Revista Oeste - Eleições 2022

Banco Central vai regular mercado de criptoativos

A intenção é garantir a segurança das operações
-Publicidade-
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto | Foto: Alan Santos/PR

O Banco Central (BC) pretende regular o mercado de criptoativos para garantir o lastro das operações (segurança do ativo). A afirmação foi feita pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, em um evento realizado na segunda-feira 6, no Rio de Janeiro.

Segundo ele, “as pessoas não estão comprando criptoativos, elas estão comprando certificados que supostamente têm um criptoativo por trás”, o que, segundo ele, é preocupante.

“O BC vai regular o câmbio de criptoativos para garantir que quem vende algo tenha aquilo”, disse Campos Neto.

-Publicidade-

O presidente do BC ressaltou que a regulação de criptoativos representa um desafio para autoridades em todo o mundo, que buscam permitir a segurança nos ganhos com as inovações sem fechar a porta para novas tecnologias, que ainda são desconhecidas. “O maior desafio é regular o futuro. Quando você cria uma regulação não é para hoje”, observou.

O presidente do BC destacou ainda que os criptoativos cresceram mais no Brasil como investimento do que como meio de pagamento e destacou que há concentração de custódia desses ativos. “80% dos ativos em cripto estão em quatro custodiantes”, afirmou.

Cartão vai desaparecer?

O titular do BC afirmou ainda que a tendência é que o cartão de crédito e  débito físico desapareça com a criação de wallets (carteiras) virtuais integradas.

“Acho que a verdadeira questão é o canal para fazer transações bancárias. Hoje em dia, você abre o aplicativo do banco, não acho que isso vai existir por muito tempo. Vamos ter o conceito de wallets integradas. Vai ser o fim do cartão físico como conhecemos hoje”, ressaltou.

Campos destacou que inovações no sistema de pagamentos vieram do período de inflação elevada. Para ele, o movimento de inovação tecnológica foi acelerado pela pandemia. Além disso, ele afirmou que novos modelos de negócio foram criados com o Pix — pagamento instantâneo.

“No interior do país, dinheiro em espécie era um problema. Muitos municípios não têm banco, as pessoas precisavam ir a outra cidade para sacar dinheiro. Criamos uma solução, que foi o Pix saque e o Pix troco”, disse.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.