo ao mesmo tempo ridículo e assustador, intitulado “plano de quarentena fiscal”, elaborado pela cúpula e pelos economistas do partido, a maioria deles oriunda da Unicamp.

Eis um resumo das intenções declaradas no tal plano: (1) revogação “temporária” do teto de gastos; (2) decretação de “estado de emergência”, para liberar orçamentos da exigência de licitações; (3) recuperação da “capacidade de investimento” do BNDES, do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal e de empresas estatais; (4) criação de um “imposto emergencial sobre grandes fortunas, lucros e dividendos”; (5) ampliação do programa Bolsa Família; (6) retomada imediata do programa “mais médicos”, (7) novos concursos públicos para “recompor” o quadro de servidores federais.

Além dessas ameaças, há outras: revogação da reforma trabalhista e da autonomia do Banco Central; reestatização de empresas privatizadas; extinção do programa de desestatização; censura da internet e da mídia em geral; tentativa de cooptação das Forças Armadas, a exemplo do que foi feito na Venezuela; e retorno à política externa de alianças com ditaduras de esquerda na América Latina e no resto do mundo. Haja estômago.

Chega a ser espantoso que certos ditos liberais sinalizem a possibilidade de apoiar o candidato das aracangas

Como se todo esse retrocesso fosse pouco, para comemorar os 42 anos de sua fundação, o partido anunciou a criação de 5 mil “comitês populares de luta”. É incrível, mas é isso mesmo: a velha conversa fiada de toda a laia de ditadores. Trata-se de um longo cortejo de bizarrices, em que desfilam ignorância, arrogância, petulância e negação dos mais de cem anos de história de fome, miséria, escassez, assassinatos e apropriação das liberdades individuais, sempre em nome de “interesses populares”.

Pelo que vêm apregoando, é plausível supor que, caso voltem ao poder, vão acelerar sua conhecida agenda: entabocar a ideologia de gênero goela abaixo da população; acirrar o racismo fantasiado de “resgate histórico”; intensificar o feminismo radical; abolir a história e as tradições da nossa nação; radicalizar o politicamente correto; impor o uso da linguagem neutra; abolir a economia de mercado; e ressuscitar as práticas sindicalistas de um passado.

A esta altura do campeonato, chega a ser espantoso que certos ditos liberais e conservadores sinalizem a possibilidade de apoiar o candidato das aracangas. Não é difícil detectar os dois principais motivos dessa estranha condescendência: o ódio irracional ao presidente Bolsonaro, que os leva a procurar uma “terceira via” tão improvável quanto retrógrada, e a necessidade de recuperar algumas “boquinhas” perdidas com a política econômica liberal do governo.

Por quais motivos, senhores, a carta mensal de uma gestora de fundos de investimento faria uma comparação completamente estapafúrdia em que afirma não haver distinção quanto aos resultados da política econômica dos governos de Bolsonaro e o de Dilma Rousseff? E por quais razões o relatório de um banco suíço asseguraria que existe um “consenso” de que, se Lula for eleito, ele aprovará as reformas, avançará no processo de consolidação fiscal e não governará com medidas populistas?

Como a ingenuidade tem limites, a única explicação possível remete à baixa política. É evidente que todos têm o direito de não gostar do presidente e de buscar outros nomes, porém, devem assumir o dever de respeitar a verdade factual. Equiparar o governo atual aos do PT é como chamar Confúcio de Pafúncio.

Politicamente, o governo atual — que as línguas mal-intencionadas acusam de pretender dar um “golpe” — é diametralmente oposto aos anteriores, aqueles sim amantes de várias ditaduras espalhadas pelo mundo. Resumindo, temos um governo de direita, conservador e que defende o livre mercado, a equipe econômica é a mais liberal e, provavelmente, a mais bem preparada tecnicamente da nossa história e propôs todas as reformas estruturais necessárias.

Por fim, do ponto de vista ético, é uma enorme agressão à inteligência alheia fazer qualquer comparação com o governo atual, que até hoje não teve atestado um caso sequer de corrupção. Além disso, são absolutamente diferentes as pautas sobre costumes, família, religião, cultura, comportamento e muitas outras.

Por tudo isso, é necessário enfatizar que, no final deste ano, a escolha não será só entre dois candidatos, um de “direita” e outro de “esquerda”, um “conservador” e outro “progressista”, o buraco é muito mais embaixo. O que vamos decidir em outubro deste ano é se valorizamos de fato nossa liberdade ou se aceitamos ser escravizados por uma ideologia que só produz igualdade na miséria.


Ubiratan Jorge Iorio é economista, professor e escritor. Instagram: @ubiratanjorgeiorio

Leia também “O PT quer censurar a imprensa”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

26 comentários Ver comentários

  1. Venho dizendo há meses. Não podemos aceitar como normal um criminoso pretendendo nos escravizar. Medidas mais duras são necessárias. A eliminação física desse criminoso se faz necessária.

  2. Parabéns, Ubiratan! Promessas petistas não apagam o passado. E a ‘despiora’ crescente do Brasil é constatada por qualquer um, independente de discursos em qualquer direção. Queremos a volta da roubalheira desenfrada ou reconduzir o governo que enfrentou o vírus chinês de maneira invejável no mundo, apesar dos esforços incessantes dos sabotadores? Enquanto uns prometem o paraíso na terra em troca de voto, outros melhoram as condições da população e do país, pedindo em troca apenas bom senso. Atenção redobrada, que a sabotagem vai se intensificar.

  3. Não existe quaisquer chances de uma terceira via.
    Jair Bolsonaro é o único homem capaz de nos manter livres do pesadelo petista.
    Meu voto nele não é só por isso; é por agradecimento,e confiança.
    Estou com ele até o fim!

    1. Análise perfeita e assustadora! Se esse povo preguiçoso, ignorante e desonesto eleger o presidiário, pobre Brasil, pobre de nós!

  4. Impossível pensar em outra alternativa além de bolsosaro. Quem pensa assim é um deficiente mental. E pra essa corja que governou há 16 anos, só tem uma alternativa, o quinto dos infernos

  5. Enquanto houver essa facção criminosa chamada PT com seu líder de seita como candidato, não há a menor chance de aparecer uma terceira via, pois apesar das pesquisas tentarem manipular, a rejeição a esse bandido é muito alta e grande parte da população vai preferir votar no governo que aí está, sem nenhuma corrupção comprovada, do que arriscar votar numa terceira via e deixar esse meliante assumir seu poder com sua quadrilha.

  6. Excelente a análise e apresentação dos fatos.
    Dia desses vi um meme que sintetiza a realidade. Dizia estar comprovado que um, entre três esquerdistas, é tão imbecil quanto os outros dois.
    O cenário atual está ficando inchado de esquerdopatas, apoiadores do luladrão.
    Que mal fizemos para merecer tão ingrata sorte?

  7. Bira, o negócio é o seguinte. Hoje, domingo, temos mais duas pedras no caminho do Lula. Além de tudo o que vc tranpirou calcada na última investida da esquerda nos berços da corrupção aparece aqui no Brasil a invasão de templos e igrejas. Depois vem a guerra do companheiro Putin escancarando o que é uma ditadura comunista. Ora, como o LULA irá se comportar com as pressões dos adversário em ter que confirmar ou negar o comunismo entre suas hostes? Negar as ideologias impregnadas de perseguição aos cristãos e aos valores democrátios-culturais será muito difícil. Acho que daqui pra frente até as pesquiss manipuladas e compradas terão que mostrar que será difícil uma vitória fácil do Lula. O paraíso não foi feito para demônios que se aliam a ditadores comunistas.
    Nem vou falar da Glaisi, PSOL, PCDB. e outros terceirizados.

  8. Ubiratan parabéns, crônica perfeita! Porque os banqueiros odeiam o Presidente Bolsonaro? Simples, com a política econômica adotada pelo Ministro Paulo Guedes, a economia brasileira, rapidamente, se tornara de primeiro mundo e é exatamente o que os banqueiros não querem, porque na atual situação econômica brasileira “economia de terceiro mundo “ os juros cobrados sobre cheque especial e cartão de crédito variam de 160% a 360% ao ano, enquanto nas economias de primeiro mundo variam de 6% a 8% ao ano. Como você disse, realmente, o buraco é bem mais em baixo.

    1. Lula não pode ser candidato; só se for candidato na porta da cadeia porque ele é um criminoso. Lula não pode ser candidato; Se Lula for candidato não pode ganhar porque cometeu crimes e se ganhar nós não podemos deixar tomar posse. Porque o lugar dele é na cadeia.

    1. Lula não pode ser candidato; só se for candidato na porta da cadeia porque ele é um criminoso. Lula não pode ser candidato; Se Lula for candidato não pode ganhar porque cometeu crimes e se ganhar nós não podemos deixar tomar posse. Porque o lugar dele é na cadeia.

  9. Com tristeza constato que muitos brasileiros querem viver como parasitas e para isso abrem mão até da liberdade. Não querem ter a responsabilidade de sair de casa todo dia para ganhar o pão dignamente, querem viver de benesses governamentais e para isso de utilizam de um arsenal de truques estimulados pela esquerda.Hoje tenho a certeza, no obstante a boa intenção dos programas sociais, transformam brasileiros em preguiçosos. Programas sociais devem funcionar com complemento de renda, sendo a contrapartida o esforço pessoal e o trabalho.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.