Seca no Brasil está influenciando preços dos grãos

Produção de milho no Rio Grande do Sul e de soja no Paraná está sendo castigada pela falta de chuvas
-Publicidade-
No Rio Grande do Sul, já é indicado que haverá quebras significativas de produtividades nas lavouras de milho
No Rio Grande do Sul, já é indicado que haverá quebras significativas de produtividades nas lavouras de milho | Foto: Walter Campanato/Agência Brasil

A seca no Brasil está influenciando os preços da soja e do milho no mercado internacional.

Na bolsa de Chicago, nos Estados Unidos, o contrato do milho com vencimento em março de 2022 acumula alta de 3,5%.

No caso da soja, o contrato caiu 1,7% na primeira semana do ano, afetado principalmente pelo mercado financeiro. No último mês, no entanto, a valorização em Chicago já superou os 10%.

-Publicidade-

Os últimos dados das condições das lavouras de soja no Paraná mostram uma piora significativa, conforme mostrou Oeste.

O secretário de Agricultura do Paraná, Norberto Anacleto Ortigara, divulgou um vídeo reforçando que o Estado passa pela pior crise hídrica do último século.

“Tínhamos a expectativa de recuperar o prejuízo do ano passado com uma safra 2021/22 cheia, mas o quadro climático fez a gente perder grande parte do esforço de produção. Por isso, estamos divulgando uma quebra de quase 40% na produção esperada de soja”, disse o secretário.

Com isso, das mais de 21 milhões de toneladas de soja que o Paraná deveria colher neste ano, a expectativa é que a produção fique perto de 13 milhões de toneladas. A quebra representa um prejuízo superior a R$ 14 bilhões.

No Rio Grande do Sul, já é indicado que haverá quebras significativas de produtividades nas lavouras de milho por causa da seca, principalmente, na região oeste e noroeste do Estado.

A Companhia Nacional de Abastecimento deve atualizar suas estimativas apenas na próxima semana.

O Itaú BBA informou em seu relatório ao mercado que o período seco que tem acometido a região sul já tem seus efeitos sentidos fortemente nas condições das lavouras de milho da região, que é responsável por cerca de 45% da produção nacional.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. A reportagem não diz e fica uma lacuna para conjecturas. Difícil acreditar que lavouras de grande porte nao tenham sistemas de irrigação artificial.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.