Entrega de fertilizantes da Rússia vai garantir a safra brasileira

O cumprimento dos contratos de fornecimento de insumos para o Brasil foi confirmado por autoridades do governo russo
-Publicidade-
A Rússia representa cerca de 20% do total de fertilizantes importados pelo Brasil
A Rússia representa cerca de 20% do total de fertilizantes importados pelo Brasil | Foto: Divulgação

A entrega de fertilizantes pela Rússia no médio prazo vai promover a segurança para a manutenção da boa produtividade nas próximas safras brasileiras.

Essa é a análise do diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sergio De Zen, que destacou a necessidade das entregas de fertilizantes ao país.

O cumprimento dos contratos de fornecimento de fertilizantes para o Brasil foi ratificado em reunião realizada entre a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e autoridades do governo russo, além de representantes de empresas dos insumos daquele país.

-Publicidade-

“O Brasil depende de insumos importados para manter a produtividade”, destacou De Zen. “Então, o principal objetivo foi o pacto dos fornecedores de que eles irão cumprir os contratos, e a garantia de que farão novos acordos assegurando o fornecimento nas próximas safras.”

“Um compromisso com o principal fornecedor desses fertilizantes é importante para termos segurança de que vamos ter o insumo para poder manter a produtividade”, disse.

“Isso é fundamental para a segurança alimentar do Brasil e dos países que dependem do alimento brasileiro”, acrescentou o diretor.

Rússia anunciou restrições às exportações

A Rússia representa cerca de 20% do total de fertilizantes importados pelo Brasil. Recentemente, o governo russo anunciou restrições às exportações dos produtos nitrogenados por meio de cotas de exportação pelo período de seis meses a partir de 1º de dezembro.

O objetivo é evitar escassez no mercado interno. Segundo o diretor da Conab, mesmo que haja atraso nas entregas dos insumos, o impacto na safra pode ser mitigado. “Desde que seja planejado, isso não deve influenciar na produção”, disse De Zen.

Conforme o último Boletim Logístico divulgado pela Conab, entre janeiro e setembro deste ano, o Brasil importou quase 30 milhões de toneladas da categoria de insumos, entre adubos e fertilizantes.

O volume representa um acréscimo de cerca de 20% em relação ao mesmo período de 2020, quando foi registrada a compra de cerca de 25 milhões de toneladas.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.