O antirracismo acima de todos e as ‘vidas negras’ acima de tudo

Pelo jeito, a única maneira de contentar o “movimento negro” seria obrigar a polícia a seguir um regulamento de ação inteiramente novo
-Publicidade-
Movimento Black Lives Matter
Movimento Black Lives Matter | Movimento Black Lives Matter

Publicado na Gazeta do Povo, em 3 de setembro de 2020

J.R. Guzzo

-Publicidade-
Movimento Black Lives Matter

Nos Estados Unidos de hoje as coisas estão assim: se um policial branco atira num homem negro, não importa por qual motivo e em quais circunstâncias, o “movimento antirracista”, que no momento opera sob a marca genérica “Black Lives Matter”, começa imediatamente a tocar fogo nas cidades, saquear lojas e exigir que o orçamento das polícias seja cortado. (Não se sabe qual seria a posição do movimento em relação aos atos praticados pelos milhares de policiais negros que trabalham em todos os 50 Estados norte-americanos, mas não é permitido perguntar nada a respeito; a simples pergunta, em si, já é racismo.) Ao mesmo tempo, uma manchete única circula na mídia mundial: “Polícia mata homem negro nos Estados Unidos”.

“Homem negro”? No último delírio deste tipo, a polícia de uma cidade de interior foi chamada por uma mulher negra para deter um indivíduo, também negro, que a estava ameaçando em sua casa. Esse cidadão era um ex-namorado da mulher; por ordem da justiça, estava proibido de chegar perto dela. Tinha contra si um mandado de prisão e um histórico de violência agravada contra mulheres. Quando a polícia chegou, estava armado. Não há nenhuma dúvida de que se tratava de um criminoso. Mas nada disso tem a menor importância. O incidente, no qual o agressor acabou morto ao resistir à prisão, já está devidamente registrado como mais um marco na história do “racismo”, da “resistência à brutalidade branca” e do heroísmo da raça negra na luta contra a opressão policial.

Pelo jeito, a única maneira de contentar o “movimento negro” e seus servidores na esquerda branca dos Estados Unidos – ou, pelo menos, de tentar alguma coisa parecida – seria obrigar a polícia, daqui para diante, a seguir um regulamento de ação inteiramente novo. Como sugere um vídeo de humor que corre a internet (assista abaixo), a polícia só deve mandar para a cena de um crime policiais que, comprovadamente, não são racistas, violentos ou discriminatórios. Os cidadãos, ao fazerem um pedido de socorro, ficam obrigados a informar a raça, a orientação sexual, o “gênero”, a idade, a folha corrida e outros detalhes sobre o agressor; têm de se certificar de que ele está armado, e que tipo de arma, exatamente, está portando consigo. Caso o criminoso seja “não-caucasiano”, a polícia está proibida de enviar policiais brancos para socorrer a vítima, mesmo que ela seja negra – como aliás foi o caso neste último episódio. Se alguma dessas observações não for seguida, nada feito: a polícia não se mexe.

É o antirracismo acima de todos e as “vidas negras” acima de tudo. Quem sabe, assim, param de saquear as lojas da Apple ou da Nike – desde, é claro, que os novos mandamentos para a polícia sejam acompanhados da renúncia imediata de Donald Trump, de “salários iguais para os negros” e da extinção do “racismo sistêmico”.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site