Supremo Tribunal Viral

O STF surfou no surto da covid para disparar um Mandamento Raul Seixas a cada governador e prefeito brasileiro: faz o que tu queres, há de ser tudo da lei

O STF está fazendo política, como sempre. Pelo menos como tem sido com essa corte aí, ungida pelo Lula. Depois de meter a caneta de forma ditatorial numa nomeação do presidente da República, está conduzindo de forma circense (com os devidos vazamentos especulativos) a investigação sobre suposta interferência presidencial na Polícia Federal. Logo o STF, que interfere até em capa de revista. Mas de sua pior interferência ninguém mais fala.

O Brasil está impedido de ter uma política de enfrentamento da epidemia de coronavírus graças a um ato bizarro do STF. A corte máxima do país tirou do governo nacional o poder de conduzir o país durante a crise de saúde — como se a epidemia fosse estadual. Ou seria ela municipal?

Como se estivesse em mais uma dessas piruetas de Marco Aurélio para encenar o impeachment de Bolsonaro, ou de Alexandre de Moraes para decidir quem pode dirigir a PF, ou de Gilmar Mendes para soltar Lula no grito, o STF surfou no surto da covid para disparar um Mandamento Raul Seixas a cada governador e prefeito brasileiro: faz o que tu queres, há de ser tudo da lei.

E eles fizeram. Ou melhor, estão fazendo. Nem todos, mas numa farra dessas bastaria meia dúzia de aloprados para operar um belo estrago — e temos mais, muito mais que meia dúzia botando para quebrar.

Nem vamos falar aqui das inúmeras investigações sobre equipamentos de saúde superfaturados. Deixemos essa parte com a polícia. Falemos do que esses aloprados estão fazendo diretamente com a vida da população, o que é ainda pior do que roubar.

Milhares de municípios brasileiros sem um único caso de coronavírus estão com tudo fechado. Está sendo gestada uma ruína social sem precedentes — já convertida em tragédia humanitária, na cara de todo mundo.

Quem vocês estão esperando que venha libertá-los dessa sina? O papa?

Podem esperar sentados, ele não virá. A própria Organização Mundial da Saúde já deixou claro que em áreas menos atingidas pela epidemia e com vulnerabilidade social pode e deve haver circulação — isolados os grupos de risco e os sintomáticos — com o devido distanciamento pessoal e higienização. E você acha que os aloprados locais vão seguir as diretrizes da OMS ou o Mandamento Raul Seixas?

A OMS serviu no começo, quando propagou o “fica em casa” (e cala a boca). Aí os tiranetes diziam que estavam seguindo a ciência. Depois as autoridades que ainda têm algum juízo foram vendo que a coisa era mais complicada — e o confinamento totalitário não era uma panaceia. Mas quando Tedros Adhanom avisou, no início de abril, que o lockdown precisava ser relativo às circunstâncias de cada localidade, e que o contágio estava se dando de forma massiva dentro das residências, ninguém mais tinha ouvidos para o diretor-geral da OMS. Saiu cada um decretando a própria ciência.

O prefeito de São Paulo, por exemplo, inventou um rodízio de carros que causa aglomerações de pessoas. É uma ciência que nem o Tiririca consegue decifrar.

Já o governador de São Paulo inventou uma equação matemática entre porcentual de confinados e demanda por leitos — fórmula que nenhum cientista sério do mundo conhece, e que foi abalroada pela realidade exposta em Nova York: 84% dos hospitalizados com covid-19 no Estado norte-americano mais atingido pela epidemia estavam cumprindo o confinamento horizontal.

A ciência não tem certezas absolutas sobre o lockdown e a forma mais eficaz de adotar o isolamento, mas João Doria, Bruno Covas e aloprados associados têm.

Não vamos cansar sua beleza com rodeios: esses tiranetes estão fazendo política e vão manter o garrote máximo possível, pelo prazo mais longo que puderem, prolongando a epidemia e adiando o próprio treinamento da população para as novas formas de circulação restrita e distanciada. E vão continuar descendo o sarrafo na população trabalhadora, como se medidas sanitárias autorizassem a boçalidade.

Veja um androide como Wilson Witzel barbarizando mulheres e crianças na orla do Rio de Janeiro enquanto, na mesma cidade, pessoas se aglomeram para receber o auxílio emergencial — sem nenhum meganha do governador para ao menos organizar a distância entre os ocupantes das filas. Quem aí está preocupado com contágio e com a preservação de vidas?

O STF é o padrinho dessa tragédia. Fez isso por politicagem contra o governo federal. Vamos ver até quando os brasileiros sequestrados vão esperar para rugir contra os falsos protetores que estão devastando o país.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

43 comentários Ver comentários

  1. A cada dia aumenta nossa perplexidade frente a tanta covardia! É como se todos estivéssemos de joelhos frente a um STF QUE LEGISLA e usurpa poderes, agindo politicamente, contra o chefe supremo dessa Nação e pior, contra o povo mais sofrido dessa Nação que SANGRA a cada dia…

  2. O pior é que não existe uma só autoridade no país que dê um basta nesta sacanagem do STF e dos governadores salafrários. Só as forças armadas seriam capazes de dar um basta a esta anarquia. O povo tem pedido e os generais estão surdos. Parece que é um bando de borra botas. Tomem jeito generais!

  3. Fiuza, genial seu texto… impressionante a clareza, consistência e lucidez!
    Ah! Quanto aos colegas que escreveram fazendo considerações…do tipo: ” sou liberal e ainda bem que o meu prefeito tem autonomia” ou então o outro que chamou para o tema o “fdp traidor-mor dos brasileiros”, releve..! Sempre vai haver um estupido de plantão para criticar…o próprio CRISTO não teve unanimidade! E ELE … era ELE!

  4. Como discurso politico, ok. Mas como analista preso a uma linha técnica de defesa do argumento básico (o Supremo em uso e abuso do seu poder), não vi. Entendo que uma analise técnica seria para cada ato colocar a argumentação (ou própria ou de referencia ). Faço minha analise própria – nao sou bacharel – sobre o ultimo ato polêmico do supremo pela caneta do Ministro Alexandre – suspender a nomeação do Delegado da PF na Abin para a Direção da PF. Viu na ação do presidente o periculum in mora de atos discricionários do presidente, fundamentando-o pela nao observância do principio da impessoalidade (nao observar o interesse publico e sim o privado). Os ministros apresentou os elementos. Mais importante, a pressa na nomeação não se justifica. Ainda importante a nomeação de outro delegado para o cargo indicou que o perigo de fato existia: a substituição do superintendente da PF no Rio de Janeiro. Fiz a minha consideração. E acrescento minha visão sobre tanta polemica apaixonada. A saída do Moro deixou órfão os que tinham esperança de um governo isento do toma la da ca. Muitos aceitaram a derrota e a fraude eleitoral pela quebra da promessa de campanha. Outros não. Tudo indica que o apego a mitos pode ser um problema. É o que vejo em muitas analises, inclusive esta. Eu tambem mantinha um certo apreço pelo presidente trapalhão. A minha defesa desse mal foi endógena: tinha definido um limite para apoia-lo: a volta do toma la da ca. Nada mais simbólico de que isso tenha acontecido com a saída do Moro.

  5. O bom mesmo do FIÚZA é que ele bate na “moleira”.Sem rodeios ou meias palavras.Como governar sem toma lá dá com esse Congresso? Com os “ungidos” do STF querendo ser “intelectuais” com frases emboladas,invadindo o executivo em ativismo judicial?Com imprensa sem dinheiro do governo,falindo e toda ela contra?Com jornalistas medíocres vivendo de “vaquinha”pós demissão,contra?Sozinho Bolsonaro com povo na rua -e cloroquina liberada enfrenta-todos.Moro entrou como semideus e saiu espião e traidor esquecido.Hoje um contínuo! O FICA EM CASA tá ruindo,fazendo água-é o grande medo dos governadores e prefeitos-com povo na rua eles caem.Não precisa das FFAA,só povo na rua.Eles não tem e Bolsonaro tem.Bastilha não caiu assim?

  6. STF não têm “justiça” nem no seu nome… só o que querem é ser “supremos”… Daí um dos filhos do Bolsonaro foi dizer que “basta um Cabo e um Soldado pra fechar o STF” e pronto, resolveram tratar tudo sob a vara deles, pra mostrar que não se abalam com a opinião popular. Da mesma forma que há boicote dos esquerdopatas contra a Hidroxicloroquina, pois alguém a taxou de “remédio do Bolsonaro”.

  7. E nós, o povo, de tão aterrorizados que estamos, graças a essas medidas impostas e com a ajuda dessa imprensa de lixo (leia-se Globo), não podemos sequer reagir. Muito embora o “cordeirismo” histórico do brasileiro faz com ele só acorde depois que a água já está quase a afoga-lo. Pobre Brasil!

  8. Esta situação da Covid no Brasil parece guardar uma certa semelhança com a história relatada pelo livro “Ben Hur, uma história dos tempos de Cristo”, quando inadvertidamente o sujeito , do alto onde estava, deixa cair uma telha na cabeça de alguém (não me lembro mais direito como), dando início a um longo calvário na sua vida, sofrimento em cima de sofrimento. No nosso caso, ao que se pode deduzir do texto, esta telha caiu dos altos do STF na cabeça do povo. O calvário está aí e tem tudo para seguir em frente, só não sei se também vamos chegar ao ponto de remar nas galés como o protagonista daquela infeliz história, invertendo aqui, propositalmente, os papeis de cada lado.

  9. Fiuza, jamais imaginei ler tanta bobagem de tua caneta que, até então, respeitava.
    Primeiro, por mais que STF seja o que eu, você e a torcida do Flamengo já sabemos, neste caso seguiu simplesmente a Constituição, sua função precípua, ao determinar a competência estadual, na República FEDERATIVA do Brasil. Está lá, na constituição e no no do país, e não vai mudar porque você não gosta, né ô Raul?
    Segundo, escreve que “tirou do governo federal a capacidade de conduzir o país como se a crise fosse estadual ou municipal”. Ma cazzo, é exatamente isto que ela é: localizada! Teu Rio e minha Curitiba não podem estar sob a mesma diretriz, temos situações diametralmente distintas. Aliás, estamos muito bem obrigado, exatamente em função das autoridades locais.
    Terceiro porque tua visão, de um governo central e impositivo, é exatamente a antítese do Liberalismo que, assim imaginava, você professava. Ok, problema teu, eu continuo liberal de carteirinha

  10. Ué, “Menos Brasília, Mais Brasil” é isso aí. O STF reafirmou o federalismo e foi aderente ao.mote de campanha do.Bolsonaro. Por que o faniquito?

    1. É só não cobrar do governo federal eventuais desastres na saúde e na economia. Afinal as decisões foram tomadas pelos prefeitos e governadores (que são os “competentes” segundo o STF).

    2. Você têm razão em parte, pois nessa questão as decisões Municipais vão afetar a nível Estadual e Federal também. Se fosse um caso rotineiro, pra decidir onde gastar em infraestrutura na cidade (uma ponte, um hospital, uma escola, etc), daí sim. Mas veja que há Prefeitos querendo isolamento vertical, e o Governador não permite. Ou seja, a autoridade do meio manda mais que a autoridade de baixo e que a de cima… E no final, a autoridade de cima é que está levando a culpa pelo número de óbitos elevados!

  11. Os “malucos beleza” do STF, que de loucos não tem nada, assombrando o país com medidas judiciais para as quais nem foram chamados a opinar; quanto mais julgar.

  12. O pior é que a capacidade de ver o problema de fora foi retirada do povo. Se alguém disser a um estrangeiro que o STF tolheu o poder de decisão do Presidente da República para tomar ações em favor do povo, ninguém vai acreditar. E é tão visível que tal interferência é política sem nenhum interesse genuíno de salvar a população. Coisas simples como um simples protocolo de atendimento inicial com a Hidroxicloroquina, que atende as recomendações do órgão maior da medicina no Brasil, não se consegue implantar no Brasil. Estamos acéfalos por ordem do STF que como uma Hidra tem 11 cabeças não pensantes.

  13. O governo federal deveria usar do artigo 142 da Constituição, e fechar esta nefasta corte. Custa imensamente caro ao País, pelos péssimos serviços prestados.

  14. O povo está dando corda a todos esses personagens, é questão de tempo para destruí-los e jogá-los no lixo da história. O povo está em silêncio mas do lado do Governo. É visível.

  15. O STF da poderes a governadores e prefeitos para definir poiiticas de prevencao e combate ao Covid19. A prefeitura de Londrina decide abrir o comercio. Uma ministra do STF, monocraticamente, intervem e manda fechar tudo. Os ministros do STF se acham, além de supremos, vice-reis?

  16. É, Fiúza. Haja resiliência. Acho que os brasileiros sequestrados estão mais que adestrados. Se nem os paulistas rugiram e se afrontaram à estúpida quarentena, o que fazer pra evitar o brejo de ruínas que nos assombra o horizonte?

  17. Fiuza, assim a classe jornalística pensasse de maneira independente como vc, conseguiríamos ir avante em muitas situações. Mas infelizmente, o q vemos é pura militância para o pior e contra o Brasil. O STF realmente é um câncer para esse país, um senado e congresso corruptos q só pensam em si próprios.
    Ainda bem, q temos vc para nos acalentar com esses textos maravilhosos.

  18. É um verdadeiro escândalo o que está acontecendo nesse País! É hora de enfrentarmos a hipocrisia desses ditadores com uma consciente e corajosa insubordinação!

  19. Artigo muito corajoso, Fiuza. Encarar as togas não é para qualquer um. Tu és um desses sem medo de dizer verdades a quem se acha dono delas. Abraço

  20. Poucos jornalistas tem a coragem de ser referir ao “stf” da forma que todo o Brasil que presta deseja. Vou além, o “stf”é o CANCER do país. Dar poder a governadores e prefeitos (vários deles sabidamente corruptos como Doria, Witzel, Rui Costa, Flávio Dino, Wellington Dias, Edinho Silva e outros), para decidir a forma de “gerenciar”a pandemia, é dar o sinal verde para o estabelecimento do caos.
    Enquanto as FFAA não erradicarem os comunistas e os populistas, não sairemos do lamaçal em que estamos.

  21. Isso aí. Sempre me questiono se a mãe de toda a balbúrdia, desrespeito aos cidadãos ,etcetera… não é a justiça ,com a leniência costumeira com infratores de todo o tipo. Outro ponto que julgo importante é uma reforma política ,implantando o voto distrital puro com recall.

  22. “Logo o STF, que interfere até em capa de revista. Mas de sua pior interferência ninguém mais fala”.

    A própria revista atacada se faz de muda prefere atacar com “eu estava certo”.Se delícia com o caos do país. Tá parecendo que desistiram do jornalismo e partiram para militância. INFELIZMENTE

  23. Exato, o STF na verdade vem apadrinhando – por incompetência (cadê o notório saber jurídico?) -, vaidade, megalomania, e interesses políticos, a derrocada da Governabilidade, brocando sistematicamente as iniciativas legítimas (donde a separação dos Poderes?) do Presidente legitimamente eleito, tudo com o conluio do excrescente Senado Federal, que faz ouvidos moucos à CPI do Judiciário e ao impeachment de ministros daquela Instituição que deveria ser o esteio do Estado Democrático. E a voz do sistema conspiratório é a grande mídia, não devendo ser esquecida também a sempiterna OAB, que tornou-se, na pessoa do seu canhestro Presidente, meramente, uma execrável agremiação partidária esquerdista e desbordada da sua deferência Constitucional.

  24. Excelente Artigo. Claro e sem rodeios. Falou o que precisa ser dito. E digo mais a culpa tb é do Senado Federal com seus senadores corruptos a ponto de não ter força pra propor um Impeachment de um ministro do Supremo que abuse do poder.

    1. Ao que me consta , 29 assinaturas pela instalação da CPI do poder judiciário foram coletadas. Por que ainda não foi pra frente? Com a palavra, o Batoré.

    2. Excelente reflexão. Minha mãe nos colocava com crianças com sarampo para pegar mais rápido. Hoje muitos dos “I’m bad” musculosos, defensores de armas estão embaixo da cama, com medo de sair de casa, apavorados pelo alien invisível…dificil defender um país. Imagine se fosse guerra mesmo

    3. Meu amigo, no meio de toda essa escuridão, uma luz brota através da sua escrita. Parabéns pela lucidez, pelo pragmatismo e pela clareza que narra esse bizarro cenário que estamos vivendo nas mãos desses cretinos. Tenho oito empresas e mais de quatrocentos funcionários. Todas estão paradas. Já demiti 130 e a continuar mais trinta dias fecharei de vez. Já não estou aguentando de tantas cestas básicas doadas, tantos aluguéis atrasados de funcionários que tenho pago. Estou tentando de tudo para amenizar o sofrimento deles, mas os aloprados não deixam. Abraços.

    4. O poder está com governadores e prefeitos. Ou melhor, com o STF. Ou melhor, com a esquerda.
      A pandemia da covid pode até acabar mês que vem, mas a econômica e social vai demorar. Muito. Talvez até a próxima eleição presidencial.

      1. #PecDaBengalaJá. Esta é a solução mais rápida para o Brasil, já que o Batoré não quer fazer nada contra quem lhe protege. Uma simbiose danosa ao país.

    5. Fiuza é um grande jornalista,lúcido de ideias e texto exemplar. Mas tem um único erro, não compreendeu a grandeza de Sérgio Moro é suas críticas à este herói nacional são tolas e infundadas

      1. Concordo 100% com você. Realmente admiro o Fiúza e a lucidez de seus textos. Mas a não compreensão de que o PR está traindo descaradamente, e desde o inicio de seu governo, os princípios basilares que o elegeram, e não foi jamais o discurso da economia e sim o do combate à corrupção, faz com que eu sinta uma ponta de decepção pela sua avaliação do caráter íntegro de um verdadeiro patriota chamado Sérgio Moro.

      2. Onde Sérgio Moro foi citado no texto? Será que estou cego ou não sei ler mais?

    6. Fiuza concordo com tudo que está escrito, mas citando novamente o Raul Seixas quem sabe se o Estado brasileiro não sofre uma metamorfose ambulante e muda tudo, porque está tudo errado.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.