O Timão da Toga resolveu erradicar a mentira

O Pretório Excelso aproveita o confinamento para perder tempo com miudezas e maluquices

Em 19 de novembro de 1945, duas semanas antes da escolha nas urnas do novo presidente da República, o brigadeiro Eduardo Gomes estava tão confiante na vitória sobre o general Eurico Dutra que resolveu dispensar o voto de uma fatia da população. “Não preciso dessa malta de desocupados que apoiam o ditador para eleger-me”, disse o candidato da UDN ao discursar no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

O “ditador” era Getúlio Vargas, que chefiava o Estado Novo ao ser deposto em 29 de outubro. E o orador provavelmente usou a palavra “malta” como sinônimo de “bando, corja, súcia”. Mas o deputado Hugo Borghi descobriu numa consulta ao dicionário que “malta” tem outros significados, e que um deles é “turma de trabalhadores que se deslocam comendo em marmitas”. Imediatamente, Borghi mobilizou a cadeia de emissoras de rádio que controlava para convencer os ouvintes de que o Brigadeiro desprezava o voto dos pobres em geral — e dos “marmiteiros” em particular. Em 2 de dezembro, Dutra foi eleito com 3,2 milhões de votos, quase 1,2 milhão à frente de Eduardo Gomes.

Se naquele Brasil existisse um Supremo Tribunal Federal semelhante ao atual Timão da Toga, o resultado da eleição presidencial que ressuscitou a democracia ainda estaria sub judice, à espera da conclusão de processos, inquéritos e CPIs concebidos para saber-se o que é exatamente uma fake news — codinome inglês adotado pela velha mentira para circular mais à vontade na internet — e o que deve ser feito para neutralizar invencionices que deformam disputas nas urnas, tiram o sono de ministros do STF ou prejudicam a imagem dos políticos.

Deputados e senadores mentem mais do que respiram, mas instalaram uma CPMI para saber quem andou espalhando fake news

Um Dias Toffoli modelo 1945, por exemplo, estaria fazendo o centésimo pedido de vista, desta vez para descobrir se, ao traduzir livremente o que Eduardo Gomes tinha na cabeça ao pronunciar a palavra “malta”, Borghi mentiu deliberadamente ou apenas cometeu um erro de interpretação. Uma versão anos 40 de Alexandre de Moraes continuaria promovendo dúzias de batidas policiais para decifrar dois mistérios. Primeiro: quantos eleitores mudaram de ideia para solidarizar-se com os marmiteiros insultados? Segundo: foi para desforrar-se da discurseira no Teatro Municipal que Getúlio Vargas, deposto em 29 de outubro, anunciou seu apoio a Dutra no finzinho de novembro? Para sorte dos nossos avós, sobrou para os seus netos o papel de plateia do espetáculo da conversa fiada encenado há quase um ano.

A história da mentira no Brasil começou com a chegada das primeiras caravelas. O comandante fez de conta que topara por acaso com as terras que fora incumbido de encontrar. Tripulantes tapearam nativos com bugigangas sem valia, e foram tapeados ao trocá-las com aves que se multiplicavam por todas as matas. Degredados descobriram que bastava o acesso às vergonhas da filha do cacique para a consumação do golpe do baú que, além de riqueza e poder, eternizaria o nome do sedutor em placas colocadas nas esquinas do Brasil que existiria séculos mais tarde. Morei algum tempo na Rua João Ramalho existente em São Paulo, sem saber que esse foi o codinome do aventureiro português João Maldonado, como informa a certidão de batismo. É provável que Bartira, a filha do cacique Tibiriçá que se casou com João, tenha morrido sem saber o verdadeiro sobrenome do marido.

Um dos primeiros chefes políticos do país ainda em gestação, João Ramalho é o patriarca da linhagem que hoje povoa Brasília. Deputados e senadores mentem mais do que respiram, mas instalaram uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito para saber quem andou espalhando fake news na campanha eleitoral de 2018, se essas falsidades adulteraram o resultado do pleito e o que fazer para surpreender o planeta com a façanha assombrosa: erradicar a mentira num famoso viveiro de mentirosos. A CPMI agrupa devotos da seita que enxerga em Lula um ex-preso político, gente que jura que o Centrão só se angustia com os problemas nacionais, democratas de nascença que morrem de amores por ditadores caribenhos ou venezuelanos, pais da Pátria que veem em Sergio Moro um agente da CIA e em Rodrigo Maia um estadista. Não é pouca coisa. Mas não é tudo.

Confrontado com a  inventividade dos juízes do STF, Kafka descobriria que seus personagens foram atormentados por amadores

A suspensão temporária dos trabalhos da CPMI que dará em nada concentrou os holofotes no Supremo, que nesta quinta-feira começou a decidir se o inquérito irregular e inconstitucional sobre fake news parido nas catacumbas do Pretório Excelso pode ser considerado regular e constitucional. Até os bedéis das faculdades de Direito sabem que não. O ministro Edson Fachin, relator do caso, achou que sim. Primeiro a manifestar-se, ele não viu nada de mais no aleijão concebido no dia em que Dias Toffoli acordou invocado com críticas à instituição que preside, resolveu identificar e punir os autores das inverdades insultuosas e chamou para ajudá-lo o colega Alexandre de Moraes. Ex-secretário de Segurança do governo paulista, Moraes gostou da ideia de acumular as atribuições de detetive, delegado, promotor e juiz num inquérito que avança em segredo, não revela quais são os crimes que apura nem divulga os nomes dos suspeitos. Que Kafka, que nada. Se fosse confrontado com a  inventividade dos juízes do STF, o ficcionista tcheco descobriria que seus personagens foram atormentados por amadores.

Em juridiquês arcaico, Fachin propôs que só fake news que agridem a imagem do Supremo sejam incluídas no inquérito que vem ganhando abrangência e ameaça transformar qualquer tipo de mentira em crime capitulado no Código Penal. Falta explicar como deve ser tratado quem divulga verdades que deixam mal no retrato as onze excelências. Será permitido, por exemplo, espalhar pelas redes sociais que os ministros não investiram um único tostão dos seus obesos salários no combate à pandemia de coronavírus? Ou lembrar que, embora estejam em confinamento, os ministros mantiveram intacta a verba desperdiçada num menu de gastrônomo perdulário? Ou, ainda, constatar que o tempo desperdiçado com miudezas deveria ser usado para acelerar o julgamento e a condenação dos quadrilheiros desmascarados pela Operação Lava Jato?

Aqui entre nós: se um ministro diz que a divulgação de inverdades pela internet é o principal problema da nação, das duas, uma. Ou está mentindo ou é demente. Mas não espalhe: para os superjuízes brasileiros, merece cadeia quem vê as coisas como as coisas são e conta o caso como o caso foi.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

50 comentários

      1. Ainda bem que temos ainda uma imprensa sadia. Ainda bem que ainda temos mentes lucidas a nos fornecer textos como este.

      2. Esse texto deveria ser impresso e distribuído em todo Brasil , muitos não o entenderiam, mas valeria a pena, pois o presente não deixa de ser a repetição do passado. Quando e se , isso mudaria ?

  1. Quem bom termos a revista OESTE!
    Só falta a turma do STF partir pra cima com a acusação de FAKE NEWS.
    O STF verdadeiramente nos envergonha e eles sabem disso.

    1. Graças a Deus que temos jornalistas do naipe de um Augusto Nunes. Sempre muito lúcido, coloca o dedo na ferida, demonstrando cabalmente que temos um Supremo aparelhado ideologicamente e que cuida principalmente de proteger corruptos de estimação. Não se descuida nunca dos seus inconfessáveis interesses pessoais

      1. O supremo tornou se um partido político !
        Aonde podem proteger amigos íntimos ligados à interesses escusos no estado do Rio de Janeiro
        Ou
        fazer uma devassa na casa de empresários idôneos em Santa Catarina!
        Esse realmente é um show de horrores !

        E tudo patrocinado pelo cidadão brasileiro com salários astronômicos !
        Quando o Sr Abraão W. ministro da educação se referiu a
        Brasília como um caldeirão de corrupção estava ele certo ou errado ?
        Cada um que tire a sua conclusão !
        Esse é o nosso triste Brasil!
        Será que tem concerto ?
        Eu honestamente tenho minhas dúvidas !

  2. Que satisfação poder desfrutar da leitura dos artigos de Augusto Nunes! Parabéns!
    Como sempre, excelente! Detalha magistralmente o absurdo jurídico que estamos presenciando e sem que nenhum desses auto intitulados “democrata” se repugne com a ditadura do judiciário!!

  3. Augusto Nunes mais uma vez nos lembra que no Brasil tudo se esquece em 15 dias – conforme o General Golbery do Couto e Silva reconheceu em memorável e rara entrevista nos anos 70.
    Nosso país agora se encaminha para um novo patamar, muito acima de Kafka: Essa semana o STF tomou a decisão mais desarvorada e desencontrada da história do Brasil, desde a semana passada.
    Semana que vem tem mais.

  4. Fico imaginando os próprios ministros do STF lendo esse artigo. Como podem se olhar no espelho depois. Parabéns novamente AUGUSTO NUNES!!!

  5. Boa anoite a quem nos acompanha… Aí, um ministro disse que o mais importante na área pública, principalmente no setor presidencial, é a transparência… Mas tem muita coisa escondida no STF, inclusive processos que pouquíssimas pessoas sabe que estão lá.

  6. A atual situação do “inquérito do século” revela com clareza a fonte de onde veio a ideia dele: são dois os trapalhões que o deram à luz. Tofoli foi reprovado perante as bancas examinadoras que enfrentou e o malsinado Careca que foi advogado de “tribos criminosas=PCC. Que poderia sair de cérebros desse tipo? So o corporativismo que caracteriza os “capinhas pretas” sustenta a bruxaria insepulta e que esta fedendo ha alguns meses. “Quosque tanden Catilina…

  7. A revista que têm em seu staf de jornalistas como meu quase conterrâneo de cidades vizinhas, sou nascido em Jaboticabal e conheço muito Taquaritinga, mestre Augusto Nunes e o fiel e sempre bom e tb ótimo jornalista Guilherme Fiuza os quais acompanho há muitos anos não tive dúvidas, assinei com os olhos vedados pois era muito bom investimento que estava fazendo. Mestre Augusto e dileto amigo Guilherme vida longa a vcs e espero ótimas reportagens suas.Muito obrigado por vcs existirem.

  8. Excelente!
    Mas como esquecer que que incensou o inquérito escabroso do stf foi a divulgação da história do “amigo do amigo do meu pai”, que estava nos autos de um processo que se tornou público, mas eles não gostaram, e CENSURARAM a revista que divulgou.
    Quem precisa desse stf?
    #STFVergonhaNacional

  9. Tendo em vista tantos absurdos protagonizados por essa verdadeira gangue que ocupa a nossa “suprema corte”, achei por bem modificar e sugerir a forma com que o povo brasileiro que tem vergonha na cara deve se referir a esses indivíduos: ao invés de MERETÍSSIMOS , que tal CANALHÍSSIMOS?

  10. Brilhante, Augusto! Concordo 100% com sua análise. Realmente é difícil , ou melhor, é impossível entender o nosso STF. E essa de quinta-feira, então? Um grupo foi homenagear a nobre instituição com uma salva de fogos de artifício e eles interpretam como ofensa? Apesar de ridícula, foi uma homenagem! Ou será que só estavam calibrando a mira para o lançamento de pétalas de rosas?

  11. Abandonei os noticiários de TV. Chega das mentiras da GLOBOESGOTO, BANDLIXO, CNN/Mxxxx, (IN)CULTURA, etc.
    Cancelei minha assinatura de 26 anos da Gazeta do Povo, e vou cancelar a da Crusoé quando vencer, pois já nem a acesso.
    Enojo-me só de ouvir falar em Veja (cancelei assinatura de 30 anos), Isto É, Folha, Estadão, Globo, Piauí, Carta Capital, etc, etc.
    TODOS MEMBROS DA IMPRENSA MAIS SÓRDIDA DO MUNDO DEMOCRÁTICO!!!
    Devidamente apoiada e protegida pelo grupelho dos 11 do esseteefinho.
    Sobrou o quê?
    *REVISTA OESTE!!!*

  12. STF, decepção nacional, perdeu totalmente o respeito. Ou seus ministros agem ofendendo até o senso comum, ou omitem-se ignominiosamente. E ninguém seja inocente de achar que as teratologias perpetradas contra a Constituição decorram de mera ignorância jurídica. A propósito, por onde andam os inquéritos em face de Renan Calheiros, em que gaveta eles foram embuçados?? Renan, aliás, que pode – ele, siiiim – deixar de cumprir ordem de afastamento da Presidência do Senado, dizem as más línguas que aconselhado por um dos deusinhos do olimpo. E o Senado, onde está que não age para processar os pedidos de impeachment, e a CPI da Toga? Rebotalhos morais…

  13. O STF aprovou a soltura de 32 mil presos por conta do vírus chinês. Todos sabem que neste país só vai para a cadeia assassinos, estupradores, traficantes de drogas e similares (ao menos até o STF recentemente ter inventado de criminalizar quem não comunga de sua ideologia), e como era de se esperar muitos destes já cometeram estupros assassinatos. O STF foi o facilitador destes crimes e deveria pagar por eles.

    1. Muitos dizem que Augusto Nunes mais uma vez se superou. Impossível! Augusto Nunes está no Olimpo, alcançou a perfeição há muito. Quem atinge o status de perfeição rematada e acabada, como ele, vira oráculo, ou seja, aponta o óbvio que está obscurecido e é de difícil ou impossível compreensão, ou seja, esclarece o que estava oculto mas não devia estar. Grande Augusto. Sensacional

  14. Quando vejo e ouço, qualquer coisa partindo desses caras, comparo logo com time de futebol, sendo de expressão ou de categorias inferiores. Quando a qualidade dos jogadores é boa, inteligentes e focados, se formam grandes times, com bom esquema tático e entrosamento perfeito. Da gosto de ver.
    Os atuais componentes (jogadores) do supremo são de baixa qualidade, estão focado somente em vaidades e interesses próprios ou dos amigos e correligionários. Com argumentos medíocres para defender suas posições. Com essa turma que está nunca se formará um grande time. Vai cair para segunda, terceira ou quarta divisão. Pobre Brasil.

  15. Augusto Nunes. Uma das melhores cabeças do setor jornalístico, ao lado do Fiúza e do Coppola’s.
    Sempre com analogias pertinentes. Parabéns

  16. Mais uma vez o stf está querendo fazer um malabarismo jurídico para atingir e tentar achar algo para derrubar nosso Presidente, que foi eleito democraticamente. Esse mesmo malabarismo já foi feito para soltar o Lula e todos os corruptos sentenciados, deixando elegível a Dilma, e muitos outros que agora não me recordo.

  17. Parabéns Augusto, calibrar essa ironia fina com a crítica aguda a essa cambada de excelsos desequilibrados e sem votos não é fácil! Ainda com classe. Ótimo.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro