O fator Nordeste nas eleições de 2022

O pragmatismo político da região muda o jogo de forças, enquanto o governo federal prepara um megaprograma para transformar o semiárido

O nordestino é um lutador, um pragmático e um ser político por natureza. Na região, mesmo em lugares de difícil acesso, onde o Estado teima em não se fazer presente, o povo sabe interpretar e entender as ondas, as tendências e, provavelmente como nenhuma outra população no país, vislumbra no pragmatismo político uma resposta coerente à sobrevivência. Aproximar-se do poder central é, muitas vezes, garantia de recursos e investimentos.

Por mais que a esquerda ainda teime em afirmar que o Nordeste veste vermelho, essa premissa não é uma verdade absoluta. Muito pelo contrário. O nordestino é hábil no jogo político e movimenta-se de acordo com suas necessidades e conveniências conjunturais. A eleição de nomes como José Sarney, Roseana Sarney e Antônio Carlos Magalhães, protagonistas de partidos como Arena e PFL, comprova essa característica.

Agora, a pandemia do coronavírus intensifica na região uma tendência iniciada depois da posse de Jair Bolsonaro. Uma espécie de “direitização” tem potencial de impactar decisivamente o cenário político presidencial para 2022. O governo federal sabe disso, bem como alguns notáveis coronéis políticos, que, com discrição, articulam alianças com o Planalto, sobretudo após a “licença” concedida pelo Centrão.

Eleitorado conservador na região aprova as falas da ministra Damares Alves

O eleitor nordestino constatou que eram fake news as histórias propagadas na região segundo as quais Jair Bolsonaro, se eleito, trabalharia pela extinção do Bolsa Família. O programa não apenas continuou como ganhou uma 13ª parcela, equivalente ao 13º salário. No caso do abono emergencial, R$ 27,4 bilhões foram pagos a beneficiários nordestinos. O eleitor vê também as promessas de expansão do saneamento básico serem sistematicamente adiadas — no Nordeste, 39% da população tem acesso a esgoto tratado, ante 68,7% no Sudeste; enquanto as empresas estaduais da região querem manter o monopólio, o governo federal tenta aprovar no Congresso um novo marco do saneamento, que permitirá a ampliação dos investimentos da iniciativa privada.

Há que considerar, ainda, o caráter conservador de parte expressiva do eleitorado local. Quando a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, dá entrevistas em programas populares de TV sobre a campanha Tudo Tem Seu Tempo, que estimula adolescentes a não iniciar precocemente a vida sexual, as buscas na internet sobre medidas para evitar a gravidez na adolescência aumentam nos Estados nordestinos em até 70%. É um sinal de que as falas da ministra estão reverberando entre a população.

Pesquisas de opinião já dão conta do fenômeno. De acordo com levantamento da XP Investimentos divulgado em 12 de junho, o governo Bolsonaro foi avaliado como ótimo ou bom por 22% dos entrevistados nordestinos. Observado de forma isolada, o número pode não parecer positivo. Entretanto, o porcentual de aprovação ótima ou boa na região atingiu o piso histórico de 15% em 30 de abril, após o impacto da saída do ex-ministro da Justiça Sergio Moro. Uma recuperação de 7 pontos porcentuais em menos de dois meses não é desprezível.

Na internet, identificam-se sinais igualmente positivos. Nos últimos 90 dias, mesmo com a crise do coronavírus e tendo sua imagem bombardeada dia e noite nos telejornais, Bolsonaro manteve um nível de interesse em buscas do Google no Nordeste na casa dos 77,4 pontos de um máximo de 100 — interesse elevado, que indica alta popularidade, acima de potenciais adversários na região, como Ciro Gomes (63,4) e Flávio Dino (13,8).

O Centrão tem importante papel na articulação de apoios de líderes políticos na região

Boa parte dos líderes locais monitora atentamente esses sinais e calibra a aproximação com o Planalto. É o que têm feito, por exemplo, os governadores de Alagoas, Renan Filho (MDB), e do Ceará, Camilo Santana. Santana, apesar de petista, age nos bastidores com extremo pragmatismo. Em algumas sub-regiões importantes, como a Zona da Mata pernambucana e o centro-norte baiano, coronéis políticos têm migrado para a direita.

O efeito Centrão também não é desprezível. Alguns dos principais nomes do bloco são nordestinos: o paraibano Wellington Roberto, deputado pelo PL; o deputado alagoano Arthur Lira (Progressistas); e o senador Ciro Nogueira (Progressistas), do Piauí. Além disso, integrantes de destaque do governo são da região, como o líder no Senado, Fernando Coelho (MDB-PE). A aproximação de caciques como esses com o presidente Jair Bolsonaro traz de volta à cena política o clássico jogo do “ganha, ganha”. Bolsonaro ganha apoio; os membros do Centrão ganham em expressão e influência na Esplanada dos Ministérios, a ponto de sugerir obras e ações justamente em favor da região onde a popularidade do presidente registra tendência de alta.

Na campanha para as eleições municipais de 2020, os comandantes do Centrão querem que o presidente Bolsonaro viaje pelo Nordeste para atuar como cabo eleitoral de seus candidatos e reforçar o discurso conservador.

Embora haja características comuns a todos os Estados da região — forte atuação de caciques políticos, dependência de programas sociais, níveis elevados de pobreza —, há que considerar determinadas peculiaridades. O Nordeste não é um bloco monolítico. De modo que, obviamente, não se espera adesão integral ao governo Bolsonaro. Ciro Gomes (PDT-CE) tem seu capital político e é candidatíssimo em 2022. Flávio Dino (PCdoB), governador do Maranhão, busca projetar-se como nome alternativo da esquerda. E o governador baiano Rui Costa, petista extremado, é aliado incondicional de Jacques Wagner.

Os opositores de Bolsonaro terão dificuldade de botar na conta do governo federal as mortes por covid-19 na região. Como se sabe, por determinação do Supremo Tribunal Federal, coube à União repassar os recursos, e aos governos estaduais e às prefeituras, a gestão do dinheiro e o estabelecimento de políticas públicas. Os governadores também precisarão esclarecer os gastos excessivos com despesas sem licitação. Embora amparados na lei de calamidade pública, numerosos contratos apresentam irregularidades.

Leia a reportagem “O ataque do Covidão”

Um megaprograma com potencial de integrar o semiárido ao circuito do agronegócio

O Planalto identifica a oportunidade para ter uma presença mais marcante na região. “O Nordeste é a pauta mais urgente e fundamental, mais até do que a Amazônia”, diz o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Augusto Heleno. “O Nordeste pode mudar o panorama do Brasil.”

Em razão dos desvios colossais das gestões petistas, durante as quais houve farto derramamento de recursos sem que obras saíssem do papel, o fundamental agora é planejamento cuidadoso e garantia da capacidade de gestão e de execução. No Maranhão, uma refinaria prometida por Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff ficou no canteiro de obras. A Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, tornou-se símbolo da corrupção identificada pela Lava Jato, também não foi concluída e agora está em processo de venda. Seu orçamento inicial era de US$ 2,3 bilhões e chegou a US$ 18,5 bilhões. “É uma questão de investir corretamente e não ter roubalheira. Caso tenhamos uma série de presidentes com esse pensamento, o país será capaz de resolver os problemas do Nordeste”, diz Heleno.

A aposta do governo é numa estratégia que permita a saída do assistencialismo por meio da criação de oportunidades de trabalho. O nome de batismo do programa ainda não está fechado, mas o grupo que trabalha na formulação — uma equipe interdisciplinar com técnicos de vários ministérios, do BNDES, da Embrapa e até da iniciativa privada — gosta de “Sertanejo Forte” ou “Sertanejo Vencedor”. Como slogan, “Família com renda mínima é família sem fome” ou “Família com renda máxima é família vencedora”.

O programa pretende integrar pequenos produtores rurais da região às operações do grande circuito do agribusiness. Presume-se que seja possível aproveitar recursos naturais do bioma da caatinga. Haverá crédito, assistência técnica e garantia de compra da produção. Todos os tipos de culturas capazes de prosperar no semiárido poderão receber recursos. “Todo o trabalho até aqui desenvolvido pelo governo, já demonstra que somos quem mais olhou e atendeu ao Nordeste brasileiro”, complementa o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni.

O grupo de trabalho analisa um conjunto de dados para estabelecer critérios claros para a aprovação de projetos, tais como área, PH do solo, acesso a água, indicadores sociais etc. Não haverá dinheiro a fundo perdido, e sim recursos a custos camaradas: R$ 25 bilhões anuais em um período de dez anos — ou seja, R$ 250 bilhões em créditos no total, operados pelo Banco do Nordeste e pela Caixa.

O crédito poderá ser tomado até mesmo por beneficiários do Bolsa Família. Será possível favorecer também quem ainda não tem terra para plantar — R$ 3 bilhões por ano serão destinados a uma linha de crédito para a compra de terrenos. Outros R$ 4 bilhões irão para uma linha habitacional, de modo que o proprietário possa construir ou reformar a casa-sede. Para a infraestrutura hídrica e irrigação, R$ 3 bilhões; os R$15 bilhões anuais restantes serão para o sistema de produção em si, o modelo integrado à agroindústria, seja com ovinocultura, caprinocultura, apicultura, cultivo de mamona, sisal ou ainda o tradicional umbuzeiro.

Trata-se de um megaprograma com potencial de mudar o semiárido nordestino, produzir riquezas, gerar muitos empregos e, finalmente, tornar a região menos dependente do Estado e mais próxima do virtuosismo do mercado — um caminho oposto àquele historicamente defendido pela esquerda. Caso o governo seja capaz de entregar ao menos as primeiras etapas concretas desse projeto, o Nordeste poderá ser uma grande surpresa no jogo eleitoral de 2022.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

22 comentários Ver comentários

  1. Parabéns pela reportagem, a mídia popular não mostra os feitos, apenas o lado ruim ou o que entendem como lado ruim. Acompanho as informações do Ministério da Infraestrutura, muitas obras realizadas e nenhum problema de corrupção.

  2. Fico contente quando leio reportagens como essa, que nos dão informações otimistas a respeito do trabalho do governo Bolsonaro em quem votei e continuou apoiando. Pq na mídia de forma geral, só vemos inúmeras maneiras de tentar tira-lo do governo pq não aceitam até hj, o resultado das eleições de 2018.

  3. Recursos sempre existiram, o que faltou foi aplicação correta. Vejo uma ótima alternativa para o futuro do Brasil e em especial, para a região nordeste do nosso querido Brasil! Finalmente poderei ver as pessoas daquela região “podendo pescar ao invés de receber o peixe”!

  4. Ficou faltando citar o projeto de saneamento que está pronto para ser aprovado no Senado. Apesar de ter na relatoria Tasso Jereissati do PSDB o governo tem que capitalizar esse ganho político, uma das propostas fundamentais do ministro Paulo Guedes.

    1. Venha conhecer Petrolina caro Rodrigo, minha cidade que fica no sertão de Pernambuco, região do Vale do São Francisco e veja aqui o exemplo que deu certo. Um projeto inovador e ousado há quase 40 anos atrás que resultou no Projeto de Irrigação Senador Nilo Coelho, transformaria uma região seca em um mar de verde das áreas irrigadas. Região de maior exportação de frutas como manga e uva do Brasil além da produção de excelentes vinhos que ganham cada vez mais reconhecimento nacional e internacional. Essa e outras obras semelhantes que vieram depois, transformaram nossa região e trouxe grande desenvolvimento socioeconômico fazendo ser destaque no cenário nacional. Por mais que sejamos um povo forte e trabalhador, temos que ter a oportunidade de trabalhar com os recursos e a estrutura necessária para sermos fonte geradora de muita renda não só aqui mas para todo o Brasil! Me orgulho de ser Nordestino!

  5. Que assim seja! Realmente, fica bem fácil de entender por que um projeto inicial de U$2,3 bilhões e que tenha chegado a U$18,5 bilhões não foi capaz de contribuir com a vida do nordestino. Até agora, e a despeito das caneladas e das “fake news”, meu voto ainda está sendo respeitado. E é isso que nordestinos, e também nortistas e sulistas, esperam de quem governa o país: RESPEITO.

  6. Parabéns pela reportagem. A gente não quer ficar refém da bagaceira usual tupiniquim, queremos serviços planejados, resultados concretos como esse. Torcemos pro Nordeste deixar d ser pastoreio sem perspectiva da esquerda

  7. Deixo aqui registrado os meus parabéns ao jornalista Rodolfo Costa pelo excelente artigo. Todas as edições da Oeste trazem artigos primorosos, e esta análise figura como uma das mais importantes de todas as edições até aqui.

    O Fator Nordeste é algo que o governo já identificou e, como apresentado no artigo, já trabalha para entregar resultados concretos ao povo nordestino.

    Sou do interior da Bahia (em minha cidade natal, Itapetinga-BA, o PR venceu nos 2 turnos), mas moro em Salvador, e vejo uma mudança gigantesca em relação à adesão dos nordestinos a bandeiras mais à direita. Manifestações populares expressivas a favor do governo já são bem características na cidade de Salvador, coisa que a esquerda jamais imaginou que poderia ocorrer.

    Ainda há muito o que ser feito, principalmente nas ENTREGAS de resultados. Quanto mais o governo Bolsonaro trabalhar e apresentar os devidos resultados aos nordestinos, o jogo começará a equilibrar e até mesmo com chances de, num futuro próximo, virar. A esquerda ainda é muito forte na região, mas nada como uma boa estratégia focada em dar ao Nordeste a estrutura e a dignidade que ele merece.

      1. Rodrigo Noel, dá um tempo! Vou desenhar, presta atenção: 1) no toma lá da cá, está implícito uma troca de interesses pessoais sub-reptícios em que o OBJETO da troca – tanto no “toma lá”, como no “dá cá” – está a vantagem indevida (seja ela qual for) e, 2) no “ganha, ganha”, não há nada implícito nem interesses sub-reptícios em jogo – a vantagem é política para os dois lados, o partido governista que realiza o projeto e o político local que apoia o projeto com seu voto no Congresso Nacional. O eleitor- beneficiário ao ficar atendido e satisfeito apoia – também com seu voto – os dois partidos. o que realizou e o que apoiou. Isso é jogo democrático NA VEIA. Enquanto, “toma lá, dá cá” é corrupção pura e dinheiro do contribuinte no bolso de vagabundo. ENTENDEU ?

      2. Caro Ney, o termo implícito foi muito bem colocado por vc. O teor dessas negociações são muito bem disfarçados; geralmente só descobertos pela PF. Arthur Lira e Ciro Nogueira são dois mercenários manjados com interesses nada republicanos.

  8. A aplicação correta dos recursos, sem roubalheiras, embasada em programas exequíveis , certamente mudará o cenário político e econômico do nordeste. Quando o povo perceber que pode produzir sua riqueza ao invés de depender da eterna “doação” do estado, certamente fará a opção pela independência.

    1. Senti firmeza no projeto! Será que, finalmente, um governo trabalhará para, de fato, emancipar o sertão nordestino? Aguardemos, vigiemos e forçamos!

      1. Alguém sabe onde encontro mais informações sobre o projeto? Ou ainda é sigilo?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.