Senado proíbe Estados e municípios de fechar hospitais de campanha

Projeto de lei seguirá para votação na Câmara dos Deputados
-Publicidade-
Leitos de um hospital de campanha no Rio de Janeiro
Leitos de um hospital de campanha no Rio de Janeiro | Foto: Divulgação/GERJ

O Senado Federal aprovou proposta que impede prefeituras e governos estaduais de fechar hospitais de campanha. O assunto foi votado pelo plenário da Casa na noite desta quarta-feira, 10, e será encaminhado para análise da Câmara dos Deputados.

Leia mais: “339 X 114: Câmara aprova autonomia do Banco Central”

Validado pela maioria dos senadores, o projeto determina que nenhum hospital de campanha poderá ser fechado enquanto o país não contar com “ampla vacinação” contra o novo coronavírus. O texto aprovado define ampla vacinação como 70% da população brasileira imunizada contra a covid-19.

-Publicidade-

Além do fechamento de hospitais de campanha em definitivo mediante a vacinação em massa no Brasil, prefeitos e governadores só poderão desativá-los, mesmo que de forma momentânea, diante de comprovação de disponibilidade de leitos na rede de saúde pública da cidade ou do Estado em questão.

“Grande importância para assegurar a manutenção da assistência prestada frente à grande demanda decorrente do surto de covid-19”

“A instituição dos hospitais de campanha tem sido medida de grande importância para assegurar a manutenção da assistência prestada frente à grande demanda decorrente do surto de covid-19 no Brasil”, afirmou o relator da proposta, senador Marcelo Castro (MDB-PI), informa a Agência Brasil.

Controle

Sem citar um caso em específico — como o Estado de São Paulo, que investiu em hospitais de campanha para desativá-los meses depois —, o relator do projeto de lei defende a necessidade de, neste momento, o país contar com controle a respeito do funcionamento de hospitais.

“Estamos dizendo que os hospitais de campanha só podem ser desativados se tiver na central de regulação leitos suficientes para poder fazer face à desativação”, declarou Marcelo Castro. “Ou no caso de ter mais de 70% da população vacinada. Uma coisa ou outra”, finalizou o senador.

Painel: os números da covid-19 no Brasil e no mundo

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 comentários

  1. 01 ano se passou e ainda não se equalizou o número de leitos necessários FIXOS nos hospitais para os atendimentos ! Dinheiro teve e muito, nossos hospitais públicos NUNCA tiveram vagas suficientes, sempre morreu muita gente nas filas intermináveis! Quantos ANOS ainda precisarão para a solução de leitos em definitivo??
    Essa politicagem CANSA…

  2. Os nossos deputados e senadores são inúteis para o Brasil, depois que todos os hospitais de campanha foram fechados eles vem com essa proposta? Só faltam querer que os hospitais de campanha sejam reconstruídos, o que eu não duvido, já que eles tem o hábito de fazer o povo de palhaço.

    1. Concordo plenamente com essa observação. Uma vergonha como colocam o Ministro da Saúde num circo sobre o Amazonas e não colocam o governador de São Paulo nessa CPI. O ditador Nanico do nosso estado deveria dizer onde enfiou o dinheiro e os Hospitais de Campanha! VERGONHOSO!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site